A internet não perdoa: Lula diz que o governo deve fazer o oposto do que ele fez - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 mar 2020, 07:37

A internet não perdoa: Lula diz que o governo deve fazer o oposto do que ele fez

26 mar 2020, 07:37

Em 2009, o ex-presidente afirmou que a epidemia de H1N1 não era “do tamanho que parecia ser”

Nesta semana, o ex-presidente Lula foi às redes sociais fazer um apelo à população: “Fique em casa. Não saia, não vá pra festa, não vá para aniversário. Fique em casa cuidando de você, cuidando da sua família, que é o melhor que a gente pode fazer por nós neste instante”, diz, com semblante sério. “E ao governo cabe cuidá (sic) das pessoas. Tem que cuidá (sic) de pagar o salário se a pessoa não vai trabalhar, tem que cuidar em criá (sic) um abono salarial para que as pessoas que não estão trabalhando, que estão trabalhando de Uber, que estão trabalhando de entregador de pizza, de entregador de comida, ou seja, essas pessoas que estão no aplicativo, que não tem nenhuma garantia, recebam o salário”.

Depois de mais algumas lições de como governar o Brasil, que incluíram “parar de cuidar do próprio ego” e “parar de se olhar no espelho”, Lula finge ignorar que o país ainda luta para sobreviver do desastre econômico do governo de Dilma Rousseff. “O Estado tem que assumir sua responsabilidade. Não fique preocupado com o déficit fiscal. Gaste quanto foi necessário gastar, porque depois que a gente salvar o povo, a gente vai discutir como salvar a economia, como fazer o país voltar a crescer, como fazer a (sic) gerar emprego, como fazer a (sic) distribuir renda neste país”

Quem escuta Lula hoje talvez tenha esquecido como o ex-presidente lidou com a epidemia de H1N1, em 2009. Naquele ano, como mostra o vídeo abaixo, as máscaras desapareceram das prateleiras das farmácias, o contato físico e os lugares fechados eram evitados, as mãos lavadas com mais frequência, as aulas foram canceladas, diversos voos entre países cancelados e a recessão tomou conta de vários países.

MAIS: Petistas investiram mais em estádios superfaturados que em leitos de UTI

Na contramão do mundo, Lula preferiu subestimar as evidências: “Eu acho que essa gripe não é do tamanho que parecia que ia ser, porque se vendeu uma gripe que já tinha tomado conta do mundo inteiro”, disse num programa de rádio. “Ou seja, eu penso que ela existe, é grave, mas aqui no Brasil nós estamos cuidando para evitar que se alastre em (sic) outras pessoas”.

A epidemia de H1N1 matou mais de 2.000 brasileiros.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Puxa vida q cinismo!

    Responder
  2. Me dá ânsia de vômito esse sujeito!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês