Twitter derruba contas de Roberto Jefferson e jornalistas - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 24 jul 2020, 15:20

Alexandre de Moraes atenta novamente contra a liberdade de expressão

24 jul 2020, 15:20

Rede social suspende perfis após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF)

moraes

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes | Foto: FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

O ex-deputado federal Roberto Jefferson, os jornalistas Allan dos Santos e Bernardo Küster e outros 14 usuários brasileiros do Twitter estão impedidos de publicar conteúdos na rede social. O bloqueio temporário das contas, não só no Twitter, mas também no Facebook e Instagram, foi determinado na tarde desta sexta-feira, 24, pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do inquérito das fake news — que apura notícias falsas, ofensas e ameaças contra autoridades.

Leia mais: “Youtuber espalha fake news sobre a cloroquina

Além de derrubar as contas do ex-parlamentar e de profissionais da imprensa, a suspensão atinge contas administradas por empresários e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Dono da rede de lojas Havan, Luciano Hang está na lista de usuários suspensos do Twitter, assim como a ativista Sara Winter.

“Agiu estritamente em cumprimento a uma ordem legal”

Em sucinta nota, o Twitter explica que as 17 contas estão fora do ar apenas porque a empresa se viu obrigada a cumprir determinação judicial. “O Twitter agiu estritamente em cumprimento a uma ordem legal proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF)”, informa a equipe responsável pela rede de microblogs.

Leia também o artigo de J. R. Guzzo “A verdade sobre o STF”

A suspensão das contas foi definida de forma monocrática por Alexandre de Moraes. O ministro é quem está à frente do criticado inquérito das fake news que foi validado pelo STF no início do mês. Apesar da legalidade decidida pela Corte, a investigação é vista com maus olhos por juristas. Conforme relatado por Oeste, alguns deles afirmam que o órgão não poderia realizar esse tipo de trabalho.

Por quê?

Enquanto o Twitter se limita a informar que os perfis de Roberto Jefferson, dos dois jornalistas e dos demais envolvidos estão “retidos”, o STF ainda não forneceu mais detalhes a respeito da decisão. Sabe-se, no entanto, que os donos dos perfis suspensos são pelo menos citados no inquérito das fake news.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

14 Comentários

  1. Só “amigos” terão direito a liberdade de expressão e de Imprensa.

    Vide caso da Gazeta do POVO após serem incluídos no relatório da CMPI.

    Responder
    • Que absurdo!!! Esse senhor é um psicopata!! É preciso q se faça alguma coisa!!

      Responder
  2. O cerco está se fechando é resta saber agoea até onde estes atos ditatoriais irão chegar.

    Responder
  3. Me espanta é o silêncio do Presidente Bolsonaro sobre esta situação. Será que ele apoia esta censura em nome da “independência” dos 3 poderes? Estamos de olha, presidente… cuide da sua única base de apoio! Não a atire aos leões!

    Responder
  4. Se eu fosse manda chuva do Twitter,me mandava do Brasil.
    STF o que e fake news.?
    Resposta: O que eu não gostar.

    Responder
  5. Quando vai aparecer alguém raçudo para colocar um basta nas decisões monocráticas desse ditadorzinho do essetêefe?

    Responder
  6. Quem pode parar esses absurdos?

    Responder
    • Só as Forças Armadas, caro Marcelo. Aos poucos estou perdendo a confiança nelas. O essetêefe faz o que bem entende, e as FAS ficam vendo a banda passar.

      Responder
  7. Amigos. Essa democracia tupiniquim não nos oferece nenhuma ferramenta de desapego a desmandos de qualquer um dos poderes. Estamos condenado a viver(ou sobreviver) nessa ridículo redoma de questiunculas absurdas em nome de um Estado democrítico de Direito que não nos dá direito nenhum. É o paradoxo brasileiro: democracia para quem precisa de polícia. Policia para quem precisa de democracia.

    Responder
  8. Amigos. Essa democracia tupiniquim não nos oferece nenhuma ferramenta de desapego a desmandos de qualquer um dos poderes. Estamos condenados a viver(ou sobreviver) nessa ridícula redoma de questiunculas absurdas em nome de um Estado democrático de Direito que não nos dá direito nenhum. É o paradoxo brasileiro: democracia para quem precisa de polícia. Policia para quem precisa de democracia.

    Responder
  9. Ate quando os militares vao assistir isso silenciosamente nossas forças armadas se acovardaram em nome dessa falsa democracia

    Responder
  10. Esse ditador faz o que quer c/a anuência da imprensa comunista ,a OAB Petista e os Militares vão ficar olhando esse protetor de corruptos???

    Responder
  11. A estratégia (se é que tem alguma) do Cabeça de Ovo é equivocada e desesperada. Mostra que precisa usar a força (ilegalmente) para esconder e se proteger e se antagoniza com a parte da população que consegue raciocinar.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês