Bancada da bala vai procurar Bolsonaro e insistir com Ministério da Segurança - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 5 jul 2020, 09:35

Bancada da bala vai procurar Bolsonaro e insistir com Ministério da Segurança

5 jul 2020, 09:35

Parlamentares se articulam para convencer o presidente da República a agilizar as discussões sobre a criação do Ministério da Segurança Pública

sargento fahur - pl das fake news

Deputado federal Sargento Fahur (PSD-PR) é membro da bancada da bala
Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

A criação do Ministério da Segurança Pública não é uma questão de “se”, mas “quando”. Pelo menos no que depender da Frente Parlamentar da Segurança Pública, a conhecida bancada da bala, a pasta será criada cedo ou tarde. Os parlamentares sabem que essa é uma vontade do presidente Jair Bolsonaro e vão procurá-lo pessoalmente.

O responsável pelos estudos da criação da pasta é o ministro-chefe da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira. Em 4 de junho, ele recebeu lideranças da bancada da bala para discutir o assunto (veja abaixo). Em um mês, completado neste sábado, 4, as conversas não avançaram. Pelo contrário, congressistas alegam que a pauta travou, conforme Oeste publicou.

Argumento

A estratégica, agora, é continuar em contato com Oliveira, mas, também, procurar diretamente Bolsonaro. Deputados da bancada da bala se movimentam para buscar uma nova reunião com o presidente e reforçar a ele a importância técnica e política de se criar o ministério.

O argumento técnico é que a pasta vai ajudar a coordenar as polícias nos estados e dar, assim, mais segurança à população. A análise política é baseada o potencial de agregar um maior apoio de parlamentares para a base do governo. As duas coisas, ponderam deputados, justifica a despesa marginal que possa vir a ter.

Operações

O deputado federal Sargento Fahur (PSD-PR) é um dos que participa das conversas com o governo. O parlamentar reconhece que há uma discussão sobre despesas, mas ele avalia que as próprias operações policiais terão condições de ressarcir. Ele usa como exemplo as missões em fronteiras.

Oeste mostrou que a atuação policial nas fronteiras é benéfico até para os cofres públicos. Só nas divisas, no acumulado de 60 dias até o fechamento delas — em decorrência do coronavírus —, o Estado evitou R$ 57 milhões de perdas aos cofres públicos. No mesmo período seguinte, o valor foi de R$ 60,4 milhões. Um aumento de 5,9%.

Produtividade

A criação do ministério pode, assim, otimizar a atuação das polícias em todo o país e elevar a produtividade nas fronteiras e além. Por isso, Fahur sustenta que o ministério é imprescindível para atender a população e cumprir uma promessa de campanha do próprio governo. “A intenção da minha parte e da maioria dos deputados da bancada da bala é fornecer mecanismos para apoiar as polícias e salvar vidas”, destaca.

O deputado lembra a conversa que teve com Bolsonaro e Oliveira. “‘Põe no papel o que precisam e vamos ver’, disse o presidente a nós”, sustenta Fahur. As conversas continuam, mas não na aceleração desejada. “Só não estão em ritmo melhor, mas elas continuam. Inclusive, estudamos meios e mecanismos para ter o mínimo de ônus possível aos cofres públicos”, ressalta.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês