'Afirmo que Putin estava por trás do crime', diz opositor envenenado

Edição da semana

Em 1 out 2020, 16:00

‘Afirmo que Putin estava por trás do crime’, diz opositor envenenado

1 out 2020, 16:00

Alexei Navalny garantiu “não dará a Putin a satisfação de não voltar para a Rússia”

Navalny

Líder opositor russo Alexei Navalny | Foto: Reprodução/Redes Sociais

O líder opositor russo Alexei Navalny acusou Vladimir Putin de estar por trás do envenenamento que o colocou em coma, mas insistiu que ele quer  voltar à Rússia para continuar sua campanha política contra o governo.

Nesta quinta-feira, 1º, a revista Der Spiegel publicou a primeira entrevista dele desde o episódio. O politico deixou o hospital na Alemanha no dia 23 de setembro.

Navalny garantiu “não dará a Putin a satisfação de não voltar para a Rússia”, acrescentando: “Minha tarefa é continuar sendo o cara que não tem medo. E eu não tenho medo!”.

LEIA MAIS: Coca-Cola muda sede regional da Argentina para o Brasil

O ativista de oposição mais conhecido da Rússia tem sido o foco da atenção internacional desde que a Alemanha revelou que ele foi envenenado com o agente nervoso novichok enquanto estava na Sibéria. Berlim exigiu uma explicação do Kremlin, que negou qualquer envolvimento.

Na entrevista, Navalny disse que o uso de uma nova variedade de novichok, que é “acessível apenas a um pequeno círculo de pessoas”, mostrou que Putin deve ter sido o responsável. “Não tenho outras versões [para explicar] o que aconteceu”, disse ele.

Como registra o jornal Financial Times, as acusações de Navalny geraram uma resposta veemente de uma elite política russa que normalmente tenta ignorá-lo. Dmitry Peskov, porta-voz de Putin, disse que as alegações eram “absolutamente infundadas e inaceitáveis”.

De acordo com o relato da revista, as sequelas do envenenamento de Navalny foram visíveis durante a entrevista, quando ele teve de usar as duas mãos para despejar um copo d’água. Mas enquanto algumas semanas atrás ele mal conseguia andar, ele subiu as escadas para chegar aos escritórios da Spiegel, evitando o elevador.

Navalny afirmou que aqueles que o envenenaram planejaram claramente que ele morresse no avião: “Teria sido apenas uma morte suspeita”.

Descrevendo como ele adoeceu no avião, ele disse: “A impressão mais importante foi: você não sente dor, mas sabe que está morrendo”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês