“As pessoas têm toda a razão em desconfiar das elites” - Revista Oeste

Revista

“As pessoas têm toda a razão em desconfiar das elites”
Thomas Frank fala sobre seu novo livro, 'The People, No', e por que o populismo pode ser uma força para o bem
20 nov 2020, 04:50

Populismo se tornou um palavrão. Cada vez mais, é usado pelas elites para descrever movimentos políticos de que não gostam, em especial aqueles que são populares entre o público mais amplo. Sem conseguirem explicar de nenhuma outra forma as recentes revoltas democráticas desde o Brexit até Donald Trump, essas elites caracterizam suas derrotas humilhantes como resultado da manipulação de eleitores ingênuos por demagogos sinistros. Mas, quando apresentam essas revoltas populares como as agitações ignorantes dos pobres incultos, elas ignoram a história radical e democratizante do populismo.

O mais recente livro do historiador Thomas Frank, The People, No: A Brief History of Populism (O povo, não: uma breve história do populismo), conta essa história democrática. Frank conversou sobre o tema com o editor-chefe da revista Spiked, Brendan O’Neill.

BRENDAN O’NEILLEm seu livro, você descreve a persistência do antipopulismo. Somos constantemente alertados sobre o populismo autoritário”, os idiotas, as massas iletradas, que são apresentados como ameaça à democracia. Mas a verdade é o oposto. Os antipopulistas — as pessoas que quiseram anular a maior votação democrática na história da Inglaterra, o Brexit, ou anular a eleição de Trump em 2016 — é que são a ameaça. Você destaca que os antipopulistas contemporâneos não se veriam como os capitalistas dos anos 1890 ou 1930, ou os racistas de Jim Crow da década de 1950. No entanto, eles têm algo bem importante em comum. Eles vêm da classe dominante e estão tentando defender sua autoridade contra as revoltas das classes mais baixas. Ainda que reconheça que o antipopulismo mudou com o tempo, você estabelece uma linha explícita entre a reação antipopulista dos anos 1890 e a dos anos 2020.

THOMAS FRANK — Sim, com algumas ressalvas. Não acho que Trump seja populista — eu o considero um demagogo e uma fraude. Os Estados Unidos têm uma tradição de demagogos e de fraudes. Reagan fez uma performance populista muito boa, assim como Bill Clinton e também o movimento Tea Party. Mas tudo pareceu desenvolvido em laboratório — de tão maligno. O antipopulismo estava e ainda está lá, e ele hoje envenena qualquer tentativa de construção de uma oposição de fato a Trump e ao trumpismo.

As pessoas que desprezam e denunciam o populismo representam a classe dominante. Foi criada uma casta que é definida por onde seus membros são formados e pelo desempenho deles lá. Para eles, os Estados Unidos são o país das maravilhas, e o resto de nós fica para trás. Cada vez mais, eles se identificam com os democratas. Eu nem deveria dizer “cada vez mais” — está feito. A mudança foi feita. O Partido Democrata é o partido dessas elites administrativas, de colarinho-branco, dessa classe de profissionais. Aonde quer que você vá em bairros muito abastados dos Estados Unidos que costumavam ser republicanos, todo mundo está se tornando democrata. Os antipopulistas usam o termo populismo para descrever o que desprezam. Todos deixam de fora o fato de os especialistas terem estragado bastante as coisas ultimamente. É possível escrever um livro inteiro sobre o fracasso da elite. Está diante de você e acontece o tempo todo. No entanto, eles nunca reconhecem isso. Vamos pensar na Guerra do Iraque e na bolha dos subprimes. Vamos pensar no colapso de Wall Street — foram as pessoas mais espertas ali que fizeram isso.

Meu exemplo favorito de fracasso da elite é a campanha de Hillary Clinton em 2016, coordenada pelos consultores políticos com a melhor formação nos Estados Unidos. Sua campanha foi muito mais bem financiada que a de Trump. Houve um encontro de tribos da elite que foram contra o candidato mais odiado da história dos Estados Unidos — Donald Trump. A campanha dele foi comandada por Steve Bannon, que nunca tinha administrado uma campanha política antes, quanto mais uma campanha presidencial. E a máquina do Partido Democrata perdeu para esse cara! Foi como um mestre do xadrez ser derrotado por um jogador do time da escola. Foi absolutamente esmagador.

O momento do Brexit foi bem parecido com muitas das coisas que você descreve em seu livro. Na corrida para o referendo em 2016, toda instituição supostamente especializada estava praticamente de joelhos implorando ao povo britânico para votar no Ficar. Teve o efeito previsível de fazer com que as pessoas refletissem sobre como tinham visto esses especialistas errar e prever coisas que não aconteceram. As pessoas sentiram que os experts tendem a defender os próprios interesses, em vez dos nossos.

As pessoas têm todo o motivo para desconfiar das elites. Não sei como eu teria votado no Brexit, porque não vivo no Reino Unido. Mas lembro do FMI emitindo um alerta para a população britânica dizendo para não ousar votar a favor. Sinto muito — se o FMI me diz para fazer uma coisa, sei muito bem que vou fazer o contrário.

Quero voltar a um momento hilário em 1936, depois de outra reunião das tribos da elite. Elas tinham se juntado e se voltado contra Franklin D. Roosevelt, e perderam de forma impressionante. Os jornais se uniram contra Roosevelt, foram para cima dele com tudo e perderam. Depois que a poeira baixou, as pessoas refletiram sobre o que tinha dado errado. Uma das coisas que notaram foi que Roosevelt foi melhor nas cidades onde não havia um único jornal do lado dele. Ou seja: a unanimidade da elite afastou as pessoas. Existe uma lição para os nossos tempos que parecemos incapazes de aprender.

Quando estava lendo seu livro, pensei na Guerra Civil Inglesa dos anos 1640. O movimento radical Leveller foi descrito por Oliver Cromwell — ele mesmo bastante radical — como uma tentativa de atiçar a grosseria das multidões contra a sentimentalidade da elite”. Então, nos anos 1700, veio John Wilkes, um grande guerreiro pela liberdade de imprensa, e a reação contra ele. E houve o movimento cartista e as sufragistas, e tudo o que você descreve no livro nos Estados Unidos nos anos 1890 e 1930. Nos últimos trezentos ou quatrocentos anos, um argumento bem parecido foi defendido: as elites sabem o que é melhor, e a grande esperança das pessoas comuns é a democracia representativa, porque ela é bem mensurada e temperada. Qualquer coisa mais direta e exigente é sempre denunciada como estupidez em massa ou ignorância. Você é otimista quanto à possibilidade de esse preconceito antipopulista ser combatido ou transformado?

É aqui que eu rompo com o populismo. O populismo assume um tipo de otimismo que eu simplesmente não tenho. Um dos grandes heróis de meu livro, Lawrence Goodwyn, foi um historiador que escreveu sobre o populismo. Para resumir, é muito difícil. É por isso que esses movimentos são tão raros. Uma das coisas que ele disse é que você precisa praticar o que chamou de paciência ideológica. A razão é porque está trabalhando com pessoas simples — pessoas que não chegaram à universidade. Elas não conhecem o jargão. Você não pode simplesmente usar o jargão policial com elas, estalar o chicote e esperar e voltem para a fila.

Não conheço ninguém que queira praticar a paciência ideológica hoje. Estamos no que chamo de utopia da reprimenda. As pessoas acham que, se repreenderem, riscarem da lista e cancelarem todos os demais, vão vencer algum tipo de competição cósmica. Não faz sentido para mim, porque não é assim que se constrói um movimento.


Brendan O’Neill é editor da Spiked e apresentador do podcast The Brendan O’Neill Show. No Instagram: @burntoakboy.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Bom, o entrevistador falou tanto ou mais que o entrevistado, mas tudo bem…
    A entrevista, embora brevíssima, até interessante… (por ser curta demais é difícil captar toda linha argumentativa do autor).

    Responder
  2. Se eu fosse rico seria um rico diferente, passaria rindo o tempo todo, feliz da vida. Rico chorar pra que? E reclamar de que? E essa história de se indispor com os supostos ignorantes também? Os ricos e famosos é que deveriam possuir alguma maestria para entendê-los, porque eles, por natureza, não devem estar dispostos a isso não. Entretanto, me parece que anda acontecendo o contrário. Já entenderam qual é o pulo do gato.

    Responder
    • Os ricos deveriam aprender com o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Mas parte considerável (para não dizer a maior) parte dos hierarcas e pastores da Santa Igreja renunciaram evangelizar os ricos e preferem hoje sustentar o evangelho de Marx com a luta de classes e suas variantes. Vão longínquos os tempos em que curas como Jean-Baptiste-Joseph Languet de Gergy (bit.ly/3nOttMH), Jean Baptiste Vianney ou o pároco da minha infância proclamavam o verdadeiro Evangelho sem fazer acepção de pessoa, para a salvação das almas (de ricos e pobres) e maior glória de Deus.

      Responder
  3. Com efeito, disputar uma competição cósmica de exercício da virtude por meio do cancelamento das coisas e pessoas divergentes é o caminho para lugar algum.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês