A ditadura do pensamento único - Revista Oeste

Revista

A ditadura do pensamento único
Pode ser que a fórmula adotada pela ditadura chinesa, validada pela OMS e por inúmeros cientistas, seja definitivamente, sem a menor sombra de dúvida, a melhor. Mas também pode ser que não
27 mar 2020, 12:33

É bastante emblemática, embora pouco conhecida, a batalha do cientista australiano Barry Marshall para tentar provar, na década de 1980, contrariando o consenso dos seus pares, que úlceras gástricas podiam ser causadas por uma bactéria, em vez dos fatores psicossomáticos aos quais eram, até então, unanimemente atribuídas. A rejeição da comunidade científica foi absoluta: como poderia qualquer bactéria sobreviver num ambiente ácido como o estômago? Objeto de escárnio e de uma campanha de difamação, Marshall não viu outra saída a não ser contaminar-se, voluntariamente, para provar sua tese. O que sugere que, apesar da natureza intrinsecamente investigativa e avessa a dogmas da ciência, como já ensinava Galileu Galilei há mais de três séculos, os donos do saber de quaisquer disciplinas, e em quaisquer tempos, não gostam de ver suas certezas contrariadas.

Barry Marshall - Cientista Australiano prêmio Nobel em 2005 / Penn State - Flickr

O cientista australiano Barry Marshall, ganhador do prêmio Nobel em 2005 / Penn State – Flickr

Graças à persistência de Marshall, que acabou sendo reconhecido com um Prêmio Nobel ao lado do colega de pesquisas J. Robin Warren, milhões de pessoas hoje se beneficiam dos tratamentos surgidos a partir da descoberta da Helicobacter Pylori. De lá para cá, porém, continuam a multiplicar-se exemplos de o quanto pode ser desafiante, mesmo para cientistas de renome, questionar posicionamentos consolidados. Como testemunha a minoria deles que ousa levantar ressalvas ao relatório do Intergovernamental Panel on Climate Change, o IPCC da ONU, sobre o aquecimento global e o peso relativo da atividade humana neste contexto. Embora inclua sumidades como os físicos Freeman Dyson, recentemente falecido, e Ivar Giaver, celebrado com um Nobel, este grupo não é apenas ignorado, mas quase sempre desqualificado por seus críticos.

Manifestações agressivas

Agora, a pandemia da covid-19 nos oferece outro caso explícito de ditadura do pensamento único. É certo que leigos não dispõem de embasamento técnico para tomar partido entre os que defendem a quarentena absoluta e a suspensão das atividades produtivas por tempo indeterminado, independentemente dos custos humanos e sociais decorrentes, seguindo a fórmula da China, e aqueles que advogam abordagens diferentes, como as adotadas em  países como Japão e Coréia do Sul. Ou ainda modalidades de abordagem cirúrgica ou lockdown vertical adaptadas a realidades de cada país.

Parece mais do que razoável, entretanto, defender que, frente a um assunto de tamanha complexidade e impacto, todos possam ter acesso ao mais amplo leque possível de informações e pontos de vista de fontes qualificadas.

Mas isso, infelizmente, não está ocorrendo.

Em parte pelo efeito de ressonância das mídias, que repetem de forma exaustiva e redundante informações das mesmas fontes, em parte pelo chamado “viés de confirmação” — a tendência das pessoas de privilegiar dados que reforcem suas próprias opiniões —, vimos construir-se rapidamente, em escala internacional, narrativas homogêneas e verdades absolutas sobre a pandemia. Além de manifestações agressivas para desacreditar qualquer um que defenda o direito à reflexão e ao contraditório.

Uma guerra política sem quartel

No Brasil, que o covid-19 pegou em meio a uma guerra política e ideológica sem quartel, a busca da verdade ficou ainda mais problemática. Tudo o que se divulga parece editado de forma enviesada para servir a um ou outro interesse partidário. O problema é que a História já deu provas mais do que suficientes de que este tipo de supressão de vozes divergentes leva quase sempre a decisões equivocadas.

A própria gestão da epidemia na China talvez seja o exemplo mais recente. Pois enquanto a Organização Mundial da Saúde, OMS, e parte da imprensa aplaudem os métodos pelos quais o regime comunista teria contido, depois de dois meses, a propagação do vírus, não se permite discutir qualquer eventual responsabilidade do governo do país na epidemia. Como se afirmar a procedência chinesa do vírus constituísse preconceito racista. E apesar de documentos do próprio Partido Comunista Chinês atestarem que as providências de contenção só foram tomadas tardiamente, depois que a política de prender ou dar sumiço aos que tentaram alertar sobre o surto mostrou-se insuficiente para contê-lo. Caso do médico Li Wenling e do repórter-cidadão Chen Qiushi, entre outros.

A China, aliás, parece que se recusa a aprender com a História.

Porque, apesar de ser impossível saber, de forma confiável, o que de fato acontece no país, já que o regime totalitário de partido único controla a informação e persegue opositores, temos a referência fartamente documentada das trágicas consequências de outro caso escandaloso de supressão da discórdia comandado pelo regime. Aquele ocorrido entre 1958 e 1962, quando Mao Tse Tung, o implacável ditador da época e fundador do PCC, arquitetou um delirante programa de aceleração do desenvolvimento, o chamado Grande Salto Adiante, para tentar sobrepujar as potências ocidentais e comprovar a superioridade do comunismo.

Resultados catastróficos

Parte do plano impunha metas extremamente ambiciosas de produção agrícola, a fim de liberar excedentes para a exportação, mas o resultado foi catastrófico. Como os agentes do partido na zona rural temiam alertar a cúpula em Pequim sobre a inexequibilidade do cumprimento das metas, acabou faltando grãos para alimentar a população. Calamidade que ficou conhecida como A Grande Fome e matou entre 30 e 45 milhões de pessoas, incluindo os assassinados por se recusarem a calar a boca diante dos erros do partido.

Assim, talvez seja recomendável manter a mente aberta e o direito à livre manifestação do pensamento face a um cataclisma da magnitude do que enfrentamos. Pode ser que a fórmula adotada pela ditadura chinesa, validada pela OMS e por inúmeros cientistas, seja definitivamente, sem a menor sombra de dúvida, a  melhor. Mas também pode ser que não.

Afinal, vale lembrar que em janeiro, quando a epidemia já grassava na China havia pelo menos um mês, a OMS afirmou que investigações preliminares das autoridades do país não haviam encontrado evidências de contágio entre humanos. Também recomendou manter fronteiras abertas, já que “proibições de viagens interfeririam desnecessariamente no fluxo de pessoas e no comércio internacional e teriam o efeito de aumentar o medo e o preconceito, com benefícios mínimos à saúde pública”. A OMS também se recusou a declarar que se tratava de uma pandemia até o dia 11 de março, quando esta condição já era flagrante para qualquer pessoa minimamente informada.

Galileo Galilei

Galileu Galilei (1564-1642), um dos pioneiros da ciência moderna.

O que traz à mente uma frase de Galileu, já citado no início deste artigo: “Em questões de ciência, a autoridade de milhares de estudiosos não vale, necessariamente, tanto quanto o humilde raciocínio de um único deles”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

45 Comentários

  1. Gostei.

    Responder
    • Excelente artigo.

      Responder
    • Muito bom mesmo!

      Responder
    • Exelente!

      Responder
  2. Muito bom!

    Responder
    • Join

      Responder
      • Excelente texto !!! Muito útil!

        Responder
    • Que bom que fez sentido para você!

      Responder
  3. Excelente, Selma! Parabéns!

    Responder
  4. Excelente artigo. Parabéns.

    Responder
    • Gostaria de ouvir uma análise que extrapole o covid 19 e fale sobre esse crescimento do dinheiro chinês na nossa economia através da compra e parceria com empresas de telecomunicações e empresas libgadas a produção agrícola

      Responder
      • Ótima sugestão. Oeste focará com certeza nesta questão, obrigada!

        Responder
    • Parabéns!

      Responder
      • Obrigada pelo feedback!

        Responder
  5. Em tempos de guerra política e ideológica prevalece o mencionado “viés de confirmação”: só interessa ler, ver e ouvir o que vem pra confirmar as próprias convicções. Às favas o contraditório. Excelente texto.

    Responder
    • Muito bom poder dialogar sobre estes temas , obrigada!

      Responder
  6. Simples assim!!

    Responder
  7. Selma, ótimo artigo. Gostei muito.

    Responder
  8. Muito lúcida análise!

    Responder
    • Obrigada pelo retorno! Esta é a beleza das redes, não? A comunicação de 2 mãos.

      Responder
  9. Não conhecia a história desse médico Barry Marshall. Exemplo de coragem e convicção.

    Responder
  10. Parabéns Selma pelo excelente artigo. Sinto uma imensa alegria ao me deparar com pessoas livres de alma e mente, sobretudo inteligentíssimas, como encontrei por aqui. Ganhei o dia. A propósito, veja o que diz o PHD do MIT Dr. Shiva acerca do vírus Chinês e sua capacidade de passar de humano para humano, só se deu devido a alterações em laboratório. Veja também a fala de Mike Pompeo, Secretário de Estado Americano na NGA – Summit – Ele denuncia o plano Chinês para dominar o mundo, cooptado agentes políticos e de imprensa do ocidente, usando dos valores democráticos contra as próprias democracias. É estarrecedor!

    Responder
    • Simplesmente maravilhoso!!

      Responder
    • Obrigada pelo retorno! Vamos mesmo nos focar nesta questão. Lembro de um especialista em China que comentou certa vez: os que reclamam do “imperialismo ianque” não sabem o que os aguarda….

      Responder
    • Lembro de um comentário de um especialista em China: “Os que reclamam do “imperialismo ianque” não sabem o que os aguarda…”

      Responder
  11. EXCELENTE EXCELENTE!!!!!

    Responder
  12. Excelente!

    Responder
  13. Excelente artigo … totalmente imparcial

    Responder
    • Valeu!

      Responder
  14. Parabéns e obrigado por nos proporcionar essa leitura extremamente importante e informativa. Show!

    Responder
  15. Excelente artigo, de uma lucidez ímpar! Traz a questão da atual pandemia para um equilíbrio dos pontos que realmente importam, e ainda nos enriquece o conhecimento sobre fatos históricos! Parabéns!

    Responder
  16. Também vale lembrar que algo similar ocorreu com a tragédia em Chernobyl, quando, ao tentar mascarar os efeitos reais do acidente com prisões de cientistas e delimitação de um raio de proteção cerca de 10x menor àquele recomendado, o Partido Comunista da União Soviética foi o responsável pela morte de milhares de pessoas.

    Responder
    • Exatamente. A historia está cheia de exemplos e não somente nos regimes comunistas…

      Responder
  17. Parabéns!

    Responder
  18. Texto magnífico, parabéns 👏👏👏

    Responder
  19. Deixo uma pergunta: qual a natureza jurídica da OMS e, quem lhe deu competência para criar política de saúde pública no Estado Nacional?

    Responder
    • Vou pesquisar , mas pelo que sei ela apenas recomenda. O problema é que seus processos internos, como os de qualquer burocracia que não presta conta a ninguém, não são muito transparentes. Ela já teve que se retratar pelo erro numa das epidemias anterior de SARs.

      Responder
  20. Bom artigo!

    Responder
  21. Excelente artigo, com redação extraordinária e clareza objetiva sobre eventos complexos. Parabéns!

    Responder
  22. Vamos mesmo nos focar nesta questão. Lembro de um especialista em China que comentou certa vez: os que reclamam do “imperialismo ianque” não sabem o que os aguarda….

    Responder
  23. Parabéns Selma. Grande mostra de lucidez. Em tempos de histeria, esquecemos que viver sob incerteza é inerente à natureza humana. Estamos sujeitos a toda sorte de riscos, ainda que o desenvolvimento econômico e tecnológico nos dê a sensação de segurança constante. O vírus causará, infelizmente, mortes e danos à saude de muitos infectados? Sim. Mas os danos ao tecido social que já se encontram em operação serão ainda mais catastróficos, com risco de serem potencializados pela percepção unidimensional do problema que tem sido propalada por grande parte da mídia, autoridades governamentais e sanitárias. É momento do ponto e contraponto. Se pouco sabemos sobre como lidar com a crise, a velha dialética pode ser o caminho crítico para minimizar os danos inevitáveis. Parabéns mais uma vez!

    Responder
  24. Selma , feliz em aproveitar novamente teus talentos nesse artigo inteligente e muito gostoso de ler .
    Viva a Oeste ! Vida longa a vocês todos !
    Farol Alto !

    Responder
  25. Excelente matéria, responderia muitas questões, não fosse a hegemonia obtusa da grande mídia, Selma, disse tudo: “a tendência das pessoas de privilegiar dados que reforcem suas próprias opiniões ”

    Parabéns pela matéria

    Responder
  26. Parabéns pelo artigo! Excelente!

    Responder
  27. Que satisfação conhecê-la.
    Obrigada pela história da bactéria. É um argumento que vou usar.
    E também refletir a respeito. Sempre que a gente não tem alicerce firme, segue o fluxo. Agradeço aos ‘sermões’ da minha mãe, por quando eu queria ser igual às colegas.
    Acho esta frase tão simples e tão difícil: “Você pode acreditar no que quiser, mas tem a obrigação de só acreditar no que for verdade”.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês