Bolsonaro assina decreto que define direito à vida desde a concepção

Edição da semana

Em Em 28 out 2020, 09:20

Bolsonaro assina decreto que define direito à vida desde a concepção

28 out 2020, 09:20

Brasil aliou-se a outros países em ofensiva contra o aborto

bolsonaro

Medida consta no Diário Oficial da União | Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Na terça-feira 27, o presidente Jair Bolsonaro assinou uma diretriz para garantir a proteção à vida desde a concepção, bem como os direitos do nascituro. A medida consta na Estratégia Federal de Desenvolvimento para o Brasil no período de 2020 a 2031. Trata-se de um decreto que estabelece um planejamento de longo prazo para o qual os diferentes órgãos do governo deverão considerar “as diretrizes, os desafios, as orientações, os índices-chave e as metas-alvo”.

O artigo n° 5 do documento, publicado no Diário Oficial da União, garante o “direito à vida, desde a concepção até a morte natural, observando os direitos do nascituro, por meio de políticas de paternidade responsável, planejamento familiar e atenção às gestantes”. Recentemente, o governo brasileirou aliou-se aos Estados Unidos e a outros países para patrocinar uma declaração política contra o aborto e em defesa da família tradicional.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Por favor, listem os países aliados.

    Responder
    • Os 5 países co-patrocinadores do pedido foram Brasil, Estados Unidos da América, Uganda, Indonésia e Hungria, e esses outros assinaram também: Bahrain, Bielorrússia, Benin, Burkina Faso, Camarões, República Democrática do Congo, República do Congo, Djibouti, Egito, Suazilândia, Gâmbia, Georgia, Haiti, Iraque, Quênia, Kuwait, Líbia, Nauru, Níger, Omã, Paquistão, Polônia, Arábia Saudita, Senegal, Sudão do Sul, Sudão, Emirados Árabes Unidos e Zâmbia.

      Responder
  2. Defender o direita do indivíduo a vida é o mínimo que o Estado tem que fazer!
    Parabéns Bolsonaro e equipe!

    Responder
  3. Notícia maravilhosa que ataca em cheio a escória comunista, eterna defensora da morte, da miséria e do atraso. Lutar contra o comunismo e toda a sua agenda grotesca, de horrores sem fim, é uma luta de famílias, de tradições seculares que conduziram a humanidade ate aqui e que precisa da resposta das pessoas de bem. Omissão não é uma opção! Permaneçamos unidos. Para esmagar o comunismo não precisa de esforço, basta dizer a verdade e não lhes permitir posição de conforto em lugar nenhum.

    Responder
  4. Ao Cristyan, jornalista desta matéria, peço que contate Ana Paula Henkel. Faz algum tempo, numa entrevista dela com Rodrigo Constantino nos EUA, ela falou sobre o transtorno pós aborto, já bastante documentado nos EUA, mas muito restrito no Brasil. Gostaria muitíssimo de receber todo o material possível sobre este importante tema para ampla divulgação no Brasil. Por favor, ajude, use meu email, no cadastro de vcs. Obrigado.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês