Aras nomeia ex-diretor da Abin de Lula para comissão do MPF

Edição da semana

Em 12 ago 2020, 13:05

Aras nomeia ex-diretor da Abin de Lula para comissão do MPF

12 ago 2020, 13:05

Wilson Roberto Trezza ficou à frente da agência por oito anos, até impeachment de Dilma Rousseff, em 2016

wilson roberto trezza, augusto aras, pgr, mpf, lula, dilma rousseff, abin

Aras nomeia ex-diretor da Abin de Lula | Foto: Palácio do Planalto

O procurador-geral da República, Augusto Aras, escolheu o ex-diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) Wilson Roberto Trezza para integrar o Ministério Público Federal como colaborador eventual da da Comissão de Preservação da Autonomia do órgão.

Trezza ficou à frente da Abin por oito anos, durante uma parte do governo de Luiz Inácio Lula da Silva e, depois, nos dois governos de Dilma Rousseff, até o impeachment dela, em 2016.

A nomeação está publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 12.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Deus nos proteja com este PGR e com o Mendonça! Não sei qual dos dois é mais sorrateiro.

    Responder
  2. Nota 7 e meio pra cima!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

    Responder
  3. Não sei se vão me chamar de velhinho(75) sonsinho, mas me parece boa estratégia ter um ex Abin da Dilma como informante. Faz sentido ou estou sonsinho mesmo?
    Afinal, o Aras foi indicado por Bolsonaro, esta devidamente observando o esquisito Moro que traiu Bolsonaro, e também faz sentido Aras querer saber o que contem nos mais de 38 mil cadastros oferecidos pelo COAF à força tarefa de Curitiba. Sera que não houve seletividade nas investigações?. Alguém lembra do procurador Marcelo Miller assistente do Janot, que trabalhava também como advogado da JBS na delação PREMIADÍSSIMA?. Ficou impune? Vamos ver, mas o importante mesmo é torcer para o país sair dessa somatória de crises, fiscal, sanitária, politica e social, e que nosso parlamento urgentemente REVOGUE a PEC da BENGALA, para que possamos mandar para casa, os idosos com mais de 70 anos do STF, Rosa Weber, Lewandowsky, Marco Aurelio e Celso de Mello. Não entendo a incompreensão do Congresso, que não enxerga esse trabalho desumano e quase escravo desses ministros e de serem tão enxovalhados nessa avançada idade.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Supremas safadezas

Como os ministros do Pretório Excelso, o promotor da minha infância se julgava onipresente, onisciente e onipotente

A Suprema Corte e o abuso do poder

Quando juízes se tornam “superlegisladores”, as instituições se fragilizam e a sociedade perde a fé no sistema democrático

David Hume cancelado

Está em curso uma espécie de eugenia intelectual que conta com a simpatia ou covardia de reitores e professores de prestigiadas universidades internacionais

Vacina contra ditadura

Na ONU, Trump fez o que todo mundo com juízo deveria ter feito — e não fez, sabe-se lá por que mistério das escrituras empáticas

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

E chegamos à era dos ciborgues

Teremos nosso potencial mental multiplicado e nossas ações serão, literalmente, rápidas como o pensamento. O que faremos com esse novo poder?

Os intelectuais e a sociedade

Intelectuais ignoram que há mais sabedoria na população em geral do que num indivíduo qualquer, por mais inteligente que ele seja

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês