A verdade sobre a CoronaVac - Revista Oeste

Revista

A verdade sobre a CoronaVac
Entenda a tecnologia utilizada pela Sinovac, os riscos que envolvem a vacina chinesa e o cenário real de produção de imunizantes
30 out 2020, 09:16

Após oito meses da chegada do coronavírus ao país, o que mais se espera é a confirmação de uma vacina contra a covid-19 que seja eficaz e “devolva” a normalidade ao planeta. O mundo amarga os efeitos da pior pandemia do século, e o Brasil registra 5,4 milhões de casos e mais de 158 mil mortos — ainda que as estatísticas não sejam definitivas sobre óbitos “de” ou “com” coronavírus, algo que pode ser um divisor de águas entre a política e a ciência no futuro. Mas, curiosamente, do mesmo país onde surgiu o vírus chegam informações para a solução de uma crise sanitária irremediável. Depois de receber críticas internacionais por acobertar a pandemia no início do ano, a China saltou à frente na corrida para encontrar um imunizante em prazo olímpico. As empresas farmacêuticas do país asiático têm quatro vacinas em fase final de testes, algo absolutamente discutível no meio científico, e nenhuma delas foi aprovada pelos órgãos reguladores, nem mesmo os chineses.

O governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), apostou suas fichas na CoronaVac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan. O relacionamento do governo paulista com o gigante farmacêutico teve início em agosto de 2019, depois de uma viagem até a China e da abertura de um escritório comercial de São Paulo em Xangai. Durante a viagem, a equipe do Instituto Butantan, que fazia parte da comitiva, visitou a sede da Sinovac. Porém, o governo de São Paulo e o centro de pesquisa negaram em nota conjunta ter estabelecido acordo com o laboratório lá em 2019. Oficialmente, a parceria para a produção de vacinas contra o novo coronavírus entre o Butantan e a Sinovac foi firmada em 10 de junho deste ano. Ao anunciar a sociedade, em coletiva de imprensa realizada no dia seguinte, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, justificou a escolha da CoronaVac em detrimento de outras vacinas — como, por exemplo, aquela em desenvolvimento pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que inclusive estava em fase mais avançada que a chinesa à época. Disse Covas: “Essa parceria com a China já é de longa data. Foi fruto da visita que fizemos ao país. Fomos pessoalmente conhecer a Sinovac. A Sinovac é uma empresa privada e tem interesse no codesenvolvimento de outras vacinas com o Butantan”. Covas explicou que as condições para o contrato eram as melhores do mercado, embora o documento permaneça sob sigilo. (“É praxe, por envolver questões relacionadas ao desenvolvimento do produto”, diz ele.) Outro ponto que pesou a favor da parceria com a China, segundo o diretor do instituto, foi o método empregado para a fabricação da CoronaVac, já dominado pelo Butantan. “Estamos falando de uma tecnologia que é nosso dia a dia. O Butantan já produz vacinas com essa técnica.”

As candidatas a vacina anticovid-19 

Atualmente, mais de 200 candidatas a vacina estão em desenvolvimento ao redor do mundo. No entanto, algumas se encontram em estágio mais avançado do que outras. Dez laboratórios seguem na última etapa de testes, o chamado ensaio clínico de Fase III. Nos Estados Unidos, quem comanda os estudos são as empresas Moderna, Novavax e Janssen [do grupo Johnson & Johnson]. Em uma parceria entre Estados Unidos e Alemanha, aparecem a Pfizer e a BioNTech. No Reino Unido, o gigante AstraZeneca. Na China, além do Sinovac Biotech, estão o Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan, o Sinopharm e o CanSino Biologics. E, na Rússia, a pesquisa está sob o comando do Instituto de Pesquisa Gamaleya. Destes, três receberam autorização para realizar ensaios no Brasil. São eles: AstraZeneca, Sinovac Biotech [chinesa] e Pfizer. A vacina norte-americana do laboratório Janssen também foi liberada para estudos no país, mas a companhia informou a pausa dos ensaios clínicos em razão de efeitos adversos em um voluntário. Não foi o único evento do tipo. A AstraZeneca, que desenvolve a vacina em parceria com a Universidade de Oxford, também registrou reveses durante os testes clínicos e a pesquisa precisou ser paralisada, ainda que por curto período.

Uma vacina nada mais é do que um líquido injetado no corpo que mimetiza uma infecção e faz com que o organismo produza anticorpos contra determinada doença. Parece simples, mas chegar à fórmula ideal exige um longo e meticuloso caminho. Afinal, diferentemente de um remédio que é processado e expelido pelo organismo, os efeitos de uma vacina podem permanecer no corpo durante toda a vida. O toxicologista e pediatra Anthony Wong explica que existem oito estratégias para a produção de um imunizante contra a covid-19. Dentre elas estão as vacinas produzidas a partir de um vírus inativo, também chamado de morto, como é o caso da CoronaVac e de imunizantes contra raiva e gripe, ou de um vírus atenuado, como a usada na vacina para o sarampo. Há também o método denominado de vetor viral, que faz uso de outro vírus, aparentado àquele ao qual se pretende combater, junto com proteínas. É o exemplo da vacina da Oxford, que é uma versão enfraquecida e não replicante de um vírus do resfriado comum, o adenovírus de um chimpanzé, junto com proteínas do Sars-Cov-2. Existem ainda outras técnicas, por meio das quais são injetadas no organismo frações de RNA e DNA do vírus. Essas tecnologias são consideradas inovadoras e não foram testadas em seres humanos até o momento. As farmacêuticas Janssen e Moderna estão desenvolvendo imunizantes com esse método. Para a médica hematologista Regina Kiyota, é importante que os laboratórios utilizem metodologias distintas no desenvolvimento de vacinas. “É muito saudável, do ponto de vista de ciência, que tenhamos diferentes instituições promovendo vacinas por meios diferentes. Imagine se todo mundo usar uma metodologia única e depois se descobre que não deu certo”, pondera. A médica diz não ser possível saber ainda qual método se mostrará mais eficaz no combate à covid-19: “Isso vai se desenhar na linha do tempo, quais vacinas poderão ter sucesso maior e quais não”.

Em média, um imunizante leva de 10 a 15 anos para ficar pronto. A vacina contra a caxumba foi a mais rápida do mercado até o momento e levou quatro anos. Antes de serem disponibilizadas em larga escala, todas as vacinas passam por um rigoroso processo de testes. Na fase de pesquisa pré-clínica, a vacina é estudada em culturas de células e animais. Após essa etapa, entra a fase clínica, para testes em seres humanos, que é dividida em I, II e III. Não é exclusividade da CoronaVac. Todas as vacinas que já estão no ensaio clínico da Fase III encurtaram etapas. Segundo Wong, só a fase pré-clínica dura, no mínimo, seis meses, mas pode chegar a um ano. “Todas as vacinas correram na fase pré-clínica.”

O exercício para entender a lógica do desenvolvimento de uma vacina do zero segue um raciocínio simples: imagine que você preparou um bolo de chocolate e precisa assá-lo. A receita informa que são necessários 45 minutos em forno ligado a 180 graus para que seu bolo asse de forma homogênea, não fique cru por dentro nem queimado por fora. Se você colocar cinco pessoas vigiando o forno, seu bolo assará mais rápido? E 20 pessoas? E 100 pessoas? Pois é. Além de vencer a etapa da segurança, é preciso calcular a taxa de eficácia. Quanto tempo duram os anticorpos dessa vacina no organismo? Para o médico especialista em Medicina de Emergência Alessandro Loyola, a pressa em acelerar etapas interfere diretamente nas conclusões acerca da eficácia do produto. “Para saber se os anticorpos permanecem no corpo, por exemplo, um ano, preciso acompanhar o voluntário por um ano. Passou esse um ano?” Por mais que diversos países juntem esforços para realizar testes simultâneos, o lapso temporal necessário para checar a duração de imunidade provocada por uma vacina não muda. “Lamento o transtorno de ansiedade das pessoas, mas não é assim que a ciência funciona”, diz.

Confiabilidade e número de doses

Se outras vacinas tiveram percalços pelo caminho, pelo menos até onde se sabe a CoronaVac chega até aqui sem nenhum atropelo. O que pode ser um problemão. O médico neurocirurgião Paulo Porto de Melo lembra que grandes companhias que estão na corrida pelo desenvolvimento do produto, com histórico e tradição na produção de vacinas, enfrentaram dificuldades. “A AstraZeneca, quando teve problemas com um voluntário, comunicou o fato aos órgãos responsáveis, paralisou os estudos. É uma postura que, por mais que assuste a comunidade leiga, passa tranquilidade para a comunidade médica. Mostra que a empresa está sendo responsável. Sobre a CoronaVac, ninguém sabe.” Um caminhão de reticências põe em xeque a segurança e a eficácia do produto chinês. Além do Brasil e da China, apenas a Turquia e a Indonésia apostaram no laboratório Sinovac. Inicialmente com a participação de 9 mil voluntários no país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária liberou a ampliação da pesquisa para 13 mil pessoas. Entretanto, mais de 4 mil voluntários ainda não iniciaram as aplicações. O neurocirurgião Paulo Porto de Melo chama a atenção para outros detalhes: no Brasil, os voluntários que receberam a vacina chinesa têm idade entre 18 e 60 anos, são saudáveis, sem comorbidades e não foram infectados pelo vírus. “Mas esse não é o grupo-alvo que interessa. São mais importantes idosos, jovens com doenças como obesidade, hipertensão, diabetes. Como falar em adquirir um produto que só se mostrou eficaz para um público que não é o mais vulnerável?” A pesquisa testou a segurança da vacina em 50 mil voluntários na China, mas até o momento os dados não foram publicados em revistas científicas. Para especialistas, a falta de transparência na divulgação dos resultados dificulta qualquer análise dos números por outros cientistas. Além disso, não há notícia de que alguma autoridade científica da comunidade internacional tenha respaldado os estudos da Sinovac.

Segundo o governo paulista, 35% das pessoas apresentaram reações adversas leves após a aplicação da CoronaVac, como dor no local da aplicação ou dor de cabeça. Nos testes realizados na China, o grau de efeitos adversos ficou em torno de 5,37%. O médico Anthony Wong afirma que esse número é alto e inaceitável: “Em comparação com a vacina contra tétano ou mesmo poliomielite ou sarampo, a incidência de efeito adverso é de 0,05% a 0,5%”. Além disso, Wong explica que a tecnologia do vírus inativo utilizada na produção da vacina chinesa requer três ou até quatro doses para produzir efeito. Para prevenir a poliomielite, por exemplo, são necessárias três aplicações e mais um reforço. Entretanto, só estão previstas duas doses da CoronaVac. Segundo  Wong, isso tem relação com o encurtamento das etapas de estudo da vacina chinesa. “Eles não completaram a Fase II. Então, não sabem se será necessária ou não uma terceira dose. E garanto que precisa. Não existe uma única vacina de vírus inativo que não exija três doses. A única explicação para oferecer apenas duas doses é a pressa.” Por mais que os órgãos regulatórios desfrutem de credibilidade, a Anvisa informou que poderá liberar um imunizante que atinja 50% de eficácia mínima, mesmo que o padrão aceitável seja acima de 70%. “Para considerar uma imunização eficaz da população, não se aceitam números inferiores a 90%”, rebate Wong. Nessa disputa feroz para ver quem assume primeiro a paternidade de uma vacina, empresas farmacêuticas estão forçando países a firmar acordos de isenção de responsabilidade sobre potenciais efeitos adversos. Foi o que fez a AstraZeneca — o laboratório não responderá por quaisquer danos que apareçam meses, anos ou décadas depois. Até mesmo a indústria parece reconhecer que o tempo é insuficiente para garantir a qualidade, uma vez que os efeitos colaterais não são necessariamente imediatos.

Disputa política e STF

A despeito de tantas interrogações, o fato é que em setembro o governador João Doria assinou um termo de compromisso no valor de US$ 90 milhões com a Sinovac para o fornecimento de 46 milhões de doses do produto. Doria também formalizou a transferência de tecnologia para produção da vacina pelo Butantan. O governador chegou a dizer que a vacinação contra a covid-19 será iniciada em dezembro deste ano, prazo considerado irreal para muitos especialistas. A chegada à reta final da CoronaVac azedou ainda mais a relação entre João Doria e o presidente da República, Jair Bolsonaro. Como no caso da cloroquina, a discussão escanteou a ciência e virou guerra política. Na terça-feira 20, depois de o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informar que compraria 46 milhões de doses da vacina chinesa ao custo de R$ 1,9 bilhão, o Ministério da Saúde recuou e negou a intenção. “Não há razão para exigir que o governo pague por algo que ainda está em desenvolvimento. Normalmente, o ônus da produção é da indústria que está desenvolvendo o produto. Não é hora de entrar em todas as etapas”, defendeu a médica oncologista Nise Yamaguchi. Nise faz uma ressalva quanto à compra, por parte do governo, de 100 milhões de doses da vacina da Oxford: “Houve participação no desenvolvimento”. 

Para complicar o estresse político, entrou na pauta a discussão sobre a obrigatoriedade de vacinação, numa espécie de Revolta da Vacina Parte II, quase 120 anos depois do maior motim da História do Rio de Janeiro. Doria defende a ideia de tornar a vacina anticovid obrigatória. E Bolsonaro afirmou que não vai obrigar o brasileiro a se vacinar. Até mesmo a Organização Mundial da Saúde, que pecou em tantas recomendações durante a pandemia, é contra a compulsoriedade da vacina. Já que não há nada ruim que não possa piorar, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve entrar no circuito em breve para tomar a decisão final sobre esse tema de saúde pública. Caso o STF inclua a CoronaVac no Programa Nacional de Imunização, a vacina chinesa será distribuída por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) e o custo ficaria com a União.

Não há garantia de que surgirá um imunizante perfeito

Entre tantas candidatas, é possível que uma vacina em algum momento se mostre efetiva para frear o número de contágios. Mesmo assim, os primeiros imunizantes que ficarão prontos provavelmente não serão os melhores. Por enquanto, não há ainda no mundo inteiro uma vacina segura e eficaz contra a covid-19 comprovada cientificamente. É preciso encarar o fato de que o novo coronavírus veio para ficar. A falsa esperança de que haverá vacina até o final deste ano pode suscitar desconfiança na população, que já está de orelha em pé ao acompanhar as discussões sobre uma solução que nem sequer existe. Ainda que surja um imunizante, um dos principais desafios será organizar a produção em larga escala. Estamos falando de bilhões de doses. E mais, além de produzir, será preciso criar uma logística de entrega e armazenamento refrigerado para não quebrar a cadeia de frio. Algumas vacinas requerem uma cadeia ultrafria com temperaturas próximas a 70 graus negativos.

Outra realidade para a qual não podemos fechar os olhos é que o desenvolvimento de vacinas nem sempre compensa. A humanidade convive com doenças causadas por vírus como a aids e a dengue em que, não importa quanto você pesquise, não se consegue encontrar uma maneira de desenvolver uma vacina eficaz. Na gripe suína, a vacina gerou reações piores do que a própria doença. Ninguém garante que haverá um imunizante perfeito para erradicar de vez o coronavírus. Entretanto, não há dúvida de que as vacinas são um dos grandes avanços da humanidade e a melhor forma de prevenir e reduzir doenças infecciosas. A Organização Mundial da Saúde estima que vacinas evitem de 2 milhões a 3 milhões de mortes por ano.

A Europa enfrenta hoje uma segunda onda de contaminação mas, embora o número de casos da covid-19 tenha aumentado, as mortes diminuíram. Já no Brasil há uma desaceleração tanto no número de casos quanto de óbitos. Estudo recente publicado neste mês de outubro por um dos principais especialistas em epidemiologia e em medicina baseada em evidências, o professor de Stanford John Ioannidis, registra que, na média, morre 0,23% dos que contraem a covid-19, com grande variação em relação à idade: para os que têm menos de 70 anos, a letalidade é de 0,05% dos infectados. São números comparáveis às taxas de letalidade da gripe sazonal e da pneumonia: 0,13% e 0,2%, respectivamente, em países de alta renda. O que leva alguns especialistas a questionar: vale a pena realizar a vacinação em massa contra uma doença com índices de morte como esses? Além da baixa letalidade, a redução no número de mortes está diretamente ligada ao fato de que os médicos aprenderam a tratar a doença. Para o clínico geral e doutor em imunologia Roberto Zeballos, o primeiro médico do país a recomendar o uso de corticoide no tratamento — procedimento que meses depois foi alardeado no mundo —, não há como desenvolver uma vacina segura em tão pouco tempo. “A urgência das vacinas é para suprir a ansiedade dos leigos por uma solução.” Segundo Zeballos, já está em curso uma estratégia formatada para tratar a covid-19 e não faz sentido vacinar a população em massa.  Diz ele: “É mais fácil ter estratégias de tratamento do que sair vacinando todo mundo. Essa epidemia está mostrando que existe começo, meio e fim”. Sim, existe fim.  

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

38 Comentários

  1. Paula, excelente o seu artigo. Claro, objetivo, equilibrado, e suportado por dados, infelizmente não é esta a dinâmica vista nos meios de comunicação tradicional e entre os politicos.

    parabens!!!

    Responder
    • Isenção na discussão das ideias e sólido embasamento dos dados, somados à clareza de raciocínio e um texto muito bem construído. Estes os ingredientes de uma matéria jornalística de respeito, como é o caso, aqui. Novamente a Oeste cumpre sua missão do bem informar e de um jornalismo comprometido apenas com os fatos. Parabéns à revista e, mais ainda, à autora por contribuir com a discussão madura deste que é, indiscutivelmente, O tema do momento não só aqui, mas no mundo.

      Responder
  2. Que reportagem abrangente !
    Parabéns, Paula !
    De minha parte afirmo que essa é
    mais uma jogada política do bone-
    quinho engomado de São Paulo .
    Esse cara usa uma vacina que não
    existe ainda para fazer proselitismo
    político!

    Responder
    • Parabéns, Paula. Foi por isso que assinei Oeste.

      Responder
    • “…Se querem meu corpo, terão o meu corpo só no fim… ” isso é o que a música do Titãs diz. Eu digo que no meu corpo nem no fim. E quero ver quem vai tentar…

      Responder
  3. Parabéns pela matéria! Bastante esclarecedora. Muito diferente da medíocre imprensa que tenta favorecer uns e outros, os que pagam mais, causando grande desinformação e medo na população.

    Responder
  4. A verdade dita de forma simples, realista e inteligível para qualquer nivel.
    PARABÉNS!!!

    Responder
  5. Vou relatar aqui minha possibilidade de tomar a vacina da covid-19, só tomarei se esses que estão nessa lista abaixo tomarem em público e com entidades de confiança fiscalizando e auditando.
    1-todos os políticos de defendem a obrigatoriedade da vacina;
    2-todos os magistrados;
    3-todos os integrantes da mídia que defende os caras acima relatados;
    4-os funcionários e pesquisadores dos laboratórios que produziram a vacina;
    5-que se prove que a população do país que produziu a vacina foi vacinada da mesma(CHINA) que será difícil de comprovar.
    E mesmo assim vou esperar um ano para saber das reações que causaram a todos eles, aí assim pensarei ainda em tomar.

    Responder
    • Estou pensando aqui na Síndrome de Estocolmo. Será que esse DOR(ia), em vez de Covid, não pegou essa tal síndrome? Isso precisa ser auditado.

      Responder
  6. Paula, deixe-me ser mais claro: Parabéns por sua reportagem de capa. Não é em qualquer lugar que se encontra uma reportagem desse nível. É por isso que sou assinante da Revista Oeste.

    Responder
  7. Quando o milagre é grande até o santo desconfia!
    Os ditados populares falam por si!

    Responder
  8. Paula,
    Sua matéria é um grande vitória da clareza, da lógica e da honestidade num noticiário em geral mal intencionado, incompreensível e inepto sobre a epidemia. Show. Lição. Nota 10.

    Responder
    • Isso é jornalismo!!! Cada centavo que paguei na assinatura está retornando!!!

      Responder
    • Só quero comentar Dória sempre foi um oportunista, não tem nada a acrescentar a ciência,usa de forma duvidosa o instituto Butantan como muleta para seus objetivos.Sua insistência na Corona vac é no mínimo suspeita.Nos P a vacina a vacinaaulistas e Paulistanos não iremos ignorar nossa independência de tomamos a vacina eficaz e segura.

      Responder
      • Errata:Paulistas e Paulistanos.

        Responder
      • São Paulo, São Paulo! Cria juízo na política. Não enfia o braço na boca do tigre esperando tirar selfie. Pode ser que ele não conheça ou não respeite a nossa Constituição. Aí, oh! Fim de linha.

        Responder
  9. Assinei e não me canso de recomendar à revista Oeste para os amigos. Por quê? Porque a qualidade dos profissionais são indiscutíveis e imbatíveis. Parabéns Paula e Oeste.

    Responder
  10. Matéria muito esclarecedora. Pena que a classe politica não saiba ler!

    Responder
  11. Dória é um pretendente a genocida. Diga-me uma coisa: por que a União bancaria a imunização de São Paulo fora de um contexto de imunização do país? Reportagem em nível de Excelência, parabéns!

    Responder
    • Digo isso, porque 46 milhões de doses somente imunizam 23 milhões de pessoas, tomando duas doses, e duas doses não imunizam, conforme um infectologista falou na reportagem.

      Responder
  12. Revista Oeste apresentando uma excelente matéria antipânico nesse Brasil onde a grande imprensa se encarrega de aterrorizar a população o tempo todo. Não precisamos temer o coronavírus, e sim nós cuidarmos.

    Responder
  13. Cara Paula: entre os grandes produtores de vacinas contra virus estão a Merck (MSD) a Sanofi e a GSK. Não consigo saber nada sobre a pesquisa deles. Tens alguma informação sobre eles. Eu, particularmente, confio nesses. Abraço

    Responder
  14. Paula, gostei muito do seu artigo.
    Entretanto, por ser médica, tenho que dizer que há pequenas citações incorretas. Além disso, eu acho que teria sido bom constar a opinião de médicos infectologistas mais envolvidos diretamente com pesquisa e desenvolvimento de vacinas.
    Abraço.

    Responder
    • Colega, obviamente trata-se de uma reportagem e não de um artigo científico
      A reportagem ficou excelente!

      Responder
  15. Excelente matéria, precisa e ponderada. Parabéns, Paula!

    Responder
  16. Suspeito bastante esta pressa do Doria com relação à vacina chinesa. Há algo nos bastidores que não conhecemos e interesses financeiros escusos envolvidos. Boa matéria.

    Responder
  17. Muito bom e esclarecedor texto sobre o processo de pesquisa e experiências para a fabricação de uma vacina, no qual o tempo é um componente importante para se chegar à garantia da necessária eficácia de um imunizante contra qualquer doença.

    Mas, a ciência evolui e é possível que as experiências já adquiridas na fabricação de vacinas anteriores, ajude a reduzir o tempo para se chegar a uma vacina segura contra a Covid-19.

    É preciso confiar na Anvisa e esperar que seus técnicos tenham a necessária responsabilidade e competência para aprovar uma vacina segura para a população brasileira.

    Quanto à obrigatoriedade de uma futura vacina, se a pandemia continuar grave, creio que uma alternativa seria exigir atestado para frequentar determinados locais de uso coletivo, como cinemas, restaurantes, bares etc

    Responder
  18. excelente artigo. São necessários muitos cientistas de alto nível para formatar uma vacina que abrange um problema mundial. Depois, outros técnicos para produzir as doses, laboratório para fabricar, logística desde o abastecimento de insumos e matéria-prima, até a distribuição e vacinação em massa. Não é fácil.

    Responder
  19. Abragente, esclarededora e sem viés. Parabéns Paula.

    Responder
  20. Paula :parabéns pela matéria. O texto informa, esclarece, é acessível e detalhado. O texto também é absolutamente imparcial, coisa muita rara hoje em dia na “mídia” tradicional . Valeu a leitura.

    Responder
  21. Reportagem elucidativa e didática; o ponto chave vem ao final: “… vale a pena realizar a vacinação em massa contra uma doença com índices de morte [ baixos ] como esses?”. Essa questão da vacina para o Covid-19 é mais um desdobramento do uso político que se fez dessa epidemia desde seu início – se é que o vírus não foi desenvolvido com esse fim expresso, como depoimentos abalizados indicam. Grupos globalistas, em esferas bastante acima da visão direta do cidadão comum, puxam freneticamente os cordões para nos manter cada vez mais enredados num misto de teatro de marionetes e de sombras.

    Responder
  22. Parabéns Paula, você detalha características técnicas do desenvolvimento destas importantes vacinas, e que penso foi politizada pelo marqueteiro Doria com sua vacina preferida “Doria/Sinovac/Butantã”, claramente com fins eleitorais de 2022. A propósito, convincente do sucesso de sua vacina, Doria já deveria ter tomado nos testes já aplicados em nosso pais, para comprovar aos brasileiros sua eficácia.

    Responder
  23. Excelente artigo Paula, esclarecedor ,com uma imparcialidade única . Já compartilhou com alguns amigos .Parabéns Revista Oeste.

    Responder
  24. Excelente matéria!

    Responder
  25. Que matéria!!! Mais que excelente, fundamental e necessária! Jornalistas de verdade fazem isso: esclarecem, mostram dados, opiniões, e são imparciais, principalmente ao lidar com assunto tão sério e controverso. Deveria estar disponível para todos, embora respeite ao máximo a revista (excepcional). Tenho convivido com pessoas que necessitam urgentemente ler esta matéria. Parabéns Paula, você prestou um serviço imensurável com sua competência.

    Responder
    • Parabéns, isso é jornalismo!

      Responder
  26. Excelente artigo.

    Responder
  27. Artigo excelente, parabéns. Sem dúvida a jornalista foi muito bem assessorada. Com relação apenas a parte técnica de vacinas para a Covid, caso alguém queira informações mais abrangentes, recomendo artigo da Johns Hopkins “TYPES OF VACCINES FOR COVID-19”. A quem interessar possa recebi uma tradução pdf (6 páginas).

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês