Assembleia Legislativa do Rio define hoje 'impeachment' de Witzel

Edição da semana

Em Em 23 set 2020, 11:47

Assembleia Legislativa do Rio define hoje ‘impeachment’ de Witzel

23 set 2020, 11:47

Governador já está afastado, mas, se impedimento for aprovado, pode sofrer processo por crime de responsabilidade

wilson witzel, impeachment, votação, alerj, governador, afastamento

Já afastado, Wilson Witzel pode ser definitivamente retirado do cargo de governador em 120 dias
Foto: Agência Brasil

O futuro político do governador afastado Wilson Witzel (PSC) começa a ser traçado nesta quarta-feira, 23, pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Histórico

O processo de impeachment de Witzel será levado a plenário depois de uma longa disputa jurídica que começou ainda em junho, quando, em sessão simbólica, o presidente da Casa, André Ceciliano (PT), pôs em votação a abertura da ação. O resultado foi unânime pelo início do processo. 

A partir daí, os advogados de Witzel tentaram de todas as maneiras travar o andamento do impeachment: levaram a questão ao Supremo Tribunal Federal (STF) e tiveram ganho de causa por medida liminar, concedida pelo então presidente e ministro Dias Toffoli.

Contudo, com o fim do recesso do Judiciário, o ministro Alexandre de Moraes revogou a ação dos defensores do então governador e o processo pôde voltar a correr.

Em 28 de agosto, porém, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) pediu o afastamento de Wilson Witzel após delações demonstrarem o envolvimento dele em esquemas de corrupção na área da saúde até antes de ser eleito governador.

Na semana passada, a comissão formada por deputados estaduais aprovou, novamente por unanimidade, o relatório de Rodrigo Bacelar (Solidariedade) que defendia a continuidade da ação na Alerj.

O que acontece agora

“A assembleia do Rio segue os mesmos ritos que o Congresso Nacional”, explica a advogada especializada em direito penal e ex-juíza federal do Tribunal Federal da 3ª Região (TRF-3) Cecília Mello. “Hoje é votada a admissibilidade do processo. Se ele for admitido, o governador teria de ser afastado, mas ele já está, pelo STJ, e há uma redução de um terço de seus vencimentos.”

De acordo com a advogada, um tribunal misto formado por deputados e desembargadores terá 120 dias para concluir o processo.

Caso realmente sofra impeachment, Wilson Witzel perde o foro privilegiado e passa a responder pelos crimes que venha a ter cometido na Justiça comum. “Se houver esse entendimento da Justiça, ele pode até mesmo ser preso preventivamente”, esclarece Cecília.

Cabe lembrar que o presidente do PSC, Pastor Everaldo, o ex-secretário de Saúde do Rio Edmar Santos, o ex-secretário adjunto de Saúde Gabriell Neves e os empresários Mário Peixoto e Edson Torres estão presos pelo esquema de corrupção desmantelado no governo de Witzel. A chance de o Rio de Janeiro ter seu sexto ex-governador preso parece ficar maior a cada dia.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Pobre carioca.
    No entanto, colhe o que planta.

    Responder
    • Tenho vergonha de ser carioca. Mas veja, a cidade com grande número de funcionários públicos,-ainda- e de estatais, tinha que dar nisso. A fusão só aumentou a desgraça, com o advento da política da bica d’água.

      Responder
  2. Witzel foi com sede ao pote. Isso é mortal, principalmente em política.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês