Bolsonaro critica ditadura cubana: ‘E tem gente no Brasil que apoia’

Presidente comentou os protestos de cubanos por liberdade, duramente reprimidos pelo regime comunista
-Publicidade-
O presidente Jair Bolsonaro criticou a ditadura cubana: 'É o comunismo. O cara prega igualdade, mas todos são iguais na pobreza'
O presidente Jair Bolsonaro criticou a ditadura cubana: 'É o comunismo. O cara prega igualdade, mas todos são iguais na pobreza' | Foto: Marcos Corrêa/PR

Em conversa com apoiadores ao deixar o Palácio da Alvorada nesta segunda-feira, 12, o presidente Jair Bolsonaro comentou as manifestações de cubanos por liberdade, registradas ontem no país caribenho.

“[Os cubanos] Foram pedir liberdade. Sabe o que tiveram ontem? Borrachada, pancada e prisão. E tem gente aqui no Brasil que apoia Cuba, que apoia Venezuela… Gente que foi várias vezes para Cuba tomar champanhe com [Fidel] Castro, foi para a Venezuela tomar uísque com o [Nicolás] Maduro. E tem gente aqui que apoia esse tipo de gente. É sinal de que querem viver como os venezuelanos, como os cubanos”, afirmou Bolsonaro.

Leia mais: “Em Cuba, milhares protestam contra a ditadura esquerdista”

-Publicidade-

“É o comunismo. O cara prega igualdade, mas todos são iguais na pobreza. Alguém sabe quanto é salário mínimo em Cuba? 20 dólares. Cem reais. Na Venezuela está atualmente em cinco dólares. Você tem que pegar uma sacola de dinheiro para comprar pão, se achar pão”, prosseguiu o presidente. “Temos problemas no Brasil. Quem não tem problema em casa? Imagina um município, um Estado, o Brasil. Inteligente é quem aprende com erros dos outros. Idiota aprende com próprios erros. Imbecis não aprendem nunca.”

Leia também: “Covid-19: Cuba se recusa a abrir corredor humanitário para ajuda estrangeira”

Como Oeste noticiou, a ditadura comunista de Cuba foi alvo de uma série de manifestações nas últimas horas. Aos gritos de “abaixo a ditadura” e “liberdade”, os manifestantes protestaram contra os sucessivos lockdowns, a falta de remédios e de comida. Em rede nacional, o primeiro-secretário do Partido Comunista do país, Miguel Díaz-Canel, acusou os Estados Unidos de serem os organizadores dos protestos.

As manifestações começaram no povoado de San Antonio de los Baños, um pequeno município rural da província de Artemisa, vizinha de Havana, com cerca de 50 mil habitantes, e se espalharam pelo país. Protestos em Cuba são raros porque as pessoas são proibidas de falar qualquer coisa negativa sobre o governo.

Leia também: “Cresce o número de cubanos que fogem para os EUA”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site