A interferência de Lula no comando da Polícia Federal - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 27 abr 2020, 17:12

A interferência de Lula no comando da Polícia Federal

27 abr 2020, 17:12

O ex-presidente indicou para o cargo Luiz Fernando Corrêa, que mantinha “ligação estreita com o movimento sindical”

“O presidente ______________________ realizou trocas nos comandos da PF e da Abin porque deseja ter mais informações sobre as grandes operações da Polícia Federal e por avaliar que a Agência Brasileira de Inteligência é ineficiente.
Em conversas reservadas, ________________ se queixa de saber de ações da PF pela imprensa”.

Embora os últimos acontecimentos políticos nacionais possam sugerir que os espaços em branco sejam preenchidos com o nome “Jair Bolsonaro”, o parágrafo acima foi retirado de uma reportagem de 11 de setembro de 2007, publicada na Folha de S.Paulo com o título “Insatisfação de Lula motivou as alterações na PF e na Abin”.

“Na Operação Xeque-Mate, a voz do presidente da República chegou a ser gravada. Quando soube disso, Lula ficou contrariado”, conta a reportagem. “A PF não deu destaque ao teor do diálogo no inquérito da investigação sobre jogos ilegais. Avaliou que a conversa não tinha importância”. Em outro trecho, a matéria diz que “assessores palacianos avaliavam que a PF estava fora de controle e que as autoridades do governo, muitas vezes, tomavam conhecimento de assuntos sensíveis pelos jornais”.

Passados 12 anos da reportagem, Sérgio Moro pediu demissão do Ministério da Justiça acusando Bolsonaro, entre outras coisas, de querer interferir na Polícia Federal. “O presidente me disse mais de uma vez que ele queria ter uma pessoa do contato pessoal dele [na Polícia Federal], que ele pudesse ligar, colher relatórios de inteligência”, acusou Moro.

Em 2007, Lula negou a interferência, mas acabou indicando para o cargo Luiz Fernando Corrêa, que mantinha “ligação estreita com o movimento sindical”. Nesta sexta-feira, Bolsonaro negou a interferência, mas acabou indicando para o cargo Alexandre Ramagem, amigo de Carlos Bolsonaro, filho do presidente.

Carlos Bolsonaro (no centro, de camiseta cinza), ao lado de Alexandre Ramagem (camisa estampada)

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

36 Comentários

  1. Se o Sergio Moro tivesse saído do governo calado, teria ficado bem. Mas deu uma entrevista desastrosa. Mostrou que planejou, de forma maquiavélica, sua saída. Chegou a afirmar que nos governos do PT não havia interferência na PF. Vazou prints privados para a Globo. Inacreditável. Fiquei muito decepcionado. Não tem meu voto nem para sindico.

    Responder
    • Essa de sair em defesa do PT, alegando não-interferência na PF foi a gota d’água. A própria Folha de SP (assessoria de imprensa do PT e satélites) está aí para desmenti-lo.

      Responder
      • Moro, como ser humano que é, tem erros e acertos. A mim importa que acertando ou errando, o homem demonstra fidelidade a princípios e valores morais. Não foi uma saída acertada, mas nada que manche sua trajetória.

        Responder
    • Isso mesmo. Decepção é a palavra.

      Responder
    • Perfeito!

      Responder
      • – A Polícia Federal, for força da Lei 9.883/1999 e Decretos 4.386/2002 e 9.881/2019, é parte do Sistema Brasileiro de Inteligência, que alimenta com informações o Presidente da República para tomada de decisões estratégicas.

        – Uma coisa é pedir informações sobre inquéritos sigilosos em curso (o que nunca houve) e outra coisa ter acesso a conhecimento de inteligência produzido nos termos da Lei (o que sempre me foi dificultado).

        Responder
        • O que moro falou pegou mal, dizer que o lula nunca interferiu, essa ficou feio pra ele..

          Responder
    • In Moro I trust! Moro não faria acusações levianas! Não iria manchar os 22 anos de magistratura por ilações ou calúnias, almejando um plano pessoal de poder. Isso é narrativa do PT, pelo amor de Deus! Se quem aplaudiu a divulgação do áudio do Bessias lá atrás, é no mínimo estranho criticar agora as explicações da demissão de Moro, que por acaso repercutem contra Bolsonaro! Isso não é traição, é transparência. Especialmente se ele, ciente do fato, ficasse calado se tornando cúmplice do crime! Ele fez o certo sim! Tornou público o risco que o país estava correndo com a sua saída! O brasileiro é engraçado, só é herói se a proteção dos interesses do país for contra seus desafetos! Se for contra algum ídolo, a coisa muda de figura, né?! Tá aí o PT que não me deixa mentir! Para eles o Moro é seu arqui-inimigo! Já não querem nem mais saber de um possível impeachment com medo de um possível Moro em 2022!

      Responder
      • O sucesso do passado não garante nada no futuro! Foi o caso. Moro deu um tiro no pé! Todo bandido antes do crime é um ótimo cidadão. Não mesmo moro premeditou, armou, não ajudou em nada e ainda blindou funcionários públicos da esquerda no caso da tentativa de assassinato. Tudo muito claro.

        Responder
      • Concordo plenamente. É palavra contra palavra. Quem puder provar o que de fato aconteceu, não terá a sua honra e os seus princípios manchados. Já quem não provar… A sociedade, mais cedo ou mais tarde irá condenar. Quem vcs acham que poderá provar com provas concretas, a sua atuação ?

        Responder
    • Isto é o que o Bolsonaro queria, que o Moro engolisse calado o desaforo. Quebrou a cara, Moro tb sabe jogar. Tem meu voto para presidente e para o que mais se candidatar. Em guerra de revólver, quem vem de faca, morre. Contra os desclassificados dos Bolsonaro, só mostrando de cara que tem munição para derrubar. Vão ficar quietinhos, deixando seus seguidores fazerem o trabalho sujo.

      Responder
    • É assim mesmo que me sinto também , vale a regra geral: toda delação por mais benefícios que traga, não livra o delator de ser odiado.

      Responder
    • Vamos lá. Não acredito ter que explicar legislação para jornalista, mas sem problemas. Bolsonaro não está sendo alvo do STF por querer indicar alguém próximo dele. Se a constituição reserva ao PR o direito de nomear o chefe da PF, é claro que Bolsonaro – e qualquer outro presidente sensato – indicaria alguém de quem ele seja próximo, como oocorreu no caso do Lula e todos os outros presidentes. À época não havia tramitação judicial contra Lula ou sua família. No caso do Bolsonaro, a PF está investigando seus filhos e estava chegando em seus amigos do congresso. Isso motivou a troca, como o ex-juiz e ex-ministro S. Moro denunciou (o que previsa ser comprovado por perícia no celular dele). Uma vez que a MOTIVAÇÃO da troca tenha base em investigação corrente ou para benefício político próprio COMPROVADO, isso sim é ilegal, o que não aconteceu com Lula no caso citado na reportagem. Isso sim aconteceu quando DILMA tentou nomear Lula como seu ministro para evitar sua investigação. Isso foi comprovado pelo grampo e divulgação ilegais feitas pelo, vejam só, mesmo então juiz S. Moro. Gravar e divulgar conversa de PR é crime, como foi elucidado por ministros do STF à época, coisa que também aconteceu com Lula, como citado na reportagem. Portanto a reportagem falha ao comparar as duas situações distintas, motivadas aparentemente com base no antigo, cansado e infantil “MAS E O PT??”. Bolsonaro confessou ter interesse prático político na troca do nome. Basta só ser comprovado com perícia. No caso do Lula não acharam evidências reais e práticas de abalar a lei pela lei. Entendo a vontade de tentar comprar briga com argumentos juvenis em prol de uma lutinha raza. As mídias estão entupidas disso.Mas se for para fazer jornalismo sério, tenham o mínimo de profissionalismo e estudem (no mínimo, leiam) a constituição e o CP para não sair falando asneiras e passar vergonha profissional.

      Responder
      • A diferença aqui é que a possível condenação, de quem divulga gravações, é qdo são de terceiros, com o intuito de criminalizar o oponente. Qdo vc próprio grava a sua conversa, e nesta conversa vc consegue demonstrar o que está acontecendo, sem a sua ativa participação no delito, não pode ser caracterizada como ilicitude. É a única maneira que a pessoa tem de apontar um flash daquele momento, para não ser desacreditado por uma posição hierárquica superior, além de não permitir que a sua honra e carácter sejam manchados. O restante, quer queiram ou não, é palavra contra palavra. Nada mais

        Responder
  2. Tá,Lula interferiu na PF,erro de um,não justifica o outro.
    Moro não fazia parte do governo em 2007,mas nesse de 2020 sim,e não aceitou maracutaia!

    Responder
    • Não aceitou de graça, você quer dizer. O preço era um carguinho de ministro do STF.

      Responder
      • Se vc viu a oferta de Zambelli, sabe que está falando bobagem.

        Responder
      • Se fosse isso Robledo Rosa,ele teria ficado no governo,para ter a vaga no STF!
        ACORDA!

        Responder
    • Perfeito Ju. Nunca mais viveremos na escuridão, como no desmando da era FHC-lula-dilma.

      Responder
    • A questão é principios: o PR deu sua palavra e um homem sem cárter e nada. Um cafajeste.

      Responder
      • – A Polícia Federal, for força da Lei 9.883/1999 e Decretos 4.386/2002 e 9.881/2019, é parte do Sistema Brasileiro de Inteligência, que alimenta com informações o Presidente da República para tomada de decisões estratégicas.

        – Uma coisa é pedir informações sobre inquéritos sigilosos em curso (o que nunca houve) e outra coisa ter acesso a conhecimento de inteligência produzido nos termos da Lei (o que sempre me foi dificultado).

        Responder
        • Quem te assegura que nunca pediu? O Bolsonaro? Me poupe!

          Responder
  3. As coisas não parecem claras, a indicação ele pode fazer, não pode interferir e isso pode acontecer a partir dessa indicação, pois antes ele não interferiu, está se trabalhando com a hipótese de…

    Responder
    • Bolsonaro explicou que pode sim, citou Uma lei e dois decretos, e que por medidas de assuntos sobre inteligencia e segurança nacional ele pode solicitar sim, não pode é cobrar e saber conteúdos de todos os processos e investigações da PF. Mas no caso dele como vítima tem direito sim, de saber como está o andamento. A lei é para todo cidadão, réu e vítima podem pedir vistas nas varas criminais e as demais. Eu falo porque tenho conhecimento e já participei de jurado e tive processos na justiça e sem como funciona e tramita.

      Responder
      • Muito chato. Mimimi para algo que tem Lei para definir quem nomeia.e quem exonera. Arrumem outro assunto e.nao descutam o óbvio.

        Responder
    • Ele tem que indicar alguém de sua confiança. Não indicou nenhum parente, indicou um técnico, que não é político e que tinha que ser de sua confiança. Nada disso indica tentativa de interferência, a não ser para is canhotas que vivem procurando uma razão para derrubá-lo. Vão tentando…

      Responder
  4. MORO tem a personalidade psicopática e por isso muito perigoso. Suas ligações com a Globo, PSDB, Antagonista, Doria e Empiricus precisam ser investigadas.
    No reino de Liliput (Viagens de Gulliver) a ingratidão era o pior crime e a sentença final era a MORTE. #morotraidor

    Responder
    • O ex presidiário não foi traidor? O atual não o é? Morte ao traidor??? Pela sua percepção teremos muitos cadáveres, não é mesmo?

      Responder
    • Caramba! Se trocar o nome Moro por Lula, vou achar que detectei um mortadela!

      Responder
  5. A gente observa bem o forma de agir do brasileiro, não é à toa que o país chegou a esse ponto, total inversão de valores, covardia total!

    Responder
  6. Coincidência ou não, Lula e Bolsonaro, ficaram extremamente parecidos , nas atitudes, nas opções e alianças políticas, na maneira de aproximar os filhos com o patrimônio público e agora nas reclamações contra o Dr. Moro.

    Responder
  7. Não justifica. Não votamos no PT, Votamos contra justamente para que esse tipo de atitude tivesse fim e não ser copiado como se “se ele fez, também faço” fosse uma desculpa . Não é assim, presidente…assim fica feio,tá okay?

    Responder
  8. Eu tinha o Sr. Sergio como um herói, um semideus, por ter abandonado os 22 anos de carreira (não uma carreira qualquer – da Magistratura!) para se dedicar às causas de acabar ou combater a corrupção e o crime organizado no Brasil. Problemas que históricos do Brasil que foram agravados nos últimos governos.
    Tanta dedicação eu nunca tinha visto de nenhum homem público, e olha que tenho quase 70 anos.
    Agora descobre-se que havia um preço sim. Caso fosse um patriota, desprestigiado pelo seu chefe abandonaria o cargo, sim, mas não da maneira que agiu. Fez questão de jogar mais lenha na fogueira das crises de saúde e econômica num momento crítico para o país e demonstrou deslealdade não só com seu chefe, como também com sua afilhada de casamento dando publicidade a conversas privadas. Onde está o meu herói? O patriota? O semideus?
    Triste! Muito triste…
    Que seja tudo apurado e que todos os culpados sejam punidos, incluindo os prevaricadores.

    Responder
  9. Sergio Moro se queimou muito com a saída da forma como o fez. Dando coletiva sem informar ao presidente, mostrando WattsApp pessoal na Globo, fazendo elogio ao PT. Foi bom para percebermos que as vezes as coisas não são o q parecem. Vida que segue. Vamos recuperar o q for possivel da economia no segundo semestre, apesar de tudo.

    Responder
  10. Sou anti-petista de carteirinha. O trabalho do Sr. Sérgio Moro na Lava Jato foi eficiente e exemplar. Se estava havendo, por parte do Presidente Jair Bolsonaro alguma tentativa de interferência na Polícia Federal, este fato deveria ter vindo a público neste momento, enquanto o Ministro ainda estava no cargo, e não, após a sua saída.

    Responder
  11. Exato. Lula e Bolsonaro são a mesma coisa. Moro fez certo em sair, e Guedes (se não for tirado primeiro) deveria seguir o exemplo.

    Os prints de Moro mostram a intenção de intervenção da Famiglia Bolsonaro em prol dos deputados aliados investigados. A troca do diretor da PF no Rio, o acordo com Toffoli, as constantes reuniões com o advogado do filho, e o episódio da COAF, mostram a blindagem dos filhos, envolvidos até o pescoço com a milícia do Rio. Não esqueçamos que é fato (não opinião) que Flavio Bolsonaro pagou mais de 1 milhão em “salário”, num período de 10 anos, para a mãe e a esposa do miliciano chefe de um grupo de extermínio e foragido da lei.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês