A internet não perdoa: Ciro Gomes fez o que acusa Jair Bolsonaro de fazer - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 10 abr 2020, 10:47

A internet não perdoa: Ciro Gomes fez o que acusa Jair Bolsonaro de fazer

10 abr 2020, 10:47

Entre outras coisas, o ex-governador do Ceará exigiu a prisão de quem não cumprisse regras do isolamento social

“As pessoas vão morrer sem fôlego. É uma morte horrorosa, e o Bolsonaro fica relativizando os dados”, afirmou Ciro Gomes nesta quarta-feira ao UOL. A assustadora profecia foi feita quando o ex-governador do Ceará criticava a condução do combate à pandemia de coronavírus por Jair Bolsonaro.

A declaração foi produzida pouco mais de 20 dias depois de Ciro aparecer nas redes sociais, com a fisionomia angustiada, para jurar que ficava aflito ao pensar que o vírus começaria a “subir o morro, invadir a favela e entrar nas palafitas”. “Eu queria abraçar esse povo todo”, informou. “Porque eles te pedem para isolar e eu sei que tem seis, sete pessoas dormindo no mesmo cômodo, pessoas dormindo na rua, pessoas que vivem de vender bala na rua. Meu coração está com vocês”.

Entre o vídeo em que faz cara de choro sem derramar uma única lágrima e a entrevista desta quarta-feira, Ciro Gomes aproveitou para garantir mais alguns centímetros ou segundos nos meios de comunicação.

Numa das aparições, exigiu a prisão de quem não cumprisse regras do isolamento social: “Imagina, pelo amor de Deus, burgueses brasileiros fazerem carreata na rua, dentro de carrão de luxo, com ar condicionado, com máscara, para pedir que o povo vá para dentro de ônibus, para estações de metrô e de trem, ficarem um empurrando o outro para poder ir trabalhar numa situação dessa”, delirou Ciro. “Esses camaradas precisam ser presos, que é o que nós vamos fazer aqui no Ceará”.

Criticou Bolsonaro por suas manifestações contrárias à quarentena horizontal: “O mundo está chocado. Nós vamos ter que levar o Bolsonaro a responder pelo que está fazendo no Tribunal de Haia”.

No clímax da sequência de comícios sem plateia, junto-se a Fernando Haddad (PT), Guilherme Boulos (Psol), Manuela D’Ávila (PC do B), Flávio Dino (PCdoB), Roberto Requião (MDB) e Gleisi Hoffmann (PT) para assinar um documento que solicita a renúncia do presidente. Motivo: Bolsonaro agrava a crise do coronavírus porque “comete crimes, frauda informações, mente e incentiva o caos”.

Ciro esqueceu como lidou com a epidemia de cólera quando governava o Ceará. O Estado registrou a morte de 187 cearenses em 1993 e 159 no ano seguinte.

“O senhor tentou negar, na época o senhor culpava a imprensa”, lembra o entrevistador, no vídeo abaixo. “Tinha que fazer isso, Rui”, responde Ciro. “Você imagina, quantos cearenses vivem do turismo? A vida de um homem de Estado é cruel as vezes”.

O jornalista insiste: “O senhor está dizendo que é cruel, porque o senhor teve que esconder isso?”. Ciro não titubeia: “Em vez de dar o adjetivo: tá bom, eu, governador do Estado, faço uma declaração: ‘Fortaleza está debaixo de uma epidemia de cólera’… eu imediatamente destruía 200 mil empregos”, argumenta. “É diferente de eu dizer: ‘não, temos muitos casos, mas estamos controlando’, não tem esse negócio de epidemia”. E conclui: “O adjetivo epidemia você não pode aceitar, um governante. Numa cidade turística é uma tragédia”.

Pelo que mostra o vídeo, Ciro não se limitou a relativizar os dados. Também fraudou informações e mentiu.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

8 Comentários

  1. Qual comunista que não mente???

    Responder
  2. O boquirroto bravateiro morre pela boca imunda

    Responder
  3. Esse cara é uma das figuras mais divertidas da nossa política. Ele não diz coisa com coisa.

    Responder
  4. Esse cangaceiro alcoólatra deveria ser caçado (com cedilha mesmo) pela guarda volante da época do Virgulino!

    Responder
  5. Pior do que o Estado de Calamidade Pública por que passamos,, é o Estado de Ditadura que vivemos. Cito o Fundo Eleitoral como exemplo, que foi dinheiro tirado do cidadão.

    Responder
  6. O Ciro é uma metamorfose ambulante, já foi do PSDB, PT, PMDB, PFL e PDT, a única coisa que ele é fiel é onde tá o din Din , a bufunfa, pois ele se agarra com quem tá no poder para tirar a sua parte no bolo.
    Esse aí não se elege nem para síndico de prédio.

    Responder
  7. Randulfo S. Pereira – Esse Ciro é do mesmo quilate de um João Dória. Segue o vento.

    Responder
  8. Muito boa lembrança! Mas o vídeo não abre.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O que é o projeto BR do Mar?

O que é o projeto BR do Mar?

Texto tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e pode ser votado a qualquer momento no plenário...
É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês