Secretários do Ministério da Economia pedem demissão - Revista Oeste

Em 11 ago 2020, 19:43

2 secretários do Ministério da Economia pedem demissão

11 ago 2020, 19:43

Salim Mattar (Desestatização) e Paulo Uebel (Desburocratização) deixam a pasta comandada por Paulo Guedes

paulo guedes - ministério da economia - 2 secretários - demissão

Foto: REPRODUÇÃO/CNN BRASIL

Os funcionários dos Correios não precisam mais se preocupar em tentar censurar o integrante do governo federal que tecia críticas públicas à estrutura da estatal. Isso porque o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, pediu demissão no início da noite de hoje.

Leia mais: “Esquerda vai ao STF contra Lei da Liberdade Econômica”

Em entrevista coletiva, o ministro Paulo Guedes confirmou que Mattar está fora de sua equipe, pois entregou a carta de demissão. “É um sinal de insatisfação com o ritmo de privatização”, comentou, conforme divulgado pela CNN Brasil. Nesse sentido, Guedes resumiu o teor da conversa com o agora ex-membro do governo: “Ele me disse que é muito difícil privatizar, que o establishment não deixa ter privatização, que tudo é muito difícil. Tudo muito emperrado”.

“Enquanto a iniciativa privada leva 45 dias para vender uma empresa, no governo são dois anos”

Dificuldade que há dois meses o então secretário especial de Desestatização admitiu em entrevista a Oeste. “Enquanto a iniciativa privada leva 45 dias para vender uma empresa, no governo são dois anos”, lamentou Mattar na ocasião.

Outra baixa

Além de Mattar, a pasta conduzida por Guedes desde o início da gestão Jair Bolsonaro perdeu mais um colaborador nas últimas horas. Também com o título de secretário especial, Paulo Uebel tomou a mesma atitude de seu colega que deveria cuidar das desestatizações: pediu demissão. Até o fim da tarde de hoje, ele era responsável pela parte de Desburocratização, Gestão e Governo Digital.

No caso de Uebel, Guedes explicou que ele estava descontente com a demora no avanço da reforma administrativa. Assim, o ministro da Economia admitiu que a “debandada” em sua equipe poderá servir para que ele reestruture a pasta.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 Comentários

  1. Ruim! Péssima notícia.

    Responder
  2. Fabio Farias tomou café com Bolsonaro hoje, ele é responsável pela privatização dos Correios. Salim saiu por causa dele? Muito estranho, viu?

    Responder
  3. Qualquer país q lute para se livrar do câncer esquerdista está em guerra. Sem eufemismos, tb estamos em guerra declarada contra os adoradores de ditaduras, genocidas, ladrões, vagabundos, hipócritas e mentirosos. E numa guerra, há os q não aguentam a pressão. Todos os brasileiros de bem apóiam o governo Bolsonaro e Paulo Guedes. Quanto menos estado para a esquerda roubar, melhor. Quanto mais iniciativa privada, muito melhor.

    Responder
    • Os motivos apresentados talvez não reflitam a realidade. Existem muito mais coisas que nós, meros mortais, não sabemos. Como cidadão espero que a reestruturação da equipe seja para um time melhor e que vá até o fim na missão de ajudar o Brasil. PRIVATIZA TUDO!!!

      Responder
  4. Saem dois bons, com o direito q têm de voltar a cuidar de seus negócios, sem contudo abandonar o barco. Depois de 30 anos de aparelhamento e escuridão, com tantos políticos fisiológicos e funcs públicos esquerdopatas, ñ tá fácil romper. Tem q ter sangue nos olhos como o mundialmente reconhecido Guedes. Firme GOVERNO CENTRAL. Ñ são perdas q nos desanimarão. Ñ aceitamos os traidores da Pátria e enganadores infiltrados. Estamos no caminho certo.

    Responder
  5. “O Brasil não é para amadores”, Tom Jobim já dizia.
    Sim, adicione a absurda burocracia à má vontade do Congresso, opositor a Bolsonaro, de agilizar o processo de desestatização e privatização e terá o resultado ineficiente que afeta o Brasil e os nervos de qualquer um. Mas deixar o cargo por causa do “grande trabalho” que dá, é no mínimo uma decepção! Nenhum dos demissionários desconhecia essa morosidade e ineficácia absurda do “establishment”. Paulo Guedes tem resistido estoicamente a ele e lutado com gana para superá-lo, sempre com palavras otimistas para a população, mesmo que não acredite nelas. Admirável! Mas só existe um Paulo Guedes, nenão? Poucos aguentarão a pressão como ele… E vamos em frente, PG, com o povo todo lhe apoiando! “Agua mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. Vai conseguir! 💪🏼🙌🏼 Obrigada! 🤗

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Coronavírus

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês