Anvisa mantém máscaras em voos, mas libera serviço de bordo

'Atualização das regras foi possível graças ao desenvolvimento de vacinas contra a covid-19 e ao avanço da vacinação', disse agência
-Publicidade-
Fachada do edifício-sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fachada do edifício-sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Anvisa aprovou nesta quinta-feira, 12, flexibilizações de medidas sanitárias a serem adotadas em aeroportos e aeronaves. O uso de máscara segue obrigatório tanto nos terminais quanto nos aviões, já o serviço de bordo, que é a disponibilização de alimentos e bebidas ao passageiros, voltou a ser liberado.

As regras mais brandas vêm na esteira da decisão do governo federal de pôr fim à Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional em decorrência da covid-19. A vigilância sanitária lembra, no entanto, que permanece a situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

-Publicidade-

“A atualização das regras foi possível graças ao desenvolvimento de vacinas contra a covid-19 e ao avanço da vacinação da população brasileira, que permitiram uma redução expressiva no número de casos e óbitos no Brasil, mesmo com o aparecimento e o avanço de novas variantes”, disse a Anvisa.

A resolução com as novas medidas entrará em vigor em 22 de maio. Ao defender o uso de máscara, a agência afirmou que o uso adequado do equipamento “protege não apenas o indivíduo, mas a coletividade, razão pela qual se constitui em importante ferramenta de saúde pública”.

Segundo a Anvisa, a manutenção da obrigatoriedade do uso da máscara fornece a segurança atualmente necessária para a supressão das demais medidas restritivas e para um retorno gradual à normalidade, sempre pautado no princípio da precaução e da proteção à saúde.

Alimentação a bordo

A agência recomenda que os serviços de bordo sejam os mais breves possíveis, de forma a não prejudicar significativamente o uso de máscaras de proteção facial pelos viajantes. Recomenda, também, que todos os resíduos sólidos gerados pelo serviço de bordo sejam recolhidos o mais breve possível.

Retorno da capacidade máxima para transporte de passageiros

A proposta deliberada permite a retomada da atividade habitual dos ônibus comumente utilizados para transporte de passageiros para embarque e desembarque de aeronaves localizadas na área remota.

Distanciamento físico

Permanece a recomendação do distanciamento físico entre passageiros, porém sem caráter impositivo. “É clara a eficácia dessa medida não farmacológica para a prevenção do contágio em ambientes confinados”, escreveu a vigilância sanitária.

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.