As ações do Ministério da Defesa no combate ao coronavírus - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 21 ago 2020, 11:00

As ações do Ministério da Defesa no combate ao coronavírus

21 ago 2020, 11:00

Em entrevista a Oeste, o secretário-geral do Ministério da Defesa, almirante Almir Garnier, fala sobre as realizações de sua secretaria durante a pandemia

O secretário-geral do Ministério da Defesa, almirante Almir Garnier | Foto: Divulgação

A farda com as quatro estrelas em cada um dos ombros do almirante de esquadra Almir Garnier simboliza parte de toda a responsabilidade que ele carrega nos ombros. A metáfora é válida para o cargo chefiado por ele no governo Bolsonaro, de secretário-geral do Ministério da Defesa, o “02” da pasta.

Se o ministro Fernando Azevedo e Silva é o responsável por coordenar as três Forças Armadas e dar a palavra final nas principais decisões da pasta, boa parte das ações são executadas por Garnier. Em entrevista a Oeste, o almirante de esquadra fala sobre as ações de sua secretaria durante a pandemia. Um dos principais legados é a nova roupagem da Base Industrial de Defesa (BID): as empresas desse segmento passaram a produzir insumos para o combate ao coronavírus. A seguir, alguns trechos da entrevista:

O senhor, na prática, coordena a Base Industrial de Defesa (BID). Neste período de pandemia, muitas empresas desse setor passaram a produzir insumos para o combate ao coronavírus. Como se deu esse processo?

Sim, indiretamente, por meio da Secretaria de Produtos de Defesa. Começou quando o governo determinou o Estado de emergência [4 de fevereiro]. Dois dias depois, se não me engano, o ministro [da Defesa, Fernando Azevedo e Silva] me ligou e falou: “Garnier, vamos ver o que nossa base industrial pode fazer para ajudar nesse esforço”. Houve uma reunião ministerial que eu estava presente e o ministro da Saúde [Luiz Henrique Mandetta] mostrou as dificuldades que poderiam vir pela frente com base no que se tinha de conhecimento naquela época. E essas dificuldades pareciam de toda ordem.

Como as empresas passaram a atuar?

O Ministério da Saúde realçou dificuldades mais sofisticadas, como os tais ventiladores pulmonares, os respiradores, para estados mais graves. Mas, também, realçou outras preocupações, como equipamentos de proteção individual, para equipes de saúde que atuam na linha de frente com os doentes, equipamentos de proteção individual (EPIs), equipamentos de uso individual, álcool em gel, que haviam sumido das prateleiras. Sobre remédios, falou-se muito de cloroquina, mas aumentamos a capacidade de produção de outros remédios, para febre, por exemplo. O que se poderia produzir? Nossa base industrial tem alta tecnologia, então, seria capaz de fazer algumas coisas importantes, e fez.

Poderia dar exemplos de como as empresas atuaram?

As federações de indústrias ajudaram muito. O Senai/Cimatec, da Bahia, por exemplo, foi um dos primeiros a se engajar. Disseram: “Podemos consertar respiradores que não estejam funcionando”. Vários hospitais tinham esses tais ventiladores pulmonares parados, e algumas manutenções eram razoavelmente simples. A Associação Brasileira da Indústria Química disse que produziria álcool em gel. A WEG, que fabrica compressores, pegou a patente e os direitos de comercialização e produção de outra empresa e começou a produzir respiradores. A Embraer começou a ajudar a fazer componentes específicos que eram críticos para os tais respiradores. A Avibras juntou pool de empresas da cadeia de suprimentos deles e começou a produzir EPIs. Em pouco tempo, a indústria estava com oferta muito grande e que permitiu que aquelas importações que começaram a dar problemas fossem substituídas por produção, reconfiguração ou até manutenções.

Em caso de uma nova pandemia, as Forças Armadas e o ministério estariam prontos para enfrentar?

Sim, os militares sempre fazem planejamentos e analises pós-ação para melhor atuar em uma próxima missão. Estamos sempre prontos para contribuir e servir, está em nosso DNA. Se nós, hoje, com o conhecimento que ganhamos a duras penas, conhecimento sobre a própria doença, à custa de vidas, à custa de sofrimento da nossa população, fôssemos começar de novo, certamente faríamos melhor.

Como está a distribuição da cloroquina produzida pelo laboratório farmacêutico do Exército?

O Ministério da Defesa não destina remédio para ninguém, a não ser para os nossos hospitais, das nossas Forças. Quem dá destinação de remédio, de insumos médicos hospitalares é o Ministério da Saúde, que pediu que tivéssemos uma produção adicional para outros usos que não os nossos regulares, que é grande nas nossas fronteiras e em regiões fora do pais. Então, houve um aumento de produção [da cloroquina] no laboratório farmacêutico do Exército, em um momento inicial, mas não ficou produzindo a mais do que o necessário.

Politizaram o remédio?

Acho que sim. Tem debates sobre isso todos os dias, com estudos pró e contra. Obviamente, quem decide o que vai ser ministrado é o médico, com a concordância do seu paciente. Me parece muito importante os médicos disporem de opções de fármacos que possam, numa necessidade especifica, salvar aquela vida.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Esfrega essa reportagem na cara do boca de sapo!!!!

    Responder
  2. Trabalho excelente.
    Forças Armadas sempre dedicadas ao país.

    Presidente e equipes estão bem demais.

    Responder
  3. Que entrevista serena de um militar a serviço da saúde pública nesta grave pandemia que a CIÊNCIA tanto polemiza sem saber enfrentar. Pior, com intuitos políticos a grande imprensa e autoridades de outros Poderes da República verdadeiramente maus brasileiros, denigrem a imagem dos militares no Ministério da Saúde.
    Parabéns a revista oeste, que espero um dia estar na liderança de grandes veículos de comunicação. Imprensa que analise e apresente os fatos e não versões incendiárias dos atuais grandes veículos de comunicação tradicional, que produzem verdadeiras FAKE NEWS em seus próprios EDITORIAIS. Parabéns também às Forças Armadas que demonstram competência para estar atuante em todos os conflitos, acidentes, tragédias, infraestrutura, saúde e segurança da nossa sociedade.

    Responder
  4. Criticam os militares por inveja! Sabem que são competentes, cultos e instruídos. Ao contrário de alguns dos governos anteriores.

    Responder
  5. A elite brasileira, a mídia,os pseudo intelectuais e parte da população brasileira devem muitas desculpas as nossas forças armadas. Homem como o Almirante de Esquadra Almir Garnier, que conheço desde quando tenente, é um dos milhares de profissionais competentes das nossas forças armadas que deixam suas famílias e abrem mãos das suas vidas em prol da sua pátria. Parabéns pela serenidade, visão social e geopolítica.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês