Bolsas da Europa têm pior dia desde junho com ameaças de ‘lockdown'

Edição da semana

Em Em 28 out 2020, 09:50

Bolsas da Europa têm pior dia desde junho com ameaças de ‘lockdown’

28 out 2020, 09:50

França entrará em isolamento a partir da meia-noite, enquanto o primeiro-ministro da Inglaterra é pressionado a tomar medida no país

mercado financeiro, europa, lockdown, frança, reino unido, boris johnson, estados unidos, democratas, joe biden, eleições americanas 2020, risco, dólar, petróleo, reformas, agências de risco, congresso, copom, selic, inflação

França volta ao lockdown à meia-noite | Foto: Roberta Ramos/Revista Oeste

A subida vertiginosa do número de infectados pelo coronavírus na Europa faz com que alguns países já voltem a ameaçar a retomada dos lockdowns, isolamentos totais da população em casa. A França, por exemplo, já adotará a medida a partir da meia-noite e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, está sendo pressionado a também adotar a medida.

Contudo, as restrições extremas podem impor uma parada brusca ao retorno econômico na Europa. E isso faz com que as bolsas europeias tenham nesta quarta-feira, 28, seu pior dia desde junho, com quedas em alguns momentos de até 3%.

Nos Estados Unidos, onde uma segunda onda da covid-19 também começa a se avizinhar, a preocupação é com uma possível vitória nas eleições do democrata Joe Biden. O democrata avisou que deve usar o lockdown na tentativa de conter o vírus, mesmo que a medida não tenha se mostrado a melhor alternativa para deter a disseminação da doença. Lá, as bolsas também caem, ainda que menos.

Com a aversão ao risco e a corrida dos investidores por segurança, o dólar sobe e o petróleo despenca quase 4%, já que, com isolamentos, ninguém deve usar meios de transporte movidos a combustíveis fósseis.

No Brasil, o atraso das reformas no Congresso traz preocupação quanto a um possível rebaixamento do país pelas agências de risco, o que pode fazer com que os investidores retirem recursos aqui aplicados.

Hoje também é finalizada a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC). Que a taxa básica de juros deve ser mantida em 2%, todos já sabem. A dúvida recai sobre a questão da cautela que pode ser solicitada pelo comitê a respeito da inflação. Afinal, o último boletim Focus, do próprio BC, aponta uma estimativa de aumento da inflação para o próximo ano, de 2,65% para 2,99%.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. O mundo inteiro sob ataque comunista, sempre falimentar, contracultural e genocida.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês