Auxílio emergencial: Bolsonaro promete mais três parcelas - Revista Oeste

Em 25 jun 2020, 22:01

Bolsonaro promete mais três parcelas do auxílio emergencial

25 jun 2020, 22:01

Presidente da República afirma que os valores estão sendo estudados por ele e pela equipe econômica comandada pelo ministro Paulo Guedes

auxílio emergencial - bolsonaro - guedes

Auxílio emergencial será estendido, mas valores ainda serão definidos | Foto: AGÊNCIA BRASIL

A fim de auxiliar a população que se viu prejudicada pela pandemia da covid-19 no Brasil, o presidente da República, Jair Bolsonaro, anunciou a extensão do auxílio emergencial por mais três meses. A garantia foi feita por meio de transmissão online na noite desta quinta-feira, 25. Os valores, contudo, ainda não estão confirmados.

Leia mais: “Secretário-geral da ONU fala em ‘reconstruir’ o mundo com ‘economias mais sustentáveis’

Ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, Bolsonaro indicou que as próximas parcelas do auxílio emergencial deverão, juntas, somar R$ 1,2 mil. Dessa forma, o valor mensal de R$ 600 não prosseguirá. Conforme ressaltado pelo presidente, será necessário “partir para uma adequação”. De acordo com informações da Agência Brasil, ele chegou a falar em R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

Com a possível diminuição do valor mensal, Bolsonaro diverge do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). No último fim de semana, o parlamentar usou as redes sociais para defender a manutenção da quantia de R$ 600 “por mais dois ou três meses”, conforme noticiou Oeste. Ele não explicou, no entanto, como o Executivo faria para manter esse benefício ativo.

Cerca de 60 milhões de pessoas são atendidas pelo programa do governo federal, sobretudo trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados. Dessa forma, a prorrogação dos R$ 600 por mais um trimestre teria custo de aproximadamente R$ 108 bilhões.

“[A economia] começa a andar novamente”

Guedes, por sua vez, declarou que a diminuição do valor do auxílio emergencial é consequência da retomada econômica. “Estávamos em R$ 600, o auxílio, e à medida que a economia começa a se recuperar, e começa a andar novamente, as pessoas vão devagar se habituando [com a redução do valor]”, disse.

Flexibilização

Bolsonaro aproveitou o tema retomada econômica levantado pelo ministro da Economia para, por fim, pedir a flexibilização das atividades em todos os Estados e municípios do Brasil. “A gente apela aos governadores e prefeitos, com a responsabilidade que é pertinente de cada um, que comecem a abrir o mercado, abrir para funcionar”, afirmou o presidente da República.

Assista à live

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Maia foi “cabestrado”. Como é pau mandado, o centrão rachou. Deus nos livre de tempos como os passados. Até o STF viu oportunidade de legislar e executar. NÃO PODE. É INCONTISTUCIONAL. Por uma única razão: Togados ñ foram eleitos p povo. Então, evidentemente, é um herro grave soltar foguetes em cima daquela casa de mãe Joana. Mesmo q ñ tenha ninguém trabalhando naquele bordel durante a pandemia.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias