Nanopartículas: a iniciativa que quer livrar o Brasil da dependência de fertilizantes

Empresa de Indaiatuba (SP) leva ao mercado solução que pode oferecer ao país alternativa em luta estratégica do agronegócio
-Publicidade-
Raquel e Milton Bugs, o casal de biofísicos por trás da NanoMetallis, em Indaiatuba (SP)
Raquel e Milton Bugs, o casal de biofísicos por trás da NanoMetallis, em Indaiatuba (SP) | Foto: Divulgação

Foi preciso que a guerra na Ucrânia ameaçasse o comércio internacional de fertilizantes para o Brasil despertar para uma necessidade: é hora de contornar a dependência de importação da Rússia. Enquanto autoridades brasileiras buscam saídas — a curto, médio e longo prazo —, um laboratório no interior de São Paulo se candidata a oferecer uma colaboração inovadora por meio das nanopartículas.

Em Indaiatuba (SP), a NanoMetallis está levando ao mercado agro uma tecnologia baseada em nanopartículas de zinco sintetizadas em laboratório, que promete reduzir a necessidade de uso de fertilizantes tradicionais e de defensivos agrícolas.

Um nanômetro equivale a um bilionésimo de metro. Para perspectiva, uma folha de papel tem cerca de 100.000 nanômetros de espessura.

-Publicidade-

Esses fertilizantes podem ser aplicados nas plantas por meio da irrigação do solo ou pulverizados em suas folhas. Estudos sugerem que a aplicação de nanopartículas diretamente nas plantas é especialmente benéfica para o meio ambiente, com absorção mais eficiente e sem contato com o terreno, com eventual escoamento para rios, lagos e mananciais.

“O pessoal joga o fertilizante na terra, e a planta tem uma dificuldade imensa de captar. A maioria do produto vai embora. O que o nosso produto faz? O zinco entra dentro da planta e a estimula a captar tudo o que ela precisa da terra”, conta o biofísico molecular Milton Bugs, um dos responsáveis pelo projeto. “E a planta se protege, não pega fungicida, bactericida. E dá para comer, não é tóxico, a gente precisa de zinco.”

Segundo os desenvolvedores, os testes já efetuados em culturas diversas apresentaram eficiência de ‘99,99%’. A tecnologia também obteve êxito em setores como saúde animal, tintas e cosméticos. Pela ideia desenvolvida, o microfio de óxido de zinco entrega para o agricultor a função de imunonutrição, estimulando as defesas naturais da planta e resultando no aumento da produtividade em diferentes condições de estresse.

A empresa diz que o preço ao cliente vai depender de seu valor agronômico, ou seja, o que irá entregar para o produtor. No entanto, a NanoMetallis projeta cobrar um patamar ‘compatível’ com o que o mercado paga hoje em modelos convencionais, pensando que a tecnologia usa 25 gramas por litro de fertilizante, contra 700 a 1.000 gramas dos padrões já utilizados. A promessa de um valor competitivo também se dá devido à produção independente de importações.

Hoje, os fertilizantes convencionais do mercado, na categoria de derivados do cloreto de potássio (KCL), são negociados pouco acima de R$ 6 mil a tonelada, segundo a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja).

Convencendo produtores sem “robozinhos”

A tecnologia das nanopartículas aplicadas aos fertilizantes foi desenvolvida pelo casal Raquel e Milton Bugs, proprietários da NanoMetallis ao lado do investidor Sérgio Frota. Atualmente, o projeto se encontra em estágio de validação com produtores rurais de diferentes culturas.

Os idealizadores dizem que contam com parceiros relevantes do agronegócio brasileiro, mas ainda não podem divulgar seus nomes, por questões contratuais. A projeção é ver o produto no mercado no próximo ano, respeitando os tradicionais processos de validação de “mais de um ciclo” dos produtores.

“Quando se fala sobre nanotecnologia, a pessoa já tem aquela impressão de que é aquele robozinho correndo atrás da célula. Isso gerou um certo estranhamento inicial”, conta a biofísica molecular Raquel Bugs, sobre o início da conversa com produtores.

“A gente tinha de vencer a barreira do agricultor, que é uma pessoa geralmente desconfiada, com toda razão, que vai apostar tudo numa cultura. Passamos então a validar o produto com empresas, demora mais do que um ano. Geralmente, novos produtos são validados pelas empresas por dois ou três ciclos. Temos de dar esse prazo para as empresas.”

Em 2021, o Brasil pagou aproximadamente US$ 15 bilhões na importação de 45 milhões de toneladas de fertilizantes

O laboratório da empresa tem capacidade de produção de 4 toneladas por ano. “Pode parecer pouca coisa, mas para nanopartículas é um mundo, pode abastecer três ou quatro empresas de porte médio do país”, diz Milton Bugs.

A empresa diz que lida com a expectativa de os produtores saírem na frente em seus respectivos mercados com a adoção da tecnologia. No entanto, o estágio atual de implementação ainda envolve uma espécie de educação sobre o conceito das nanopartículas e seu potencial de economia.

“Essa é uma dificuldade que a gente tem com os produtores. Eles falam: ‘Vou buscar de caminhão’. Eu respondo: ‘Não precisa, são só 5 litros, pode vir buscar de carro’”, relata a biofísica Raquel Bugs.

Levar ao governo brasileiro

Atualmente, o governo brasileiro trabalha em alternativas de abastecimento de fertilizantes, tentando rever a dependência das importações russas, comprometidas pela guerra na Ucrânia.

Antes de deixar o cargo no fim de março, a ex-ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Tereza Cristina viajou ao Canadá para negociar importações. Marcos Montes, atual chefe da pasta, esteve recentemente em Jordânia, Egito e Marrocos, também para negociar acordos do insumo para o país, que tem estoques garantidos até outubro.

Atualmente, o Brasil é o quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo, atrás de China, Índia e Estados Unidos (8% do consumo global é brasileiro), sendo o potássio o principal nutriente utilizado pelos produtores nacionais.

Segundo dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos, mais de 85% dos insumos utilizados no país são importados — desse montante, 22% vieram da Rússia no ano passado. Em 2021, o Brasil pagou aproximadamente US$ 15 bilhões na importação de 45 milhões de toneladas de insumos do gênero.

Sérgio Frota é CEO da IM Ventures e recentemente se juntou ao projeto da NanoMetallis com um grupo investidor liderado por sua empresa. O empresário externa o desejo de levar a iniciativa ao conhecimento do governo brasileiro, depois que uma primeira fase de implementação estiver amadurecida.

“A gente quer abordar essa questão nacionalista. Em algum momento, a gente quer abordar o governo brasileiro, porque é uma discussão de interesse nacional. Neste momento nem discutimos como fazer isso, por uma questão de interesse industrial também, temos de nos proteger. Mas com certeza é um assunto que o governo está pensando o tempo todo, a gente pode ter um engasgo em termos de fertilizantes”, diz.

Atualmente, os fertilizantes representam 40% do custo de produção ao profissional do campo, segundo estimativa do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Em março, o governo lançou o Plano Nacional de Fertilizantes (PNF), conjunto de diretrizes na busca de redução de dependência estrangeira do setor até 2050. Quem sabe as nanopartículas possam ajudar a otimizar esse caminho.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

12 comentários Ver comentários

  1. ATENÇÃO PARA AS ESPECTATIVAS: UMA COISA É ABSORÇÃO E METABOLISMO DE MICRONUTRIENTES, E OUTRA A DE MACRONUTRIENTES( N, P, K, CA ,MG E S).
    TRADICIONAL E EFETIVAMENTE , ABSORÇÃO DE MACRONUTRIENTES DE DÁ PELAS RAIZES

  2. Eu li um artigo muito interessante de uma quimica sobre a atuação dos metais ni organismo. Ela focava numa janela de oportunidade, ou seja abaixo de um valor não tinha efeito nenhum, acima de um teto seria tóxico. No meio seria útil. É o caso da platina para combster o câncer, o ouro para certad infecções (sifilis). Chumbo causa a dança de São Vito, mercurio o Mal de Minamata ou vc fica louco como um chapeleiro.
    Algumas mulheres matam os maridos administrando pequenas qtds de ouro metálico na comida do infeliz.

  3. Parabéns a criatividade desses empreendedores brasileiros (estudiosos) que sensibilizados pelas dificuldades enfrentadas pelo agronegócio brasileiro diante da incômoda situação de comercialização de fertilizantes, partiu para a busca de soluções, inovadoras e com menores custos. Aguardamos ansiosamente o prosseguimento das pesquisas e experimentos que consagrem essa inovação para otimizar mais ainda o agronegócio brasileiro.

  4. Que níveis de zinco são admissíveis para consumo humano? Será que os alimentos não ficarão com excesso? Confio na tecnologia de nanopartículas, umas 3 fronteiras da medicina, segundo A Medicina da Imortalidade (Kurzweil e Grossman), mas devagar com o andor.

    1. O centrum ministra 7 mg por cápsula, vale dizer por dia. Acredito que a parte da planta que será ingerida tenha bem menos que isso. Óxido de Zn é ótimo, tem na Hipoglós, tem (ou tinha) no Leite de Rosas. Tremendo bactericida.

  5. Confusão muito grande sobre a necessidade de fertilizantes que devem fornecer nutrientes em grandes quantidades para atender o que é enviado para fora com as colheitas, principalmente os elementos N, P, K e S.
    Fornecer nutrientes em quantidades mínimas poderiam apenas funcionar como estímulo para a defesa e metabolismo e não vai substituir a necessidade de usar os fertilizantes necessários para fornecer nutrientes.

    Sem posicionar de forma clara e honesta, algumas propostas se equivalem a óleo de cobra!!!

    1. BINGO!
      Essa tecnologia nada mais é do quê uma espécie de “aditivo Bardhal grafite” para colocar no óleo do carro….lembram?!
      O CARRO AINDA VAI PRECISAR DO ÓLEO E DA TROCA.
      No corpo HUMANO eu sei que o Zinco é essencial para absorver as vitaminas…tem gente que enche o rabo de vitaminas, mas são deficientes em zinco;;RESULTADO!!
      As vitaminas ingeridas natural ou artificialmente sai tudo pelo ato de urinar….70% das vitaminas vaza.
      Usarem esse conceito da ação do ZINCO No reino animal para as Plantas?!
      Será verdade?! Ou só vai aumentar os custos como os tais aditivos para óleo do cárter da década de 80??

      1. Gostei muito da sua intervenção. Eu agora estou achando que este casal está mais pra Prof. Pardal, ou aquele cara que volta e meia aparece na tv mostrando como o carro pode andar com água.

      2. E ainda tem os caras que ingerem Zn mas não ingerem vitaminas….

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.