São Paulo inova e reduz queimadas na colheita de cana-de-açúcar

Estado pretende erradicar completamente essa prática até 2031
-Publicidade-
São Paulo é o maior produtor de cana-de-açúcar do Brasil
São Paulo é o maior produtor de cana-de-açúcar do Brasil | Foto: Reprodução/Redes sociais

O Brasil possui uma forte indústria de cana-de-açúcar, capaz de produzir cachaça, etanol e eletricidade em abundância. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), são mais de 8 milhões de hectares cultivados em todo o território nacional.

Embora os produtos derivados da cana-de-açúcar beneficiem parte considerável da população brasileira, seu processo de colheita sempre foi objeto de críticas. Algumas delas, pertinentes.

Por quê?

-Publicidade-

Os moradores das regiões onde há plantações de cana-de-açúcar sofrem com as queimadas, que são realizadas nos canaviais antes do corte manual da planta. Isso ocorre para facilitar a colheita, melhorar a segurança dos trabalhadores e aumentar o rendimento da atividade. Entretanto, esse processo emite uma espécie de fuligem, composta de até 95 tipos de partículas finas e ultrafinas, além de gases nocivos à atmosfera.

Na prática, isso pode ocasionar problemas respiratórios nos cidadãos.

Solução

Em 2002, após diversas reclamações dos moradores de São Paulo (o maior produtor de cana-de-açúcar do Brasil), as autoridades estaduais aprovaram uma lei em que determinaram a eliminação gradual das queimadas antes das colheitas nas três décadas seguintes.

De lá para cá, os produtores investiram em equipamentos que permitem cortar a cana sem queimá-la. Em parceria com o governo estadual, a indústria praticamente erradicou as queimadas em 2017. Essa prática continua a ser permitida apenas em regiões íngremes, onde a colheita com as máquinas é difícil. Ainda assim, as queimadas precisam ser abolidas até 2031.

Os resultados dessa medida são notáveis. As palhas da cana-de-açúcar, que anteriormente viravam fumaça, passaram a formar uma manta protetora sobre os campos — o que enriquece o solo. Algumas dessas palhas também são coletadas para gerar energia renovável.

“Não tenho dúvidas de que, hoje, ninguém quer voltar a queimar cana-de-açúcar”, afirmou Antonio de Padua Rodrigues, diretor técnico da Associação Brasileira da Indústria Canavieira, ao portal ProPublica.Org.

Exemplo para o exterior

Esse novo modelo de colheita pode servir de exemplo para o Estado da Flórida, nos Estados Unidos. A região sofre com as queimadas, assim como os paulistas sofriam com essa situação até o início dos anos 2000.

O leitor pode acompanhar a reportagem completa aqui.

Leia mais: “Como colher a passagem do tempo”, artigo de Evaristo de Miranda publicado na Edição 92 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.