Bolsonaro pede para 'não correr' com vacina - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 out 2020, 11:20

Bolsonaro pede para ‘não correr’ com vacina

26 out 2020, 11:20

Para evitar atropelos da ciência, o presidente defendeu o uso da cloroquina como opção de tratamento antes da aprovação de um imunizante

Vacina

Presidente comentou questão da vacina com apoiadores no Alvorada
Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, 26, que não se deve correr para produzir a vacina contra a covid-19. Durante conversa com apoiadores, o chefe do Executivo reforçou ser demorado o processo de produção de um imunizante e citou o caso mais rápido na produção de uma vacina, contra a caxumba, que durou quatro anos.

Como sugestão, Bolsonaro defendeu o uso de hidroxicloroquina, ivermectina ou nitazoxanida para o tratamento de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus. “O que a gente tem que fazer aqui é não querer correr, não querer atropelar, não querer comprar dessa ou daquela sem nenhuma comprovação ainda. A gente aguarda, para melhor poder falar sobre esse assunto, a publicação disso numa revista científica”, disse o presidente.

“Eu dou minha opinião pessoal. Não é mais barato e fácil investir na cura do que na vacina? Ou jogar nas duas, mas também não esquecer a cura. A cura aí… eu, por exemplo, sou um testemunho. Eu tomei a hidroxicloroquina, outros tomaram ivermectina, outros tomaram Annita, e deu certo. E, pelo que tudo indica, todo mundo que tratou precocemente com uma dessas três alternativas foi curado”, assegurou.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Tiraram o comentário do Presidente do contexto para produzir falsas criticas. O contexto correto foi de que não precizamos correr para comprar uma vacina qualquer, deve-se comprar uma vacina efetiva. O jornalismo sério morreu ! O jornalixo é a prática corrente !

    Responder
    • Jornalixoa querem desgraças, atitudes totalitárias e abusivas, quarentenas e toques de recolher para vender notícias ruins, pois notícia boa e cura, não vendem notícias. O típico hornalixo é o que este pretenso repórter tenta fazer !

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês