Ajuste fiscal paulista pode gerar processos a Doria - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 out 2020, 14:24

Ajuste fiscal paulista pode gerar processos a Doria

26 out 2020, 14:24

Mudanças nas alíquotas de ICMS sem a necessidade de passar pela Assembleia Legislativa podem acabar judicializadas

joão doria, icms, ajuste fiscal, governo do estado de são paulo, pl 529, lei 17293

Alterações por decreto nas alíquotas do ICMS podem trazer onda de processos a Doria
Foto: Governo do Estado de São Paulo

A reforma tributária embutida na Lei nº 17.293/2020 — resultado do polêmico Projeto de Lei (PL) nº 529/2020 — ainda pode trazer muita dor de cabeça ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP).

O intuito de todo o projeto sempre foi claro: aumentar as receitas do Estado, que, segundo o governo, ficará deficitário em R$ 10,4 bilhões em 2021, em razão, sobretudo, das dívidas acumuladas no enfrentamento da pandemia de coronavírus.

Assim, a principal ferramenta disponibilizada nesse sentido na norma foi a nova regulamentação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), um tributo que incide sobre bens, mercadorias e serviços nos Estados e até mesmo sobre o que vem do exterior.

Constituição Federal x decreto do Executivo

Na lei criada pela gestão Doria, o ICMS passa a ser regulamentado por decreto do Executivo — portanto, de competência do governador do Estado. Entretanto, a Constituição Federal prevê, em seu artigo 155, que os benefícios fiscais do ICMS devem ser regulamentados por lei complementar, ou seja, por uma legislação em âmbito federal.

Para a advogada tributarista Silvana Visintin, o Executivo pode sofrer ações judiciais para contestar esse novo desenho legislativo que não está previsto na Constituição. “Essa lei autorizativa aprovada não confere poderes, a meu ver, para que o governo edite um decreto para tais alterações, sob pena de inconstitucionalidade”, afirma Visintin. A advogada ressalta ainda que, além da necessidade de regulamentação por meio de lei complementar, é preciso aprovação pelo Conselho de Política Fazendária (Confaz), mediante convênio ou protocolo, e formalização das regras por por lei específica estadual.

Primeiras mudanças no ICMS

No mesmo dia em que a Lei nº 17.293/2020 foi publicada, João Doria promulgou três decretos com mudanças no ICMS.

Num deles, o de nº 65.253/2020, subiram as alíquotas, que eram de 7%, para 9,4%, como no caso da bandeja com 30 ovos, e as que eram de 12% passaram para 13,3%, para usinas de energia elétrica e máquinas agrícolas por um prazo de 24 meses, a contar de 15 de janeiro de 2021.

Pela letra da lei, apesar do aumento — que deve levar o pagador de impostos a pôr ainda mais a mão no bolso —, as taxas estão dentro dos benefícios fiscais, visto que ainda ficaram abaixo dos 18%, que é a alíquota interna “normal” do ICMS no Estado de São Paulo.

“Nossa arquitetura constitucional determina que cada poder vai exercer uma atividade específica”, explica o professor de direito tributário da Universidade Presbiteriana Mackenzie Rodolfo Tamahana. “Só que nesse caso o Legislativo paulista delegou para o Poder Executivo a competência que a Constituição define ser do Poder Legislativo.” Com isso, o professor conclui que até mesmo membros da própria Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) podem contestar judicialmente as decisões tomadas pelo governador a respeito das alíquotas.

A insegurança jurídica trazida pelo fato de Doria poder editar um decreto a qualquer momento, sem aviso prévio e sem dar o tempo para tramitar o aumento pela Alesp, também faz Tamahana acreditar que empresários possam levar o Estado à Justiça para barrar a nova regulamentação do ICMS.

Promessa cumprida pela metade

Para aprovar o PL 529, o governador se comprometeu com os deputados da Alesp a não elevar o ICMS incidente sobre alimentos que compõem a cesta básica. Entretanto, o artigo 22 da nova lei autoriza o Executivo a aumentar a tributação por meio da extinção de benefícios fiscais. Hoje, os itens que figuram na cesta básica têm redução de carga tributária no Estado — ela é de 7%. A advogada Silvana Visintin explica que, caso haja impacto nos tributos desses itens, o Executivo pode devolver o ICMS a pessoas de baixa renda, nos moldes dos créditos da nota fiscal paulista, por exemplo.

Para o professor de direito tributário, a burocracia criada para conseguir o benefício deve levar os mais necessitados a desistir de obtê-lo. “Para as famílias que não são consideradas de baixa renda, então, ele já está deixando claro que a alíquota vai aumentar. É uma realidade.”

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês