Apagão no Amapá: um Estado sem 'força' - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 6 nov 2020, 22:24

Apagão no Amapá: um Estado sem ‘força’

6 nov 2020, 22:24

Estado pobre e fronteiriço sofre com um dos maiores apagões desde os anos 2000 no país — mas, desta vez, em meio a uma pandemia também longe da luz

Apagão no Amapá | Gabriel Penha/Estadão Conteúdo

Nas ruas de Macapá, no coração do Amapá, um pequeno Estado do Norte do país no platô das Guianas, uma frase é recorrente nos últimos quatro dias entre os vizinhos de rua: “Chegou a força por aí?”. A resposta é imediata: “Não, não tem força aqui ainda não”. Embora “força”, na mais conhecida acepção da palavra, seja algo que vem de berço forte para quem nasce neste velho Brasil, desta vez, “força” é uma simples alusão ao linguajar popular para luz no teto. Há quatro dias, 13 dos 16 municípios do Amapá sofrem com a falta de energia elétrica.

De acordo com fontes oficiais, um incêndio em uma subestação na noite da terça-feira 3 apagou quase todo o território, atingindo 700 mil habitantes — num total de quase 1 milhão de pessoas. Nesta sexta-feira, 6, o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, afirmou que o restabelecimento pode levar até dez dias.

Para além dos discursos oficiais, o jovem Estado — oficializado às rédeas da Constituição de 1988 —, reduto eleitoral do atual presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM), vive um drama real.

Segundo relatos coletados pela equipe da revista Oeste, os moradores estão atônitos nas ruas à procura de energia para recarregar os telefones celulares — alguns já esgotaram a própria bateria do carro. Leia-se: enquanto nas redes sociais pulsava a eleição no maior país do planeta sobre delegados da Pensilvânia ou da Geórgia, um amapaense pedia ajuda ao amigo da padaria. Outros recorreram ao shopping center e até ao aeroporto. As reservas de comida apodrecem a cada dia nas geladeiras sem a luz dos que não têm padrinhos.

Pior: a falta de energia provocou também queda de abastecimento de água nas áreas mais periféricas em meio à pandemia do coronavírus.

“Está faltando água em quase todos os bairros de Macapá porque não há energia”, afirmou Joseline Martins, recepcionista do Hotel Amapá, em Macapá, ao repórter de Oeste Artur Piva. Segundo ela, a rede hoteleira registra lotação máxima em razão do apagão. Os hóspedes procuraram o estabelecimento porque foram comprados geradores de energia elétrica que asseguram luz aos que passam pelo check-in.

Mas é na casa de Joseline Martins que a gente começa a entender o Brasil. “Infelizmente, a comida que ainda sobrou a gente salga para manter”, relatou. “Já a maioria dos alimentos…”

A Força Aérea Brasileira (FAB) fez decolar nesta semana um Hércules C-130 e um KC-390 Millenium para Macapá. Ambos carregavam geradores destinados a assegurar o funcionamento dos hospitais em meio à pandemia do desassossego — o Estado registra 751 mortes pela covid-19 ou com a covid-19.

“As Forças Armadas transportarão 51 toneladas de materiais que serão utilizados emergencialmente para restabelecer o fornecimento de energia elétrica no Amapá. As aeronaves transportarão máquinas de purificação de óleo e geradores. A missão, que começou nesta sexta-feira, deve terminar no próximo sábado”, informou em nota o Ministério da Defesa.

Força Aérea envia geradores ao Amapá | Foto: Agência Brasil

O fato é que nenhum dos aviões — e nem poderia — ergueu voo com toneladas de alimentos, combustível, suprimentos de primeiros socorros nem, menos ainda, com empregos.

O Amapá ainda é uma espécie de capitania hereditária dos Sarney — mas, que, agora, passou para as mãos de David Alcolumbre. Há até quem diga que o Brasil tem jeito, mas o Amapá, não. Aí será possível entender o apagão.

Há duas décadas, o senador maranhense José Sarney, eleito, mais de uma ou tantas vezes, pelo Amapá, onde mantinha uma residência de veraneio sem uso, publicou algo pela Gráfica do Senado que vai além do seu compilado de poemas Marimbondos de Fogo (obra que, na avaliação de Millôr Fernandes, era “um livro que, quando você larga, não consegue mais pegar”).

Naquele documento do Senado, impresso à época com dinheiro público de Brasília, suas 263 páginas  versam sobre o Estado à procura de luz. Intitula-se Amapá: a Terra Onde o Brasil Começa (clique aqui se tiver coragem de ler). Na última linha, eis a síntese no fio do bigode: “O Amapá será um Estado forte e pioneiro na Amazônia”. Isso foi escrito há 20 anos. O Amapá segue sem luz.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Bota a culpa no Bolsonaro batoré!

    Responder
    • A pergunta que não quer calar e está se diferenciando em diferentes jornais, revistas e blogs…
      A distribuição de energia elétrica no Amapá está sendo concretizada pela estatal que pertence ao Amapá (Companhia de Eletricidade do Amapá – CEA) ou a organização privada espanhola (Isolux Corsán)?

      Responder
  2. Não precisa dizer mais nada, por si só a própria escuridão a tudo ilustra. E, por incrível que pareça, o Amapá é um Maranhão piorado.

    Responder
  3. É possível ser pior que o Maranhão, esse filhotinho da constituição de 88 ? Poderiam privatizar esse Estado todo ou alterar o nome para Calamidade !

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês