A saga de Alcolumbre para ser o novo Renan do Senado - Revista Oeste

Edição da semana

Em 26 jul 2020, 08:20

A saga de Alcolumbre para ser o novo Renan do Senado

26 jul 2020, 08:20

Assim como fez seu antecessor Renan Calheiros, Davi Alcolumbre traça diversos caminhos para viabilizar sua candidatura à reeleição para presidência do Senado

Alcolumbre Renan

Atual mandato de Alcolumbre termina em janeiro de 2021 | Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O atual presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), começou uma verdadeira saga nos últimos meses para ser candidato à reeleição do Senado. Assim como fez o seu antecessor no posto, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), o democrata tem costurado diversos acordos para viabilizar a candidatura.

Hoje, o caminho mais curto e que vem sendo trilhado por Alcolumbre é a criação de um parecer jurídico que sustente sua reeleição. Para isso, a equipe jurídica do parlamentar trabalha num relatório sobre o assunto. Conforme apurou Oeste, o texto deverá ser apresentado aos senadores em agosto.

De acordo com interlocutores, o documento não irá abarcar a possibilidade de candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara. O entendimento dos apoiadores de Alcolumbre é que, no caso da Câmara, seria preciso alterar a Constituição. Portanto, não bastaria uma nova interpretação das regras.

Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre foram eleitos em fevereiro de 2019. Em fevereiro de 2021, terminam seus mandatos. Como ainda estará vigorando a mesma Legislatura, em teoria, não poderiam ser novamente escolhidos para comandar as duas Casas do Congresso. A Constituição veda a reeleição na mesma legislatura:

“Cada uma das Casas reunir-se-á em sessões preparatórias, a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da legislatura, para a posse de seus membros e eleição das respectivas Mesas, para mandato de 2 (dois) anos, vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente”, diz o artigo 57, § 4º, da Constituição.

 

Ou seja, tanto Maia quanto Alcolumbre já foram eleitos dentro de seus respectivos mandatos. A ideia de Alcolumbre e de seus advogados é argumentar que os mandatos de senadores são de oito anos. Os de deputados, de quatro anos. Por essa razão, o conceito de Legislatura deveria ser matizado e reinterpretado.

Resistências

Apesar do parecer jurídico ser o caminho mais curto encontrado por Alcolumbre, ele não deverá ser o mais fácil, pois o democrata dependerá de algumas alianças. Por isso, o senador vem costurando acordos com o governo, líderes do Congresso e até ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Nos últimos meses, Alcolumbre se colocou como uma “ponte” entre o Congresso e o governo Jair Bolsonaro. Em determinadas situações, ele amenizou as crises entre o Legislativo e o Executivo. Nos últimos dias, por exemplo, guardou na gaveta dois vetos de Bolsonaro considerados cruciais pelo governo: o do novo marco legal do saneamento e o que trata da desoneração da folha de pagamento.

Com estas articulações, Alcolumbre conseguiu esvaziar a candidatura do atual líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO).  De acordo com interlocutores, o emedebista abriria mão de sua candidatura pela do atual presidente do Congresso.

Hoje, dos 81 senadores da Casa, os mais resistentes à candidatura de Alcolumbre são os integrantes do Muda Senado. Composto por pouco mais de 20 senadores, o grupo deve questionar o parecer jurídico que permitiria a reeleição do democrata junto ao STF. Deste grupo, conforme mostrou Oeste, o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) desponta como um dos adversários de Alcolumbre no ano que vem.

Supremo

Alcolumbre, contudo, está se articulando para conseguir a aprovação do seu parecer também do Supremo.  De acordo com aliados, o democrata intensificou suas relações juntos aos ministros da Corte visando sua candidatura. Há uma simpatia dentro do STF a favor da tese do atual presidente do Senado.

“Hoje, ele só trabalha pela sua reeleição”, comentou uma fonte. “Alcolumbre faz movimentos claros para isso. Tanto no Congresso quanto no STF”,

Como Oeste mostrou, o atual presidente do Senado engavetou o pedido para abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que visava investigar os ministros do Supremo – apelidada de CPI da Lava Toga. Além disso, não deu prosseguimento a nenhum dos pedidos de impeachment contra os ministros que tramitam na Casa.

Projeto Amapá

Apesar de todos os esforços para se manter na presidência do Senado, Alcolumbre não almeja futuros políticos na Capital Federal. Entre os projetos do democrata está o Palácio do Setentrião – sede do governo do Estado do Amapá.

De acordo com pessoas próximas, comandar o Senado por mais dois anos deixaria Alcolumbre com mais chances de disputar o governo de seu estado em 2022, quando termina seu mandato de senador. “Ele não gosta de Brasília. Acha o povo frio. É no seu estado que ele gosta de ficar e onde almeja governar”, comentou um aliado. “Todo movimento que ele faz é para o governo do Amapá. Para chegar lá, é mais fácil ser presidente do Senado por mais dois anos”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

16 Comentários

  1. Com o STF no bolso, não vai ser difícil.

    Responder
  2. Para esse tipo de gente tudo é facil infelizmente para viver com esta gente é não ter um pingo de carater .QUE VERGONHA!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
    • Esses 2 tem que sair da presidência, a Alternância no poder é imprescindível para democracia saudável. Presidentes do senado e câmara são tão poderosos que deveria ter uma forma de serem escolhidos pelo povo. Deveria ficar só 1 ano e nunca ser reeleito.

      Responder
  3. Ao marginal só interessa seu ganho, e tudo se justifica para, além desse ganho, cumular com sua própria proteção.
    É assim que andam de mãos dadas os corruptos de colarinho branco, os membros do STF e parte do Parlamento.
    Tutti buona gente a tramar nas nossas barbas processos e mecanismos para se perpetuarem com seus benefícios as custas de um povo limitado e que, atualmente, se encontra oprimido por medidas autoritárias e arbitrarias, além de pânico, tudo promovido e patrocinado por alguns de seus representantes legais e principais órgãos de imprensa.

    Responder
    • Ali só tem o supra sumo da escória, não esperem nada

      Responder
      • Mas o prejuízo para milhões de BRASILEIROS é muito grande!!!A pandemia trabalha à favor desses corruptos, q certamente dormem acariciando o vírus fabricado. Uma das BOAS é suscitarmos 1 briga de vaidades, entre o clã de Alcolumbre e de Fernando Bezerra. Graças ao bom Deus agora sabemos q enqto brigam lá nos palácios, a população se beneficia. Deixamos Sarney e Renan se locupletarem. Qtos anos perdidos? O sertão agora virou mar. É hora da grande virada: A PRESTAÇÃO DE CONTAS c o CONGRESSO é IMINENTE pós quarentena. PRISÃO em SEGUNDA instância e fim do foro privilegiado é nossa única saída para o resgate de nossa dignidade humana.

        Responder
    • Neste país de negociatas e acordos entre corruptos, tudo é possível, menos um olhar direto para beneficiar a população com projetos decentes,este é o país de políticos hipócritas e ladrões.

      Responder
  4. Para não eleger uma cobra (Renan Calheiros) tivemos que engolir um sapo. Valha-me Deus!

    Responder
  5. Que vá para o Amapá, então.
    Não gostaria de ver alguém tão fisiológico presidindo o Senado mais uma vez. Errar uma vez é suficiente para aprender.

    Responder
  6. Coloque em votaçao um ministro do STF para perda de mandado, ai podera se perpetuar no poder, sem isso é seis por meia duzia

    Responder
  7. Misericórdia meu Deus faça cumprir esse versículo em nome de Jesus Cristo “1 Ai daqueles que fazem leis injustas,
    que escrevem decretos opressores,
    2 para privar os pobres dos seus direitos
    e da justiça os oprimidos do meu povo” Isaías 10:1-2 e não permita que um injusto como esse continue atuando contrário ao povo🙏🏽🇧🇷🇧🇷

    Responder
  8. Brasil é o país da piada. As leis são reinterpretadas, para causa própria. É mole?

    Responder
  9. Esse Batoré não passa de um porco, canalha e vagabundo.

    Responder
  10. Quando a pessoa é pequena para o cargo, sempre se agarra a ele.

    Responder
  11. O Brasil precisa destravar para poder crescer e passa pela mudança no STF, hoje seu maior obstáculo. Para mudar o SFT, o Senado precisa atuar para colocar para fora vários abutres de toga e Alcolumbre têm impedido para se auto proteger. Ele é Maia não podem ser reeleitos para o bem do Brasil.

    Responder
  12. Esses 2 tem que sair da presidência, a Alternância no poder é imprescindível para democracia saudável. Presidentes do senado e câmara são tão poderosos que deveria ter uma forma de serem escolhidos pelo povo. Deveria ficar só 1 ano e nunca ser reeleito.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

As piores eleições do mundo

A cura para a desgraça que são as eleições brasileiras é um conjunto de meia dúzia de providências simples como a tabuada

EUA — O que está em jogo

Em confronto, duas visões antagônicas sobre temas como geopolítica e comércio internacional, impostos e saúde, clima e energia, China e Oriente Médio

Meio ambiente é causa conservadora

Conservadores não podem se eximir da responsabilidade e reforçar a ideia de que preservação ambiental é pauta da esquerda

O plebiscito dos mentecaptos

Acaba o auxílio emergencial, mas começa a campanha emocionante do Ricardo Barros pelo plebiscito — e emoção é alimento espiritual

Nova Constituição para quê?!

Uma Carta ruim como a nossa deve ser reformada, e não anulada para que outra seja escrita. Essa é a solução conservadora

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 32 — 30/10/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês