-Publicidade-

Amapá volta a sofrer com apagão

Maioria dos municípios do Estado registra falta de energia elétrica

A maioria dos municípios do Estado registra falta de energia elétrica

amapá
Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Ano novo, antigos problemas. Na tarde desta quarta-feira, 13, parte do Amapá voltou a sofrer com falta de energia elétrica. De acordo com a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), 13 dos 16 municípios do Estado registraram apagão elétrico por volta das 16 horas.

Leia mais: “Investimento em energia solar avança mais de 50% no Brasil”

A CEA informa que a ocorrência de hoje “não tem relação com problemas de distribuição”. A causa do apagão da vez teria sido, conforme divulgou a companhia em nota divulgada na internet, uma falha em uma linha de transmissão presente nos arredores da capital, Macapá. Com tal constatação, a CEA aguarda explicações oficiais por parte do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), que ainda não se manifestou.

Mantida pela espanhola Isolux, a empresa Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE) confirmou o problema desta quarta-feira. A LMTE, que administra uma subestação de energia no Amapá, afirmou que a situação foi resolvida. Segundo comunicado, todos os equipamentos estão operando corretamente.

Problema em 2020

A falta de energia elétrica na maior parte do Amapá não é algo inédito. Em novembro de 2020, boa parte do Estado da Região Norte ficou sem luz — situação que fez com que a eleição em Macapá fosse adiada.

Leia também: “O que esperar da política energética e mineral”, entrevista com o ministro Bento Albuquerque publicada na Edição 42 da Revista Oeste

-Publicidade-
Envie-nos a sua opinião, sugestão ou crítica! Fale conosco
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês