Vacina da Oxford: número de voluntários para testes vai dobrar no Brasil - Revista Oeste

Edição da semana

Em 15 set 2020, 20:45

Vacina da Oxford: número de voluntários para testes vai dobrar no Brasil

15 set 2020, 20:45

Idosos com mais de 70 anos serão priorizados nessa nova fase

vacina, aztrazeneca, oxford, coronavac, covid-19, coronavírus

Desenvolvimento da vacina da Oxford progride bem
Foto: pearson0612/Pixabay

Mais 5 mil voluntários poderão participar da testagem brasileira da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford. Nesta terça-feira, 15, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou o incremento que dobra o número de participantes nos testes. Com essa permissão, o país terá 10 mil voluntários na última etapa de testes do imunizante desenvolvido pela universidade em parceria com a farmacêutica AstraZeneca.

Na terceira fase do estudo, a prioridade será dada aos idosos com mais de 70 anos — na fase anterior, essa faixa etária foi incluída tardiamente. “É importante que eles sejam testados porque, se a vacina sair, a gente certamente vai dar prioridade aos idosos. Eles vão ser o público-alvo da vacinação”, explica Lily Weckx, coordenadora do Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie/Unifesp), responsável por liderar o estudo da vacina da Oxford no Brasil.

Leia também: “Vacina da Oxford não foi causa de reação adversa em paciente”

O perfil dos voluntários elegíveis para o estudo é o mesmo: profissionais da saúde e trabalhadores que desempenham funções em áreas de risco, exceto menores de 18 anos.

Os recrutados virão dos centros de estudo já existentes em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. Também serão abertos três novos centros de testagem: um em Porto Alegre, um em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, e o outro em Natal, capital do Rio Grande do Norte. Nos próximos três meses, o imunizante deverá ser aplicado nos voluntários, que “ainda ficarão sendo acompanhados por um ano”, explica a coordenadora da Unifesp.

A retomada dos testes no Brasil

Interrompidos na terça-feira 8, os testes da vacina de Oxford foram retomados ontem no Brasil. O laboratório AstraZeneca, que desenvolve os estudos globais em parceria com a universidade britânica, emitiu um comunicado no sábado 12, que Oeste repercutiu.

.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Duvido alguém perguntar a mesma coisa p o teste da vacina da China, acho q até o calça apertada vaza.

    Responder
  2. 22.IX.2020
    Astra Zeneca, mais dois casos que tiveram graves efeitos colaterais com a vacina .
    ????????

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

As piores eleições do mundo

A cura para a desgraça que são as eleições brasileiras é um conjunto de meia dúzia de providências simples como a tabuada

EUA — O que está em jogo

Em confronto, duas visões antagônicas sobre temas como geopolítica e comércio internacional, impostos e saúde, clima e energia, China e Oriente Médio

Meio ambiente é causa conservadora

Conservadores não podem se eximir da responsabilidade e reforçar a ideia de que preservação ambiental é pauta da esquerda

O plebiscito dos mentecaptos

Acaba o auxílio emergencial, mas começa a campanha emocionante do Ricardo Barros pelo plebiscito — e emoção é alimento espiritual

Nova Constituição para quê?!

Uma Carta ruim como a nossa deve ser reformada, e não anulada para que outra seja escrita. Essa é a solução conservadora

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O pai, o filho e o deboche

O pai, o filho e o deboche

A ideia geral de que não se deve praticar certas coisas em público, porque “pega mal”, parece caminhar rapidamente...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 32 — 30/10/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês