'Honestidade de propósito'. É o que Augusto Heleno espera da oposição

Edição da semana

Em 28 set 2020, 21:38

Augusto Heleno espera ‘honestidade de propósito’ da oposição

28 set 2020, 21:38

Ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República fala das ações do governo federal

augusto heleno - gsi - entrevista - honestidade de propósito

O ministro Augusto Heleno durante entrevista à rádio Jovem Pan | Foto: Reprodução/YouTube

É do jogo em democracias que os agentes do poder contem com críticos. O que não pode é que opositores atuem para combater melhorias para um país ou nação, por exemplo. Ao menos essa é a visão do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, general Augusto Heleno.

Leia mais: “Quando a turma indicada pelo PT deixará o STF?”

O integrante do governo federal sinaliza que a oposição ao presidente Jair Bolsonaro caminha pelo segundo exemplo. Ele fala em “inverdades” propagadas sobre a região amazônica. “É preciso ter honestidade de propósito”, afirmou o ministro em entrevista à edição desta segunda-feira, 28, de Os Pingos nos Is. O programa da rádio Jovem Pan conta com participações dos jornalistas Augusto Nunes e Guilherme Fiuza, colunistas da Revista Oeste. “[Fazer algo diferente disso] é ofensa à democracia”, pontuou Heleno.

Brasil em guerra?

No sentido de falar em falta de “honestidade de propósito” por parte da oposição, Augusto Heleno negou quaisquer intenções do governo brasileiro em iniciar ataque contra a Venezuela. Boatos nesse sentido chegaram a ser ventilados após a visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, ao Brasil na última semana. “Não pretendemos realizar nenhuma ação armada contra a Venezuela”, enfatizou o ministro-chefe do GSI.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Já era!
    Esperar responsabilidade, de anos e anos formando adultos infantilizados, é loucura.
    Deixamos chegar a esse ponto, não há como distorcer ou tornar novamente elástico o que já plastificou!
    Culpa nossa, das características ingênuas e/ou alienadas do povo brasileiro, que permitiu a Lei da Anistia e o retorno de todos marginais que já haviam tentando esse caos no País nos idos anos 60.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês