A ruína do 'lulopetismo' - Revista Oeste

Revista

A ruína do ‘lulopetismo’
A esquerda desfalece à margem do ostracismo do ex-presidente Lula; e quem virá depois? Aparentemente, ninguém
20 nov 2020, 08:52

O leitor, telespectador, ouvinte a cada minuto mais digital correu para o smartphone até despertar atônito com as notícias do dia 16 de novembro: a esquerda voltou, ganhou as eleições, “é Lula de novo, com a força do povo”. Pois é. Por força da pane no “supercomputador” do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), comandado pelo ministro “iluminista” Luís Roberto Barroso, muitos brasileiros que trabalham cedo dormiram no dia anterior sem saber quem seriam seus novos prefeitos e vereadores. E por culpa do mainstream acordaram ainda mais assustados com as manchetes: uma nova onda de esquerda erguia voo no Brasil da pandemia.

Mas vamos aos números: o PT fechou o primeiro turno com 189 prefeituras, nenhuma delas em capitais. Das 15 cidades em que disputa a segunda rodada, somente uma, Recife, tem densidade eleitoral. O PCdoB levou 46 praças e aposta suas fichas em Manuela D’Ávila na capital do Rio Grande do Sul. O Psol, alardeado pela imprensa como a neoesquerda progressista em curso no país, faturou quatro dos 5.567 municípios no tabuleiro. Repito: quatro. A sigla ainda compete em duas capitais: Belém e São Paulo. Novamente, vamos aos números, mas agora àqueles que saíram das urnas em 2016: o PT elegeu 254 prefeitos; o PCdoB, 82; e o Psol, 2.

O fato é que o PT, uma espécie de estrela-mãe na constelação de esquerda no país, míngua a cada pleito [veja a tabela abaixo] — em 2012, detinha 638 cidades. E os vereadores? Há quatro anos, a sigla conquistou 2.815 cadeiras nas Câmaras Municipais; neste ano, foram 2.665. O PT, que já administrou máquinas como São Paulo e todo o chamado “cinturão vermelho metropolitano”, com musculatura eleitoral do tamanho de Florianópolis ou Curitiba, corre o risco de ficar sem ninguém. O encolhimento é matemático, mas, para a imprensa torcedora, a esquerda venceu.

Fonte: TSE

O que explicaria tanto a torcida nas redações ante a falsa ideia de que a esquerda psolista venceu? Resposta: Guilherme Boulos. O líder do movimento dos sem-teto, conhecido por incentivar a invasão de propriedades alheias, trocou as barricadas com pneus incendiados por mesas no boêmio bairro da Vila Madalena, reduto dos “meio intelectuais, meio de esquerda”. Na campanha, a camiseta vermelha de Che Guevara e a barba pingando deram lugar a um figurino alinhado à classe média alta, com direito a sapatênis, camisa estilo polo e pomada no cabelo. Boulos, com a nova plumagem, é a cara da geração que acorda e dorme nas redes sociais mas não sabe o preço de um bilhete de ônibus. A estratificação das urnas revela, por exemplo, que ele não venceu em nenhuma zona eleitoral na periferia — não ganhou em Parelheiros, na Brasilândia, no Campo Limpo nem em Paraisópolis. É o retrato do menino que não lava o prato do almoço porque tem rejeição à pia, mas diz ter a solução para as queimadas na Amazônia e para o aquecimento do planeta.

O resultado dessa formulação do Psol foi 1.080.736 de votos no maior colégio eleitoral do país. Não é pouca coisa. E nem caberiam todos esses votos na Vila Madalena. O que explica? A exemplo do furacão Jair Bolsonaro dois anos atrás, a campanha de Boulos usou bem a internet na pandemia. Enquanto o PT estava preocupado em marcar posição com o desconhecido Jilmar Tatto — egresso do “martismo” que o próprio Lula odeia — e o PCdoB até hoje sabe-se lá o motivo escolhia Orlando Silva — aquele mesmo que comprou tapioca com dinheiro público — para disputar, o Psol viu terreno para avançar: elegeu seis vereadores, marca histórica para a legenda.

A Edição 25 da Revista Oeste, publicada em 11 de setembro deste ano, dois meses antes da eleição, registrava que o “lulopetismo” rodava à margem do fracasso e que a neoesquerda caviar flertava com o Psol — e quiçá com o PCdoB de Manuela D’Ávila no Sul.

Leia também “O ocaso do lulismo”

“O desmanche do PT coincidiu com o desmanche do próprio Lula”, avalia o colunista de Oeste J. R. Guzzo. “O Psol é a recuperação judicial do PT”, diz o também colunista e escritor Guilherme Fiuza. De uma costela do PT, surgiu o Psol. “É um dos poucos casos na história em que a dissidência ameaça desbancar a ala majoritária”, avalia o cientista político Rubens Figueiredo.

Em síntese, é isso: Lula foi um líder populista — e sobretudo narcisista — que nunca quis alavancar um sucessor. Para ele, o PT sempre seria algo para chamar de seu. Deu no que deu — e ainda bem para o Brasil. Ao sair da cadeia gourmet, por exemplo, chegou a dizer que ao menos em sua cidade, São Bernardo do Campo (no ABC paulista), era questão de honra eleger Luiz Marinho prefeito — Orlando Morando (PSDB), o adversário, ganhou com 67,28% dos votos no domingo.

Em 2002, quando Lula chegou ao poder na mais carnavalesca eleição depois da redemocratização do país, o PT elegeu 91 deputados federais — à época, a máquina era o PFL de Antônio Carlos Magalhães e Jorge Bornhausen, que fazia mais de 100 cadeiras. Nem o PFL nem o PT de Lula existem mais. O PFL virou o Democratas, uma curva da direita para o centro pelas mãos de Rodrigo Maia, o presidente da Câmara (espera-se, de saída). O PT virou qualquer coisa.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

27 Comentários

  1. Ótimo para o Brasil que o PT desidrata !
    Agora devemos criar mecanismos para
    evitar as oligarquias familiares no poder.

    Responder
    • Excelente! Parabéns!

      Responder
  2. Essa esquerda caviar, da Vila Madalena ou do Leblon, é aquilo que mais se deveria abominar. No entanto, parece que o cara que vive e se aperta no trem, no metrô de São Paulo ou do Rio, para ir trabalhar, ou biscatear, ou praticar uma contravenção para conseguir sobreviver, tem uma inveja velada desses sujeitos que no fundo são os esteriótipos louvados pelas novelas na TV, como exemplos de sucesso na vida. Por muitas décadas os coitados(as) vivem assistindo essas coisas como “forma de educação”, e aí fica difícil almejar algo melhor.

    Responder
    • Tudo pode mudar se o Boulos conseguir São Paulo, o terceiro maior orçamento do Brasil. Será um desastre se o PSOL levar a maior jóia da coroa desta eleição.

      Responder
  3. Belo texto Silvio, parabéns! E sobretudo parabéns por aguentar de bom humor e paciência todas as groselhas que a Amanda fala diariamente ao seu lado.

    Responder
  4. Atenção caro colunista: Aqui no Nordeste do RS onde se inclui a Serra gaúcha, de 41 municípios o PT tem chance de ganhar somente em Caxias do Sul. O Pepe Vargas segue os passos do seu sinhozinho Lula e tenta emplacar a prefeitura pela terceira vez. Dentro do espírito do teu texto ele segue com a tese de que não existe no PT caxiense nenhuma alma viva que o substitua. É o que se chama de cacequismo sem dar chance a outros.

    Responder
  5. O povão tem certeza que a esquerda fracassou definitivamente. A nova esquerda é formada por jovens de classe média totamente despreparados para a vida profissional, alguns com formação universitária, que sonham que o Estado irá protegê-los durante suas vidas. Talvez acreditem no Boulos, que pretende transformar todo cidadão em um funcionário público.

    Responder
    • Quem é carioca e velho como eu, entenderá: bolos é o novo Cacareco.

      Responder
      • Goataria de ter a mesma convicção.
        Me assusta, e muito, esta votação do Boulos.

        Responder
      • Excelente artigo Silvio Navarro, informações e reflexões corretas e precisas sobre as últimas eleições.So acrescentaria que o PT,em minha opinião não ocupará mais qualquer cargo significativo no País.Ficou marcado pelo carimbo da corrupção e destruição em tudo que toca.Boulos nada mais é do que um invasor de propriedades públicas e privadas na cidade de São Paulo,vive de roubar dinheiro de pobres, não vai chegar a prefeitura.Os Paulistanos o conhecem bem.Vem com esse discurso “tudo para o bem social”,nunca trabalhou na vida, que tal a receita federal abrir o que declara em seu imposto de renda?Manuela D’Ávila,posa de primeira dama,mudou até o visual e roupas.Porto Alegre,reaja a tempo.Chega de impostores, já deu.

        Responder
      • 👍 também como velho , já vi esse filme cujo título era LULALÁ , esperança e não ter medo de ser feliz , acabou que LULALÁ VIROU LULADRÃO A ESPERANÇA VIROU SÓCIA DE BANQUEIROS E EMPRESÁRIOS CORRUPTOS E CAPACHO DE SARNEIS E BANDALHOS E A FELICIDADE VIROU PESADELO DE DESEMPREGADOS E PAÍS FALIDO, essa não me pega mais.

        Responder
  6. Texto muitooo bom. Humildemente, sublinho: o centrāo tem uma máquina mais azeitada e está mais perto do cidadão; JB acertou se mesclando com o centrāo; o PSOL é um partido da classe média, assim “acusou” um líder da esquerda.

    Responder
    • Parabéns pela excelente análise!
      Admiro você e o Lacombe pela paciência e generosidade com a Amanda. Gosto do programa, mas confesso que fico exasperada com o jeito arrogante dessa moça.

      Responder
      • Maria de Lourdes, Concordo plenamente com seu comentário, tanto Navarro e Lacombe, estão muito pacientes com a Amanda, que pessoalmente, acho esquerdista fanática, que tem o treinamento da escola de não ouvir o que seus colegas falam e pior, não tem educação, nem respeito pelos convidados. Interrompe toda fala dos mesmos, e acha que tem que ganhar a discussão, mesmo que seja levantando a Voz e interrompendo sistematicamente. O DEBATE, ESTÁ VIRANDO DE UMA VOZ SÓ. JÁ QUE A AMANDA SE ACHA………………NO DIREITO DE NÃO DEIXAR TERMINAR OS ARGUMENTOS DE SEUS CONVIDADOS.
        SABIO(A) É QUEM SABE OUVIR.
        Seria muito bom para o programa, cronometrar o tempo de cada participante, democraticamente, OU o programa pode estar perdendo audiência, é difícil aguentar a Aparecida. Tudo tem limite.

        Responder
      • Arrogância anda junto com falta de humildade, educação e inteligência. A moça mencionada é incapaz de se colocar no lugar do outro e RACIOCINAR! Mas ela é nova ainda…

        Responder
    • O artigo faz uma radiografia precisa no sentido de que a esquerdopatia já não tem espaço, mas é certo que os Democratas e Liberais devem se manter vigilantes … nunca se pode menosprezar os que defendem “o quanto pior melhor”, pois estes são como hienas à espreita de qualquer deslize e enxergam/cheiram carniças de longe … não têm eles qualquer apreço ao Brasil … querem apenas o PODER, como assim disse Boulos ao propor “solução” para a previdência via aparelhando ainda mais a Capital com “funcionários” à serviço do “Piçol” …

      Responder
  7. ESQUERDA CAVIAR….DINOSSAUROS IDEOLOGICOS ORIUNDOS DAS UNIVERSIDADES EXERCEM EFEITO DELETERIO EM TODA UMA JUVENTUDE QUE RECUSA VISÃO ALÉM DAQUELA APRESENTADA. O PACTO FOI FEITO: EU FINJO QUE ENSINO E VOCES FINGEM QUE APRENDEM…CALDO DE CULTURA APODRECIDA PARA TODA UMA GERAÇÃO . EXCELENTE ARTIGO, DESMISTIFICANDO A PROPAGANDA DISTORCIDA

    Responder
  8. Parabéns pela excelente análise! Bem didática!

    Responder
  9. Excelente texto, Silvio. Aprecio seus textos e suas análises. Só tenho pena de você e o Lacombe terem de aturar aquela arrogante e mal educada da Amanda no Opinião. Ela consegue estragar o programa. Torço pela saída dela

    Responder
  10. Excelente texto Sílvio.Remete à frase do J.Dirceu-“O PT jamais elegerá um presidente em eleições livres”.Ou esquerda,em sensu lato. Sabia das coisas.Já o Psol e PCdB os jovens perguntam porque não usam o nome:Partido Comunista do Brasil?Dá alergia e ficam cheio de brotoejas.Quanto ao Opinião, apesar de você e o Lacombe já abandonei .Não tenho mais idade pra suportar Amanda. Sorry.

    Responder
  11. Excelente apanhado histórico das eleições municipais, Silvio! Muito esclarecedor.
    Por que não ficar somente você e Lacombe no Opinião?!? Preço muito alto acompanhá-los com a manda…

    Responder
  12. Boa análise Silvio! No entanto, não podemos desconsiderar as suspeitas de fraude eleitoral nas urnas inauditáveis que temos. Boulos fazer mais de um milhão de votos na cidade de São Paulo é no mínimo estranho. Haja pomada no cabelo para chegar a isso!

    Responder
  13. Silvio, falando de Boulos, estou enviando para a Direção da Revista Oeste, dois links que desnudam a traição da esquerda ao Brasil. TODO BRASILEIRO TEM O DIREITO DE TOMAR CONHECIMENTO DO CONTEUDO DESTAS PUBLICAÇÕES FEITAS PELA IMPRENSA FRANCESA, e escondidas pela imprensa marrom. Estão as Assinaturas dos, no meu conceito Traidores do Brasil, num abaixo assinado ao Presidente Macron .
    Ihttps://www.liberation.fr/debats/2019/07/27/la-france-doit-refuser-l-accord-de-libre-echange-ue-mercosur_1742315

    Responder
  14. O presidente Bolsonaro precisa urgentemente de um partido político para criarmos uma identidade eleitoral de direita, para onde todos os parlamentares que o apoiam devem se filiar, alem claro dos brasileiros que estão cansados da roubalheira do centro-esquerdismo nacional!!
    AVANTE,antes que seja tarde!

    Responder
  15. O lula e o Pt se FEDEU-SE. Simples assim. Agira São Paulo flerta com a esquerda, pseudo centro esquerda como RJ. Deu no que deu *ERDA

    Responder
  16. Muito bom texto! Parabéns!

    Responder
  17. Ótimo texto Navarro.
    Mas sou do RS, norte do estado, mais especificamente. E, como sempre, nosso estado sofre nas mãos de pestistas e suas ramificações, em algumas prefeituras. Embora o aparente definhamento. Tem uma lógica nisso tudo. O RS é o berço do movimento dos sem-terra.
    E, por mais que o cidadão esteja se conscientizando do mal que essa máfia toda causou à nação, ainda encontramos indivíduos que são conduzidos como gado ao matadouro. Que tapam seus ouvidos a tudo de podre produzido pelo PT e comparças (de todos o lados), votando em qualquer cachorro morto que represente essa sigla.
    Fico feliz pelos resultados atuais. Mas me preocupa 2022. Surgirão os “salvadores do povo”, querendo consertar aquilo que eles mesmos criaram de ruim, aproveitando-se do momento tão conturbado ao qual estamos passando. Inclusive o LULADRÃO, ao meu ver, será feito de tudo pela turminha do STF, para que ele possa aparecer como essa “alma caridosa e defensora dos pobres”. Pobres esses que ele mesmo multiplicou.
    Por isso, não devemos subestimá-los. Devemos ficar vigilantes e de olhos bem abertos.
    Grande abraço a todos.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês