Fabricante brasileira de fertilizantes quer dobrar capacidade de produção

Verde Agritech planeja injetar quase R$ 300 milhões para construir nova unidade
-Publicidade-
Armazém de fertilizantes | Foto: Divulgação/CNA
Armazém de fertilizantes | Foto: Divulgação/CNA

A Verde Agritech anunciou o investimento de quase R$ 300 milhões na construção da terceira unidade da empresa, para produzir fertilizantes à base de potássio. As obras estão previstas para o início de 2023.

De acordo com Money Times, a companhia brasileira anunciou no início do mês novas metas de produção de potássio. O volume projetado mais que dobraria em comparação a 2021 e seria multiplicado por dois novamente no ano seguinte.

-Publicidade-

“Com a nova planta, a companhia terá, em 2024, condições de produzir até 16,4% da demanda nacional por potássio”, informou, em nota. “O projeto contempla outras fases de investimento, podendo chegar a 60% de todo o potássio de que o Brasil necessita”.

Atualmente, a Verde Agritech produz fertilizantes nas cidades de São Gotardo e Matutina, interior de Minas Gerais. Esses municípios se localizam, respectivamente, a 300 quilômetros e a 30 quilômetros da capital, Belo Horizonte.

“Espera-se que o capex da Planta 3 seja coberto pelo fluxo de caixa acumulado gerado pelas vendas até o segundo trimestre de 2023, sem necessidade de financiamento de capital ou dívida”, explica a empresa, sobre a origem dos recursos.

Faturamento com fertilizantes

Em 2021, a empresa vendeu cerca de 400 mil toneladas de fertilizantes e faturou quase R$ 120 milhões, conforme os dados do relatório do quarto trimestre. O desempenho de caixa da Verde Agritech teve um acréscimo próximo de 240% em relação a 2020. Em quilos, a quantidade vendida de produtos aumentou cerca de 65%.

A companhia destaca que 96% do consumo atual do cloreto de potássio do país é sustentado por importações, que se originam principalmente no Canadá, na Rússia e em Belarus.

Leia também: “Potássio para dar e vender”, reportagem de Artur Piva para a Edição 102 da Revista Oeste

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. É disso que estou sempre falando e mais, essa indústria e outras do ramo sendo incentivadas a produzir bem e mais, ajudarão a impulsionar o Brasil para as primeiras posições mundiais entre outras indústrias como a do Niobio, tirar da mão dos chineses a extração de silício e outros minerais. A inclusão dos indígenas no PIB nacional passa por esse processo de extração de minerais em suas terras qque é uma coisa que eles qquereme nós precisamos.

  2. Prezados senhores: necessito 666kg de fertilizantes para a minha horta, pode ser delivery? Sebastião McVeigh
    “We have not forgotten!”

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.