Argentina sofre derrota depois de credores negarem proposta de renegociação - Revista Oeste

Edição da semana

Em 5 maio 2020, 12:57

Argentina sofre derrota depois de credores negarem proposta de renegociação

5 maio 2020, 12:57

Dívida pública é de US$ 65 bilhões; caso não haja consenso entre as partes, o país pode entrar em default pela nona vez

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente Cristina Kirchner
Foto: NICOLÁS ABOAF/CASA ROSADA

Os três principais detentores de títulos públicos da Argentina rejeitaram ontem a proposta do governo federal para renegociar o vencimento de juros da dívida externa, que vencem nesta sexta-feira (22), no valor de US$ 503 milhões.

No total, o país deve US$ 65 bilhões (o equivalente a R$ 361 bilhões).

No mês passado, os peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner propuseram aos credores três anos de moratória no serviço da dívida externa. Pediram, ademais, desconto de 62% sobre o total de juros e de 5% sobre o estoque de dívida.

Contudo, receberam a resposta de que esse planejamento impõe “perdas desproporcionais”. Na visão dos credores, o prejuízo que terão não é justificado e nem necessário. O Ministério da Economia da Argentina deu até sexta-feira 8 para renegociarem o acordo.

Caso não haja consenso entre as partes, que demonstram intransigência, o país pode entrar em default pela nona vez (na área de economia, esse termo significa o não cumprimento da cláusula de um contrato de empréstimo por parte do devedor). Em bom português: calote.

O primeiro caso argentino de “levar e não pagar”  foi registrado em 1827. O mais recente em 2014, durante o segundo mandato de Cristina Kirchner à frente da Casa Rosada.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 Comentários

  1. Grandes governantes que tem a Argentina. Chamem o Doria, o Mantega, a Dilma para explicar o que se passa, o Lula e sua sabedoria de botequim, o Ciro pra dar porrada, o FHC pra falar bobsgens e o resto da galera pra resolver !

    Responder
    • 👤👤👸👹🚜🕴

      Responder
      • Tá resolvido

        Responder
    • O populismo de esquerda nunca falha…em falhar.

      Responder
  2. E´so chegar um peronista no governo que o default e´quase automatico!
    O que me preocupa e´o Bergoglio. Ele abençou o poste da KK – favoravel ao aborto(!) – mandou Mons.Sorondo rezar Missa para ele (!) e ¨ pediu ¨ para os credores dos¨ caloteiros empedernidos ¨ que mitigassem nas cobranças.
    Apropo´, o Sorondo – o¨ chanceler¨ – vem costurando um acordo de submissão ao governo de Pequim mesmo com a demonstrada protervia contra os Cristãos chineses.( tem cronistoria suficiente para consultar)
    So falta agora o Bergoglio atuar para que o Vaticano entre em default!

    Responder
  3. Tranquilo. Lá tem gestores de “primeira linha”. Coitada da Argentina.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O crime acima de todos

Não é que as instituições estejam funcionando mal, ou passando por alguma anomalia — ao contrário, elas são organizadas de maneira a tornar inevitáveis resultados como o que beneficiou André do Rap

O “cancelamento” contra a arte

Caso a sociedade se submeta a essa versão gourmetizada do stalinismo, nossos filhos e netos não terão o que ler, ouvir ou assistir

A segunda onda de hipocrisia

Em que pesem as comprovações de ineficácia dos lockdowns, enganadores como Emmanuel Macron fingem ter um mapa de bloqueio de contágio

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

O capitalismo pode salvar o mundo?

O sistema não é uma ideologia de laboratório, como o comunismo. É uma força viva, dinâmica, que há milênios se aperfeiçoa na satisfação das necessidades humanas

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês