Articulação do governo volta a ser contestada no Congresso após envio da MP 927 - Revista Oeste

Em 23 mar 2020, 13:29

Articulação do governo volta a ser contestada no Congresso após envio da MP 927

23 mar 2020, 13:29

A articulação política do governo voltou a ser contestada. Depois de o Executivo encaminhar a Medida Provisória (MP) nº 927, que abre brecha para a suspensão de contratos de trabalho durante quatro meses, a cobrança retornou aos patamares ‘pré-coronavírus’. O clima é semelhante ao da polêmica votação dos vetos ao Orçamento impositivo.

O Palácio do Planalto é acusado por líderes partidários de enviar projetos ao Congresso sem dialogá-los antes. O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, mantém conversas com os parlamentares, a ponto de ter definido na última semana a agenda para liberar R$ 8 bilhões em emendas impositivas.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, no Twitter, que decidiu revogar o artigo 18 da MP 927. O dispositivo a suspensão do contrato de trabalho durante quatro meses. As críticas, contudo, ainda permanecem. Antes mesmo de ele adotar a medida, líderes acusavam que o governo articula quando lhe convém.

A agenda de combate ao coronavírus, acusam líderes, não vem sendo transparente pela articulação política, pelos ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e da Economia. “As reuniões deveriam estar ocorrendo entre os ministros principais, Mandetta e o Guedes, e líderes de todos os partidos. Não por questão de ideologia partidária, mas para ter certeza absoluta que, o que definir, será votado no dia seguinte”, sustentou um líder do principal bloco da Câmara.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias