Ata do Copom prevê inflação de 2,1% para este ano - Revista Oeste

Edição da semana

Em 22 set 2020, 11:20

Ata do Copom prevê inflação de 2,1% para este ano

22 set 2020, 11:20

Em 2021, o índice deve fechar o ano em 2,9% e, em 2022, em 3,3%, de acordo com as estimativas do Banco Central

IPCA, inflação

Foto: Steve Buissine/Pixabay

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medida oficial da inflação do Banco Central (BC), deve fechar 2020 em 2,1% num cenário híbrido, isto é, com a taxa básica de juros (Selic) variável e câmbio frente ao dólar fixo.

Para o cálculo das estimativas, o  BC utilizou taxa de câmbio constante em R$ 5,30/dólar.

A informação está na ata do Comitê Monetário (Copom) do BC liberada nesta terça-feira, 22.

Na última quarta-feira, 16, o grupo se reuniu e manteve a Selic em 2%, a menor taxa básica de juros da história, após nove cortes consecutivos.

Para 2021, o IPCA deve ficar em 2,9% e, em 2022, em 3,3%, ainda segundo a ata.

Para o curto prazo, o BC prevê uma leve alta da inflação, devido ao crescimento temporário nos preços dos alimentos e à “normalização parcial dos preços de alguns serviços”, com a retomada da atividade e a redução do confinamento social.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês