Exportações de feijão batem recorde em 2021

Entre janeiro e novembro, o Brasil enviou 200 mil toneladas do grão para outros países
-Publicidade-
O Brasil faturou US$ 1 bilhão com a exportação de feijão
O Brasil faturou US$ 1 bilhão com a exportação de feijão | Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

As exportações brasileiras de feijão bateram um recorde histórico. De acordo com o Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (Ibrafe), entre janeiro e novembro deste ano, os embarques do produto atingiram 200 mil toneladas. Assim, o faturamento com seu comércio exterior chegou a US$ 1 bilhão.

“O Brasil exportou mais de 12 variedades diferentes”, explicou Marcelo Lüders, presidente do Ibrafe. “Tudo isso começou em 2010, quando nós da iniciativa privada começamos esse movimento.”

Lüders acredita que o crescimento das exportações do grão deve continuar, especialmente com o envolvimento da Apex-Brasil e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

-Publicidade-

A produção de feijão

Segundo o dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil produziu 2,9 milhões de toneladas do item na safra 2020/21. Contudo, esse número equivale a uma queda de cerca de 11% sobre a produção do ciclo anterior (3,2 milhões). Para tanto, o plantio ocupou quase 3 milhões de hectares. A produtividade por hectare ficou em 984 quilogramas por hectare.

Já na Safra 2021/22, a Conab projeta um incremento de 9% o volume produzido, que é estimado 3,1 milhões de toneladas. A área plantada deve permanecer a mesma, entretanto há a expectativa de quase 10% de aumento na produtividade.

Cinco Estados produzem cerca de 53% de todo o feijão nacional. Deles, a Bahia aparece na primeira posição com 14,5%. Em segundo lugar, fica o paraná (13,9%). Na sequência estão Ceará (13,3%), Minas Gerais (11,1%) e Mato Grosso (8,7%).

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

  1. Só não disseram quais são os maiores compradores desse feijão. Cuba? Venezuela? Nicarágua? Honduras? Países africanos? Há risco de mais calote como das outras vezes?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.