Hidroxicloroquina: Bolsonaro valoriza eficácia do remédio

Em 6 ago 2020, 20:10

Bolsonaro sobre eficácia da hidroxicloroquina: ‘Sou a prova disso’

6 ago 2020, 20:10

Presidente da República afirma que medicamento hidroxicloroquina deu certo na luta dele contra a covid-19

bolsonaro - hidroxicloroquina

Bolsonaro exibe caixa de hidroxicloroquina durante transmissão ao vivo | Foto: REPRODUÇÃO/YOUTUBE

O uso da hidroxicloroquina para tratamento contra a covid-19 voltou a ser discutido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. Em transmissão on-line realizada na noite de hoje ao lado do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, ele voltou a enfatizar que tomar o remédio deu certo — pelo menos no caso dele.

Leia mais: “Pfizer começa a testar vacina contra a covid-19”

Nesse sentido, Bolsonaro relembrou que tomou hidroxicloroquina durante um período que se seguiu ao  diagnóstico da doença provocada pelo novo coronavírus. Recuperado, o presidente enalteceu a eficácia do medicamento, que já é há anos prescrito para pacientes com malária e lúpus, por exemplo.

“Sou a prova”

“Para mim, deu certo [ser medicado com hidroxicloroquina]. Sou a prova disso”, disse Bolsonaro durante a sua live semanal divulgada nesta quinta-feira em redes sociais. Ele afirmou que ao menos três de seus ministros que contraíram covid-19 também tomaram ou estão tomando o medicamento: Onyx Lorenzoni (Cidades), Milton Ribeiro (Educação) e Jorge Oliveira (Secretaria-Geral).

Comprovação científica

Ciente de que o medicamento divide opiniões entre os integrantes da área de saúde, Bolsonaro ressaltou que é preciso ter a indicação médica, mas pontuou que a questão de não esperar a “comprovação científica” pode salvar vidas. Dessa forma, ele lembrou que na Guerra do Pacífico, sem dispor de soro fisiológico, combatentes foram medicados com água de coco. “Se fosse esperar a comprovação científica…”, afirmou o presidente, que teve a resposta de seu ministro da Saúde: “…iria morrer muita gente”.

Por fim, Pazuello pediu que o uso da hidroxicloroquina, ou qualquer outro medicamento contra a covid-19, não seja motivo de discussão política. Ele reforçou que decisões de médicos devem ser consideradas “soberanas” pela população em geral.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 Comentários

  1. É um tratamento que se for precoce salva vidas. Há milhares de observações clínicas em todo o mundo q atestam a eficácia do tratamento precoce.
    Por políticagem, negaram o tratamento com HCQ a milhares de pessoas, muitas delas morreram por isso. Espero q os responsáveis sejam identificados e severamente punidos.

    Responder
    • Eu sou médico e caso fosse infectado tomaria. Mas é preciso frisar que não há ainda comprovação científica definitiva. Existem sim muitos experimentos em vários centros com bons resultados.Destaque-se Didier Raoult de Marselha.

      Responder
      • Não só o do Dr. Raoult, de Marselha. No Brasil a Prevent Senior e a Unimed do estado do Pará salvaram milhares de vidas ao adotar o protocolo.

        Responder
  2. Porto Feliz também

    Responder
  3. Tenho 100% de certeza que funciona no início da infecção. Negar o tratamento é genocídio explícito.

    Responder
  4. O grande problema do Brasil sempre foi e sempre será a politica.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Coronavírus

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês