A geração covid-19 e o Brasil com o futuro comprometido - Revista Oeste

Revista

A geração covid-19 e o Brasil com o futuro comprometido
O desastre da educação, que já era colossal, deve se agravar com o lockdown escolar
18 set 2020, 08:53

No começo do século passado, quando surtos de tuberculose eram constantes pelo mundo, algumas cidades norte-americanas recorreram a um estratagema para manter as escolas em funcionamento. Providenciaram a abertura de grandes janelas para fazer circular o ar em salas de aula ou transferiram os alunos para tendas em parques e espaços ao ar livre no teto de edifícios. Foi preciso recorrer a aquecedores durante o inverno, mas a aprendizagem não ficou prejudicada nem se registraram casos de contágio. Num país de imigrantes, que lutavam para ascender na vida, a educação era considerada valiosa demais para ser deixada em segundo plano. Como continua a ser o caso, ainda hoje, em países avançados, que restabeleceram as aulas tão logo superado o pico da pandemia.

Já no Brasil, onde crianças e adolescentes podem circular por shoppings e lanchonetes, mas escolas são consideradas perigosas, a polêmica sobre a retomada do ensino se arrasta em meio a decisões judiciais contraditórias, informações desencontradas e interesses políticos. Apesar dos estudos que indicam um risco de contágio escolar muito inferior ao das situações de convívio social, e da recomendação de organizações internacionais no sentido de priorizar a reabertura, a maioria da população, segundo pesquisas, prefere adiar o reinício das aulas para após a descoberta de uma vacina contra o coronavírus. Ou seja, para sabe-se lá quando.

Em ano de eleições, esta tornou-se a deixa para que políticos de visão míope tentem prolongar o confinamento enquanto podem. Mas a conta, alertam os especialistas, será alta. Um prejuízo brutal não só para cada estudante da geração covid-19, mas sobretudo para o futuro do país. Tanto pelo impacto na economia a médio e longo prazo quanto pelo retrocesso na qualidade da educação, que já estava em situação calamitosa e deverá despencar ainda mais.

Os efeitos do lockdown escolar na economia global se estenderão até o final do século

“A população brasileira valoriza a educação da boca para fora”, lamentou em entrevista a O Estado de S. Paulo uma das mais respeitadas autoridades no assunto, a presidente-executiva da coalizão Todos pela Educação, Priscilla Cruz. “O Brasil pagará um preço muito alto por escolher abrir bar antes da escola.” Nesse sentido, o fato de o país seguir na contramão das melhores práticas educacionais, com uma das mais longas quarentenas escolares do mundo, e quase 50 milhões de estudantes desassistidos por mais de seis meses, é o retrato acabado da nossa incapacidade de superar o atraso pela via do conhecimento.

O impacto da educação, ou da falta dela, no desenvolvimento econômico e social já está mais do que estabelecido há tempos. Não apenas por estudos, mas também pelo exemplo de países como a Coreia do Sul, a Finlândia, a Irlanda, e mais recentemente a Estônia, que conseguiram alavancar seu crescimento com investimentos bem aplicados na formação de novas gerações. Mas essa correlação acaba de ser demonstrada mais uma vez, de forma contundente, em recente trabalho da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, OCDE, segundo o qual os efeitos do lockdown escolar na queda de produtividade da economia global se estenderão pelas próximas oito décadas, ou seja, nada menos do que até o final do século.

Por essas projeções, a perda de capacidades causada pela interrupção do ensino poderá encolher o PIB mundial ao longo do período em até 1,5%, em média. No caso dos Estados Unidos, por exemplo, isso representaria uma redução de US$ 15,3 trilhões. E, embora o estudo não projete dados específicos para o Brasil, pode-se inferir o tamanho da encrenca para uma economia já travada há décadas por políticas equivocadas e disfunções estruturais.

Quando se muda o foco para a escala de cada criança ou adolescente, o custo das sequelas psicológicas e emocionais, alertam os educadores, também não será desprezível. Afinal, a escola não é somente o lugar em que se aprendem conteúdos, mas o espaço para a construção de habilidades sociais, redes afetivas e senso de pertencimento. Para os milhões de estudantes de baixa renda, representa ainda garantia de se alimentar e a segurança contra a violência em casa e nas ruas.

Mas é quando se projetam os prejuízos para o plano macro da educação e o futuro do país que o cenário se mostra mais catastrófico. Pois mesmo que se conseguisse voltar a alguma normalidade ainda este ano — o que parece improvável pela necessidade de adaptação a classes com menos alunos e outras normas sanitárias — não haveria muito a celebrar. Afinal, o “normal” da educação brasileira nunca foi normal, visto que nunca atendeu às expectativas. A despeito do aumento significativo dos investimentos nas últimas décadas, do gigantismo do Ministério da Educação, MEC, com seu quase meio milhão de funcionários, e do palavrório rebuscado de um sem-número de planos, fundos, normas e comissões, nossa educação já era reconhecidamente um desastre muito antes da pandemia.

O país caiu em matemática e, em leitura, metade dos estudantes mostrou-se incapaz de identificar a ideia geral de um texto

Nas últimas décadas, ampliou-se o acesso ao ensino fundamental, mas não se consegue reter os jovens nas salas de aula e a baixa qualidade do ensino define nosso estado civilizatório. Reflete-se no desemprego, na produtividade e na competitividade baixas, na violência urbana e até nas condições sanitárias. Que futuro esperar de um país no qual 27% da população em idade produtiva — mais do que uma em cada quatro pessoas entre 15 e 64 anos — é analfabeta funcional? Onde 43% dos jovens acima dos 25 anos não completaram o ensino médio e a quase totalidade dos que logram concluí-lo, 93%, sai da escola sem noções básicas de matemática?

Essa falência das políticas educacionais ficou atestada sem retoques, aliás, em dezembro passado, com a divulgação dos resultados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes —  Pisa, na sigla em inglês. Realizadas a cada dois anos pela OCDE, com 600 mil jovens de 15 anos de 80 países ou regiões, com foco nas disciplinas de linguagem, matemática e ciências, essas avaliações representam um vexame recorrente para o Brasil. Desta vez, quase metade dos participantes brasileiros (43%) não conseguiu atingir o nível mínimo de proficiência em qualquer das três disciplinas. Caímos no ranking de matemática, com um dos dez piores desempenhos do mundo. Ficamos na rabeira em leitura, já que metade dos estudantes se mostrou incapaz de identificar a ideia geral de um texto. E despencamos em ciência para o final da fila, atrás de 65 outros países ou regiões.

Há alguns dias, celebraram-se com duvidosa euforia pequenos avanços registrados nos primeiros anos do ensino fundamental por outro parâmetro, o Ideb, Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, Inep, do MEC. O indicador mensura a evolução da aprendizagem em português e matemática nas três etapas do ensino. A proposta é monitorar progressos a partir de metas estabelecidas com o objetivo de alcançar o patamar dos alunos dos países desenvolvidos até 2022, ano do bicentenário da Proclamação da Independência. Os dados, no entanto, mostram que só se atingiu a meta de qualidade para 2019 nos anos iniciais do ensino fundamental. Pela quarta rodada seguida, ficou-se aquém nos anos finais dessa etapa, e também nos do ensino médio.

É esse quadro já trágico que o lockdown prolongado vai tingir de tintas ainda mais sombrias, pela dificuldade de recuperar o tempo perdido. E porque o colapso da economia contribuirá para enxugar as verbas para a educação. Incluindo as do recém-aprovado Fundo Nacional de Educação Básica, o Fundeb, saudado como um remédio quase milagroso por descentralizar investimentos e possibilitar aumento do valor aplicado por aluno nos municípios. Pelos cálculos do Instituto Unibanco e do Todos pela Educação, essa redução média do investimento anual por estudante poderá chegar até R$ 1.339,00. E o dinheiro escasseará justamente quando será necessário bancar despesas extras com a implantação de ensino a distância, a redução do número de alunos por classe e adaptações de infraestrutura. Além de aumentar a oferta de vagas para acolher alunos provenientes das escolas particulares, devido ao fechamento de milhares delas ou à incapacidade das famílias de bancar mensalidades.

Não há fomento para o ensino técnico, como se uma nação se sustentasse apenas com bacharéis

A conta não fecha, e o resultado será aumento da evasão escolar, aprofundamento das desigualdades, e um retrocesso generalizado mesmo nas pífias conquistas dos últimos anos. Há cerca de um século, a intelectual norte-americana Gertrude Stein popularizou o termo Geração Perdida, ouvido de um mecânico francês que o usava para referir-se aos jovens sobreviventes da 1ª Guerra Mundial, que carregavam lacunas em sua formação. Correremos o risco de uma situação comparável? E será que algo poderia ser feito para minorar esses danos?

Afinal, há consenso de que nossas carências educacionais já não podem ser atribuídas à escassez de verbas. O país investe em torno de 6% do PIB em educação, porcentagem comparável à de países desenvolvidos, sendo que a parcela dos gastos públicos dedicada a educação chega a ser superior à média dos próprios países da OCDE, que adotamos como referência. O desastre, portanto, resulta de outras variáveis, que incluem políticas equivocadas, descontinuidade administrativa, falta de planejamento e de gestão na aplicação dos recursos. Um daqueles típicos nós em que o Brasil acabou enredado e que parecem impossíveis de desatar sem contrariar corporativismos poderosos.

Mas não se requer um doutorado em educação para identificar as principais distorções. E elas vão muito além da ideologização do ensino, embora seja inquestionável que o pensamento marxista norteia a maioria das lideranças educacionais do país, para as quais A Pedagogia do Oprimido, de Paulo Freire, lançado há 52 anos, ainda tem o status de Bíblia Sagrada. Para começar, o Brasil privilegia investimentos no ensino superior em detrimento do básico, quando parece óbvio que uma base sólida na etapa fundamental é pressuposto para o desempenho nas seguintes. Não se investe em creches, embora esteja mais do que provado que os primeiros anos de vida são determinantes para o desenvolvimento de capacidades intelectuais futuras. Também não há fomento para o ensino técnico e profissionalizante, como se uma nação se sustentasse apenas com bacharéis, a única vocação de valor.

Ensina-se a questionar antes que os estudantes tenham desenvolvido a capacidade de pensar

O currículo adotado é outro problema, já que não prioriza a competência em disciplinas essenciais — como português, matemática, ciências e história —,  a exemplo dos países avançados e do que faz Portugal, que em pouco mais de uma década saltou do final da fila dos países europeus para superar a campeã Finlândia em vários índices. Fruto de anos de discussões bizantinas, nossa Base Nacional Curricular favorece as chamadas disciplinas transversais, voltadas à cidadania e ao pensamento crítico. Em suma, ensina-se a questionar antes que os estudantes tenham desenvolvido a capacidade de pensar.

Acima de tudo, porém, e ao contrário do que fazem todos os países de alto desempenho, o Brasil precisaria valorizar o magistério, garantindo não apenas salários à altura das responsabilidades do ofício, mas também condições de formação e trabalho adequadas. Na educação, repete-se a distorção característica do funcionalismo público em geral, pela qual o servidor que atua na ponta da prestação de serviços ao cidadão ganha substancialmente menos do que as elites administrativas. Assim, a remuneração dos professores passa longe da dos estamentos superiores da burocracia educacional lotada nos ministérios, secretarias e seus anexos.

Ou seja, consertar o rumo da educação brasileira — e, por conseguinte, o futuro do país — exigiria ir muito além das medidas emergenciais voltadas para a retomada do ensino. Demandaria uma reestruturação radical de políticas, do sistema e de mentalidade. Especialmente em vista das transformações provocadas pela revolução digital na economia e no mercado de trabalho, que demandará daqui para a frente profissionais capazes de atuar de forma autônoma e continuar aprendendo ao longo da carreira. Afinal, parece comprovado que Marx se equivocou ao teorizar que a luta de classes seria o motor da história. A realidade tem evidenciado que o verdadeiro dínamo da evolução humana é o conhecimento.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

33 Comentários

  1. Selma, acredito que dificilmente veremos um artigo tão direto, lúcido e esclarecedor como este. Faço votos para que reverbere pelas cabeças de quem possa fazer alguma coisa pela educação (que somos todos nós) em maior ou menor escala, seja na esfera privada ou na governamental (nos três níveis de governo) e que cumpra a sua primordial função, que entendo ser a correção das terríveis distorções que vivenciamos atualmente nesta área, mormente se considerarmos os avanços tecnológicos que se apresentam a cada dia em escala exponencial e que precisamos levar em consideração, sob pena de a defasagem se elevar também em escala exponencial. Parabéns. Jeronimo

    Responder
    • Excelente texto.

      Responder
    • Excelente artigo. É transparente os entraves da Educação no Brasil. Precisamos de um “Guedes” na Educação.

      Responder
  2. Terríveis constatações!

    Responder
    • Excelente!

      Responder
  3. Estou preparado para a chuva de críticas ao meu comentário, mas a julgar pelo nível mental de 99% dos professores atualmente acho mais produtivo os alunos não terem aula mesmo. Desaprende mais do que aprende, ouvindo essas bestas marxistas. Pronto falei.

    Responder
  4. Por quantas vezes veremos artigos brilhantes quanto este sem que haja algo novo a ser celebrado!

    Responder
  5. Tristes constatações. Ensino básico de qualidade tem que ser nossa prioridade ZERO ZERO UM.

    Responder
    • Infelizmente já vi vários diagnósticos como esse é nada muda. Qualquer reforma estrutural nesse País só será viável após uma profunda reforma política. E essa, só com muita gente nas ruas.

      Responder
  6. Essa vaca da Universidade pública, que sustenta os mamadores da educação privilegiada, já deveria ter ido pro brejo a muito tempo. Impossível levar a sério qualquer plano de melhoria, com responsabilidade e comprometimento, quando os profissionais envolvidos não estão nem aí. Só pensam no salariozinho mensal e como trabalharem o menos possível.

    Responder
  7. Texto primoroso!!!

    Responder
  8. Concordo com tudo. Plenamente tudo. Mas, fica a pergunta: qual o projeto do Governo para reverter essas terríveis estatísticas? Não estou confrontando, apenas sugerindo que se faça um artigo ,tão convincente como este ,mostrando os projetos do atual governo para irem de encontro a esses assombrosos números. Não estou falando de temas polêmicos, de costumes, religiosos ou de gêneros, enfim, mas de EDUCAÇÃO pura e simples. O que está sendo feito de verdade? O que está sendo feito ?

    Responder
  9. Em termos de diagnóstico, este primoroso artigo soma mais um a vários outros muito bons, porém não tão ricos em objetividade. A tragédia desenhada pelos desatinos propositais, planejados há mais de 50 anos quando decidiram aplicar o degenerado Método (de idiotização) Paulo Freire “nas veias” de todo o sistema educacional brasileiro, a partir da base – o ensino primário público – que era de excelente qualidade. Tudo começou com o desmonte das Escolas Normais – um curso correspondente ao nosso atual nível técnico profissionalizante de hoje, onde se formavam AS professoras e, depois, também OS professores primários.
    Sob “a luz do meio dia”, sob a IGNORANTE e IRRESPONSÁVEL omissão dos Governos militares e a CRIMINOSA CONSPIRAÇÃO de esquerdopatas INSTIGADOS PELO EXPANSIONISMO COMUNISTA SOVIÉTICO, foi imposta ao Brasil a DOENTIA DOUTRINAÇÃO GRAMSCIANA com o intuito de destruir a capacidade pensante das pessoas e fazê-las “VETORES DE TRANSMISSÃO” do inteligente, criativo e patológico PLANO PARA DESTRUIÇÃO DA CULTURA OCIDENTAL (lucidamente identificada por Antonio Gramsci como apoiada numa solida base Judaico-cristã), fundamentalmente FOCADA NA INFILTRAÇÃO DE AGENTES CAPAZES DE “MINAR” A CRENÇA CRISTÃ E DESTRUIR A ESTRUTURA FAMILIAR onde, para Gramsci, todo o Ocidente Opressor se apoia.
    A estratégia era QUESTIONAR E INTRODUZIR DÚVIDAS nas mentes mais fracas, PROMOVER DIVISÕES nos grupos sociais, religiosas e políticas para estimular DISSIDÊNCIAS e DIVISÕES, fundamentais para incrementar CONFLITOS E CONFRONTOS. Tudo voltado à GRANDE META FINAL – a IIMPLANTAÇÃO DO COMUNISMO INTERNACIONAL. em todo o Ocidente. Antonio Gramsci que viveu um bom tempo na Russia (e até casou com uma mulher russa) e discutiu muito com o Partido Comunista Russo sobre as estrat

    Responder
    • Independente do que essa tal Priscila Cruz tenha dito sobre esse tal de Felipe Neto, a fala dela nesta reportagem é coerente. Selma Santa Cruz e Revista Oeste estão de parabéns pela excelente análise, que não merece ser chamada de “brincadeira”, pelo contrário, é um mapa do que está errado e como deve ser corrigido.

      Responder
  10. Priscila Cruz? Aquela que incentiva os filhos assistirem Felipe Neto? Vocês estão de brincadeira.

    Responder
    • Concordo, Ana Paula. Essa referência infeliz à triste figura de Priscila Cruz, logo no começo, estragou todo o ar de seriedade que se pretendia impor ao texto do artigo. E a citação de frase da Priscila foi engraçadamente irônica: “O Brasil pagará um preço muito alto por escolher abrir bar antes da escola.” Ora, o “padrinho” da Priscila é o sr. Lemann, dono de cervejarias, muito mais interessado, no momento, em faturar com bares abertos do que com escolas abertas.

      Responder
  11. estratégias para expandir o comunismo pelo mundo, ERA UM EQUÍVOCO atuar no Ocidente, SEM ANTES, investir contra o CRISTIANISMO que estava impregnado nas mentes ocidentais e JAMAIS PERMITIRIA a aceitação da DOUTRINA COMUNISTA. Como muitos historiadores hoje comprovaram, Gramsci estava certo – Lenin e Stalin erraram feio. A derrocada do comunismo internacional, consumada na Queda do Muro de Berlim, foi a prova final.
    Evidentemente, os fracassos econômicos e os GENOCÍDIOS CONTRA DISSIDENTES E OPOSITORES praticados pelo comunismo ajudaram no processo de esvaziamento da ideologia. Contudo, muitos cometem o erro de menosprezar a participação da SABOTAGEM DOS GLOBALISTAS MUNDIAIS (ideologia criada na mente de Mayer Rothschild – líder das elites de banqueiros e investidores internacionais – ainda no Sec. XVIII, para impor um governo politico central único no mundo – espécie de Federação de Nações sem soberania politica mas com relativa autonomia administrativa) INTERESSADOS EM CONTROLAR A POLITICA MUNDIAL usando A INTERPOSIÇÃO DE ÓRGÃO INTERNACIONAL eleito por “escolha” de todos os países-membros – mas. obviamente, influenciados e corrompidos por eles.
    Assim, chegamos ao que se tem hoje. A educação BASTANTE DECADENTE, MAS EFICIENTE COMO FERRAMENTA CAPAZ DE EMBOTAR O SENSO CRÍTICO DAS PESSOAS a ponto de torná-las incapazes de perceber o trajeto que lhes foi traçado para conduzí-las À ESCRAVIZAÇÃO TOTAL. Primeiro a partir da NEUTRALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PENSAR – que o sistema de educação vem garantindo no mundo inteiro (de forma menos sutil no terceiro mundo) subordinação mental) – depois, pela ANIQUILAÇÃO DA CAPACIDADE DE AVALIAÇÃO, evidenciada na deficiência absurda de interpretar textos e captar sua ideia central e, finalmente, na ANULAÇÃO DO SENSO CRÍTICO, pressuposto necessário para o indivíduo comparar situações OBJETIVAS E QUANTITATIVAS e contextos LÓGICO RACIONAIS para se SITUAR NO ESPAÇO SOCIAL E POLITICO EM QUE VIVE. Ao fim do processo DE IDIOTIZAÇÃO EM MASSA, CASO NÃO HAJA UMA REAÇÃO com efetiva reversão do quadro atual, sem dúvida alguma, a sociedade humana atingirá o AUGE DE SUA DECADÊNCIA. Isso, aliás, foi “desenhado” e talvez tenha servido de “inspiração” para APRIMORAMENTO por esses PSICOPATAS MEGAMONANÍACOS SUPREMACISTAS, a partir dos livros de ficção de George Orwell, H. G. Wells, e as ideias de intelectualoides (intelectuais degenerados) do tipo: Bernard Shaw, Bertrand Roussel, Jean Paul Sartre, além de políticos proeminentes, como Franklin Roosevelt, Clement Attlee, Hary Truman, Adolf Hiyler, Vladimir Lenin, Leon Trotsky, Josef Stalin, Mao Tse Tung e muitos outros psicopatas. Desnecessário mencionar-se as “figuras” ligadas às religiões, desde a católica até a muçulmana (a teologia da libertação, da tal ala progressista da Igreja Catolica e o alinhamento de alguns Ayatolás e lideres Islâmicos aos comunistas falam por si).

    Responder
  12. Parabéns pelo artigo !

    Responder
  13. Impecável. Você disse tudo: no Brasil de hoje as crianças podem ir ao shopping, mas estão proibidas de ir à escola. Nossos governadores, prefeitos e educadores estão ensinando ao mundo como salvar vidas.

    Responder
  14. Brilhante análise

    Responder
  15. Que artigo espetacular! Que trágica desesperança vivemos!

    Responder
  16. Excelente!
    Os políticos devem ler esse artigo.

    Responder
  17. Lamentavelmente lemos mais uma análise impecável sobre (alguns) dos problemas viscerais da atual educação brasileira, atualmente ideologizada e politizada segundo os mais pútridos padrões “libertários” e “progressistas”. Falo lamentável, pois uma parcela majoritária do meio acadêmico, imprensa, elite cultural e segundo escalão do poder público se negam em enxergar os fatos bem diante de seus olhos. Preferem algum escapismo, vitimismo ou outra causa exotérica para explicar o desempenho pífio do Brasil em todos os níveis, do fundamental ao acadêmico, quando comparado com o resto do mundo, mesmo países considerados mais pobres. Soluções? Vamos discutir, mas infelizmente, nenhuma “vara de condão” vai desfazer o atual quadro em um passe de mágica.

    Responder
    • Um excelente artigo!

      Responder
  18. Dados demostraram aos brasileiros que não falta dinheiro para escolas e universidades. Gastamos muito e de forma errada, pois o resultado final é que nossas crianças tem um péssimo resultado em conhecimentos básicos (matemática, ciências, leitura e compreensão), se comparado com qualquer país da America Latina. Estamos em ultimo lugar por mais de 20 anos.
    Somos lideres de analfabetos funcionais.
    O que falta para mudarmos isto?

    Responder
  19. Parabéns pelo artigo. Imperdível e necessário para todas as pessoas. Eu sou leitor e assinante desta revista e concordo plenamente em dizer que eu tenho 68 anos e no meu tempo do antigo ginásio já era um desastre o ensino. Não tenho vergonha e sim me sinto uma pessoa que quando lê um artigo não entende o que está escrito na maioria das vezes , sou um analfabeto funcional e olhem eu estou com 68 anos. Já pensaram isto aconteceu em 1962, de lá pra cá já se passaram muita água debaixo desta ponte e nada aconteceu.

    Responder
  20. Bom texto. Boa informação. Boa análise. Existem alguns pontos ainda para serem testados, no caso da abertura das escolas. Os pais estão com medo. E os professores também. E alguns assuntos são censurados por parte da grande imprensa, ou seja, quem pensar diferente não merece espaço. E em todos os assuntos. Gostaria que outras pessoas lessem para refletir sobre mais uma opinião bem fundamentada. Por enquanto, só nós leitores e assinantes temos o privilégio.

    Responder
  21. Excelente análise! Foi um brinde as informações no início do texto sobre o surto de tuberculose. Muito pertinente.

    Responder
  22. Texto otimo. Obrigado

    Responder
  23. Selma, você reafirmou o que já sabemos. O Brasil nunca priorizou a educação, fingimos que os alunos aprendem, os alunos fingem que aprenderam, os professores fingem que ensinam e o governo gasta com educação recursos que nunca chegarão na ponta, com efetividade. O Brasil é um país de mentira. Ensino público em SP vai aprovar todos os alunos do ensino fundamental II e do médio, com nota cinco. Pode conferir em janeiro o boletim dos alunos deste ano em todo o sistema. As Faculdades irão dar nota 7 para os alunos avançarem. Tudo mentira. É Brasil Selma, não adianta. Segue a banda ou melhor o cortejo.

    Responder
  24. Extraordinário texto. Parabéns à Revista Oeste por escolher tão bem os seus colaboradores. Como promover as necessárias reformas, quando dependemos de ações na política, e os nossos políticos não querem mudar nada?

    Responder
  25. Texto impecável, belo trabalho!

    Responder
  26. Se não bastasse isso tudo, o aluno do ensino público, não precisa se esforçar para passar de ano. Viva o tucanato freiriano.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês