Anvisa inclui sonolência e diarreia como reações adversas da vacina da Oxford

Em nota, agência assinala que 'nenhum produto é isento de riscos' e reforça necessidade de monitoramento
-Publicidade-
Imunizante contra a covid-19 da Universidade de Oxford é produzido no Brasil pela Fiocruz
Imunizante contra a covid-19 da Universidade de Oxford é produzido no Brasil pela Fiocruz | Foto: Luis Lima Jr./Estadão Conteúdo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta terça-feira, 23, que incluiu sonolência e diarreira como possíveis reações adversas da vacina contra a covid-19 produzida pela Universidade de Oxford em parceria com a AstraZeneca. O imunizante, produzido no Brasil pela Fiocruz, vem sendo aplicado no programa de vacinação contra a doença causada pelo novo coronavírus.

Leia mais: “Índia admite que deve atrasar envio de vacinas ao Brasil”

-Publicidade-

As alterações na bula da vacina foram feitas em 16 de março, após análise pela área de farmacovigilância da Anvisa. Identificadas em estudos clínicos, as reações já estão incorporadas à bula do produto em outros países.

Em nota, a Anvisa assinala que “nenhum produto é isento de riscos” e reforça a necessidade de monitoramento permanente. “Ele [imunizante] é registrado quando os benefícios superam os riscos, mas essa relação deve ser constantemente avaliada”, diz a agência.

Leia também: “O que falta para o Brasil acelerar a vacinação?”, reportagem publicada na Edição 50 da Revista Oeste

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.