Agronegócio exporta recorde de quase US$ 34 bilhões no primeiro trimestre

O complexo da soja é o carro-chefe dos embarques internacionais
-Publicidade-
O complexo da soja liderou as exportações
O complexo da soja liderou as exportações | Foto: Roosewelt Pinheiro/Abr

As exportações do agronegócio somaram quase US$ 34 bilhões no primeiro trimestre de 2022. Essa marca é a maior para os três primeiros meses do ano desde 1997, quando teve início o acompanhamento feito pela plataforma Agrosat, do governo federal. No ano passado, houve o recorde anterior: US$ 23 bilhões.

O faturamento do agronegócio, além de contemplar a produção nas lavouras e criações de animais, também soma o resultado de processos industriais com matérias-primas de origem agrícola.

-Publicidade-

Respondendo por 40% de toda a receita, o complexo da soja trouxe quase US$ 14 bilhões. O montante é formado pela exportação de grãos (cerca de US$ 11 bilhões) e o restante da cadeia produtiva, envolvendo óleos e farelos (próximo de US$ 3 bilhões).

Na segunda posição aparecem as carnes (mais de US$ 5 bilhões), seguida de produtos florestais, como borracha, papel, celulose e madeira (aproximadamente US$ 4 bilhões), café (pouco acima de US$ 2 bilhões) e o complexo sucroalcooleiro, formado por álcool e açúcar (praticamente US$ 2 bilhões).

Antonio Luz, economista-chefe da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul, explica que o aumento da procura impulsionou o recorde. Apesar desse crescimento, os países compradores permanecem praticamente os mesmos que os do primeiro trimestre de 2021.

“Somos um país com grande capacidade de produção, qualidade e preço competitivo”, argumenta Luz. “Assim como há uma corrida pelo dólar nas crises, também existe uma corrida dos países para o mercado brasileiro para garantir o abastecimento de alimentos.”

Principais destinos para as exportações do agronegócio

A China segue como o maior impulsionador das exportações do agronegócio brasileiro, com compras que somam um valor pouco acima de US$ 11 bilhões. Em seguida, aparecem União Europeia (pouco menos de US$ 6 bilhões) e Estados Unidos (mais de US$ 2 bilhões).

Leia também: “O Brasil vai alimentar o mundo”, entrevista concedida por Celso Moretti, presidente da Embrapa, para a Edição 103 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.