Brasil registra aumento de 27% nas exportações de carne de Angus

Entre janeiro e novembro, o país enviou quase 700 toneladas desse tipo de proteína para outros países
-Publicidade-
O programa Carne Angus registrou o aumento de 12,6% na produção
O programa Carne Angus registrou o aumento de 12,6% na produção | Foto: Ana Doralina Menezes/ABA

Entre janeiro e novembro de 2021, o Brasil exportou 692 toneladas de carnes bovina proveniente da raça Angus. Desse modo, a quantidade enviada cresceu aproximadamente 27% sobre o ano anterior. A Associação Brasileira de Angus (ABA) divulgou os dados na segunda-feira 13.

Em 2021, o programa Carne Angus registrou o aumento de 12,6% na produção certificada de proteína dessa raça. Entretanto, o número de cabeças abatidas caiu 3,4%. De acordo com a ABA, 74 em cada 100 animais que vão para o abate são certificados.

“Isso nos mostra que tivemos maior produtividade e qualidade, com menos animais abatidos”, disse a gerente nacional do Programa Carne Angus Certificada, Ana Doralina Menezes.“ O Brasil é conhecido pela exportação em volume, mas está se consolidando em um mercado extremamente competitivo, o da carne premium”.

-Publicidade-

Os números da associação mostram que a China recebeu a maior parte da exportação (47%). A Palestina também se destacou, com 18% das aquisições. Além disso, receberam o produto certificado países como Emirados Árabes, Arábia Saudita, Singapura, Irã, Omã, Líbano, Bermudas, Catar.

Além da carne de Angus

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, revelam que o rebanho brasileiro tem quase 220 milhões de cabeças — o que é cerca de um animal por habitante do país

Cinco Estados concentram mais de 50% do rebanho nacional. Nessa lista, Mato Grosso fica na primeira posição, com 27 milhões de cabeças (quase 15% do total do país). Na sequência, aparecem Goiás e Minas Gerais, praticamente empatados, com cerca de 19 milhões de cabeças cada um — número que representa 10% do total. Por fim, o Pará aparece em quarto lugar (18 milhões, 9,6%), e Mato Grosso do Sul na quinta posição (17 milhões, 9%).

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

  1. O nicho do nicho que pode ter acesso à essa carne. Enquanto está difícil até para consumir a carne de quinta… Produzem mais para o mercado externo, do que o interno. Está na hora de importar carne de outros países.

  2. O que é um debate “saudável” de idéias? O que são expressões “inapropriadas”?. Voces tb se rendem ao CP. Mas eu só queria dizer que prefiro a carne mijada à carne do Angus. Nada contra quem ganha $$$ com isto.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.