A 'idiotia consciente' provocada pela Netflix - Revista Oeste

Edição da semana

Em 22 set 2020, 21:38

A ‘idiotia consciente’ provocada pela Netflix

22 set 2020, 21:38

Bruno Garschagen analisa o filme Mignonnes — e a repercussão em torno da produção

idiotia consciente - netflix - Mignonnes - bruno Garschagen

Empresa ajudou com a “‘idiotia consciente'”, avalia colunista | Foto: Divulgação/Netflix

É preciso promover debates sobre a sexualização infantil. É o que afirma o doutorando em ciência política Bruno Garschagen na coluna publicada na edição desta semana da Revista Oeste.

Leia mais: “‘Fica na TV aberta quem sofre de tecnofobia’”

Ao decorrer do artigo, Garschagen cita Mignonnes, filme recentemente disponibilizado pela Netflix. De acordo com o colunista, a plataforma tem culpa pela repercussão negativa da obra — tida por muitos como instrumento de apologia à sexualização de garotas.

“Parte da controvérsia, ou da idiotia consciente, foi provocada pela própria Netflix, que divulgou pôster e descrição que não condiziam com o conteúdo do filme”, escreve o colunista da Revista Oeste em trecho do artigo Mignonnes e o necessário debate sobre sexualização infantil.”

‘Mignonnes’ e o necessário debate sobre sexualização infantil

_________________________________________

Além do texto assinado por Bruno Garschagen, a atual edição da Revista Oeste apresenta ao público reportagens especiais e artigos exclusivos de profissionais como Ana Paula Henkel, Dagomir Marquezi, Guilherme Fiuza e Rodrigo Constantino.

Startup de jornalismo digital, a Revista Oeste é 100% financiada pelos leitores. Para fazer parte da comunidade da publicação, basta clicar aqui, escolher o plano de assinatura, seguir os passos indicados e, assim, ir direto ao ponto do que importa na imprensa.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Toda essa atenção voltada pra empresa Netflix, pelo filme em seu repertório mignones é no mínimo gargalhavel. A sociedade realmente deveria olhar para dentro de suas casas, suas famílias para ter certeza de que estão criando os seus da melhor forma ao invés de criticar uma coisa que no mínimo se resolve escolhendo outro conteúdo do agrado. Em relação a colaboração dessas crianças para o filme, creio que deva ter sido devidamente autorizado por cada família a participação e os direitos de uso da imagem para o mesmo. Então igualmente se faz dispensado qualquer tipo de discussão a respeito pois filmes sobre drogas, tráfico de drogas ou humano, que incita a violência, a sexualidade adulta….. Nunca foram tão polemizados, politizados nem discriminados dessa forma. Sociedade hipócrita

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

As piores eleições do mundo

A cura para a desgraça que são as eleições brasileiras é um conjunto de meia dúzia de providências simples como a tabuada

EUA — O que está em jogo

Em confronto, duas visões antagônicas sobre temas como geopolítica e comércio internacional, impostos e saúde, clima e energia, China e Oriente Médio

Meio ambiente é causa conservadora

Conservadores não podem se eximir da responsabilidade e reforçar a ideia de que preservação ambiental é pauta da esquerda

O plebiscito dos mentecaptos

Acaba o auxílio emergencial, mas começa a campanha emocionante do Ricardo Barros pelo plebiscito — e emoção é alimento espiritual

Nova Constituição para quê?!

Uma Carta ruim como a nossa deve ser reformada, e não anulada para que outra seja escrita. Essa é a solução conservadora

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 32 — 30/10/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês