Benny Gantz é contra anexação de territórios palestinos - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 18 jun 2020, 11:35

Benny Gantz é contra anexação de territórios palestinos

18 jun 2020, 11:35

Benny Gantz é o ministro da Defesa e um dos principais nomes da coalizão do governo de Israel

Benny Gantz

O ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz | Foto: Cpl. Ori Shifrin/ IDF

O ministro da Defesa de Israel e um dos principais nomes da coalizão do governo, Benny Gantz, afirmou ser contra a proposta de anexação de territórios palestinos.

“Antes de tomar qualquer medida, precisamos garantir que todos os especialistas sejam ouvidos. Em qualquer cenário, eu não vou apoiar a anexação de áreas com populações palestinas para evitar atritos”, disse Gantz, informa o jornal israelense The Jerusalem Post.

“Tenho certeza que o primeiro-ministro não vai jogar fora o tratado de paz que possuímos com a Jordânia e a parceria estratégica que temos com os EUA por conta de um movimento irresponsável”, adicionou.

Em sua proposta de paz, Donald Trump propõe que áreas com populações palestinas permaneçam com a soberania palestina. Isso criaria enclaves palestinos dentro de Israel e enclaves israelense dentro de um Estado Palestino. Isso pode criar muitos problemas, especialmente na região do Vale do Jordão.

Conforme o plano, Israel poderia tomar o controle de até 30% da Cisjordânia, incluindo de assentamentos que são administrados atualmente por forças militares. Embora Natanyahu queira logo anexar essas regiões, está encontrando resistência em seu próprio governo.

Os EUA esperam que essa anexação seja apoiada por Gantz, a fim de mostrar apoio ao plano de Trump no governo de Israel.

De acordo com a imprensa israelense, Netanyahu apresentou um plano de anexação para Gantz e outras autoridades do país nesta quinta-feita.

Uma aliança difícil

Benny Gantz e Benjamim Netanyahu foram adversário em três eleições em menos de 2 anos, com nenhum conseguindo a maioria necessária para formar um governo.

Após a última eleição em 2 de março, os dois adversários surpreenderam e anunciaram a formação de um governo de união nacional. As negociações foram difíceis e duraram meses, conforme publicou a Oeste.

O governo, liderado por Netanyahu, tomou posse no dia 17 de maio. Como acordado, Netanyahu permanece como primeiro-ministro até o final de 2021, quando Gantz assume o governo de Israel.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês