Anvisa cancela permissão de spray nasal israelense contra a covid-19

O produto tinha indicações de ser 'altamente eficaz', porém, farmacêutica não entregou estudos clínicos
-Publicidade-
O produto tinha autorização para ser vendido a partir de fevereiro no Brasil
O produto tinha autorização para ser vendido a partir de fevereiro no Brasil | Foto: Divulgação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) cancelou a permissão para importação e comercialização do spray israelense Taffix. A resolução foi publicada no Diário Oficial da União nesta quarta-feira, 19.

Segundo a Anvisa, o produto — que seria importado pela farmacêutica Belcher — tinha, inicialmente, alegações de ser “altamente eficaz” no bloqueio de vírus respiratórios, incluindo o Sars-Cov-2, causador da covid-19.

No entanto, a agência informou que “não foram apresentados estudos clínicos que comprovem a eficácia do produto”. Por isso, a Anvisa decidiu pelo cancelamento imediato do aval.

-Publicidade-

Spray nasal

Taffix é o nome do produto israelense fabricado pela empresa Nasus Pharma. Ele teria a capacidade de bloquear o vírus dentro da cavidade nasal.

A previsão era de que o produto chegasse ao Brasil em fevereiro.

A Anvisa havia aprovado a solicitação da farmacêutica Belcher no final de dezembro, autorizando o registro do produto.

Aval da Anvisa

O aval dado pela Anvisa ao spray nasal consistia em uma notificação, espécie de permissão para fabricação, importação e comercialização de medicamentos e produtos considerados de baixo risco.

O regime de notificação faz com que o medicamento não precise passar por uma análise técnica prévia da agência. Ao serem comercializados, eles também ficam isentos da necessidade de prescrição médica para serem adquiridos.

Porém, quando não são apresentados estudos capazes de mostrar a eficácia do medicamento para o fim alegado, a notificação do mesmo é cancelada — o que aconteceu com o Taffix.

Leia também: “Covid para sempre”, artigo de J.R. Guzzo publicado na edição 95 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

11 comentários Ver comentários

  1. É impressionante como a ANVISA afasta do cidadão qualquer chance de cura da COVID! É uma agência que presta desértico ao cidadão brasileiro! Uma lástima!

  2. Spray nasal, ozônio no cú, cloroquina, remédio pra piolho e pra verme. Esses bozoloides inventam cada uma, enquanto 90% dos internados nas UTis são pessoas que não se vacinaram. Se continuar assim não vai sobrar nenhum eleitor do Bozo vivo

    1. Primeiro que quando o cara fala bozo eu já tenho absoluta certeza que ele dá o canéco com força, segundo que vc não passa de um delinquente mentiroso ao afirmar que 90% dos internados por covid não tomaram a vacina o que não passa de uma fake news proferido por um vagabundo como vc, ou seja, quem tiver um pouquinho de ânimo pesquise o quê o diretor da Unimed de Fortaleza declarou há poucos dias.

      Hospitalizados 53 pacientes:

      19 tomaram as 3 doses
      23 tomaram 2 doses
      3 com 1 dose
      8 que não tomaram a vacina.

      11 pacientes na UTI:

      4 com 3 dose
      6 com 2 doses
      1 que não tomou vacina.

  3. O negocio e vender vacina que não protegem. E da desculpa que protege. Ja cansamos desse circo armado por algo que nao protege nossa saude. Chega de MKT e mais eficacia de verdade. Pois a vida da população esta em risco

  4. E só mais uma picaretagem. Se isso funcionasse, Israel não estaria como está neste momento, aplicando medidas draconianas contra sua população. Porém tem algo que devemos ressaltar: Como aquela área é muito problemática, pode estar havendo alguma investida epidemiológica por lá, pelos seus tradicionais inimigos.

      1. O traste é candidato e como só abre a boca para falar abobrinhas melhor ficar quieto e deixar outro qualquer falar por ele.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.