Após pandemia, economia global não será a mesma

Em 9 ago 2020, 21:00

Após pandemia, economia global não será a mesma

9 ago 2020, 21:00

Essa crise seguirá um caminho semelhante ao da última, mas será pior, proporcional à escala e ao alcance do colapso da atividade econômica global

economia

Foto: Gerd Altmann/Pixabay

A pandemia da covid-19 representa uma ameaça única para a população mundial. Embora este não seja o primeiro surto de doença a se espalhar pelo mundo, é o primeiro que os governos combateram com tanto vigor.

Esta é a avaliação dos economistas Vicent e Carmen Reinhart em artigo publicado pela revista norte-americana Foreign Affairs.

Eles destacam que, para financiar medidas de saúde pública, governos de todo o mundo empregaram poder de fogo econômico em uma escala raramente vista antes.

Embora tenha sido apelidada de “crise financeira global”, a recessão iniciada em 2008 foi em grande parte uma crise bancária em 11 economias avançadas.

Apoiados pelo crescimento de dois dígitos na China, altos preços de commodities e balanços fracos, os mercados emergentes se mostraram bastante resistentes às turbulências da última crise global. A atual desaceleração econômica é diferente.

LEIA MAIS: A ESQUERDA QUER A VOLTA DA TERRORISTA SHAMIMA AO REINO UNIDO

A natureza compartilhada desse choque – o novo coronavírus não respeita as fronteiras nacionais – colocou uma proporção maior da comunidade global em recessão do que em qualquer outro momento desde a Grande Depressão.

Como resultado, a recuperação não será tão robusta ou rápida quanto a desaceleração. E, finalmente, as políticas fiscais e monetárias usadas para combater a contração mitigarão, em vez de eliminar, as perdas econômicas.

A pandemia criou uma contração econômica maciça que será seguida por uma crise financeira em muitas partes do globo, à medida que empréstimos corporativos não produtivos se acumulam ao lado de falências.

Essa crise seguirá um caminho semelhante ao da última, mas será pior, proporcional à escala e ao alcance do colapso da atividade econômica global e atingirá famílias e países de baixa renda com mais força do que os mais ricos.

De fato, o Banco Mundial estima que 60 milhões de pessoas globalmente serão empurrados para a extrema pobreza como resultado da pandemia. Como resultado, pode-se esperar que a economia global funcione de maneira diferente.

Em sua análise mais recente, o Banco Mundial previu que a economia global encolherá 5,2% em 2020.

A incidência da doença não igual pelo mundo. O número de novos casos diminuiu primeiro na China e em outras partes da Ásia, depois na Europa e depois muito mais gradualmente em partes dos Estados Unidos (antes de começar a aumentar novamente em outras).

Algumas economias importantes estão agora reabrindo, fato refletido na melhoria das condições de negócios na Ásia e na Europa e em uma reviravolta no mercado de trabalho dos EUA.

Esses sinais, no entanto, não devem ser confundidos com uma recuperação. Em todas as piores crises financeiras desde meados do século XIX, foram necessários em média oito anos para que o PIB per capita retornasse ao nível pré-crise.

Com níveis históricos de estímulo fiscal e monetário, pode-se esperar que os Estados Unidos se saiam melhor, mas a maioria dos países não tem capacidade para compensar os danos econômicos da covid-19.

A recuperação em andamento é o começo de uma longa jornada para fora de um buraco profundo.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Coronavírus

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês