Câmara deve analisar na próxima semana projeto sobre uso de estruturas do agro na vacinação

Texto de autoria do senador Wellington Fagundes já foi aprovado no Senado; ao lado do ministro Marcelo Queiroga, parlamentar visitou instalações de fábrica que poderia produzir vacina contra covid-19
-Publicidade-
Wellington Fagundes, Flávia Arruda e Marcelo Queiroga participaram de inspeção da planta industrial da Ourofino, no interior de São Paulo
Wellington Fagundes, Flávia Arruda e Marcelo Queiroga participaram de inspeção da planta industrial da Ourofino, no interior de São Paulo | Foto: Divulgação

O projeto de autoria do senador Wellington Fagundes (PL-MT) que determina que as estruturas industriais dos laboratórios do agro que fabricam produtos de uso veterinário possam ser utilizadas na produção de vacinas contra a covid-19 deve ser apreciado pela Câmara dos Deputados já na próxima semana. A projeção foi feita pela ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, que visitou as instalações da fábrica da Ourofino, um dos laboratórios interessados em produzir o imunizante, em Cravinhos (SP).

Como noticiamos na sexta-feira 21, Arruda esteve ao lado do próprio Fagundes — relator da comissão especial criada no Senado para tratar das ações de combate ao novo coronavírus no país — e do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na vistoria. “A aprovação na Câmara vai permitir com que outras plantas abram essa possibilidade”, afirmou a ministra.

-Publicidade-

Reportagem especial: “O que falta para os laboratórios do agro produzirem vacina contra covid-19”

No fim do mês passado, o texto foi aprovado pelo Senado (leia aqui a íntegra). Segundo Fagundes, essas empresas teriam capacidade para produzir, em apenas 90 dias, cerca de 400 milhões de doses de vacinas. As companhias se comprometeriam a interromper, temporariamente, suas linhas regulares de produção (vacinas contra febre aftosa e raiva, por exemplo) para se dedicar exclusivamente à imunização contra a covid-19.

“Estamos otimistas, em busca de soluções e trabalhando nesse sentido porque o Brasil precisa e tem condições de produzir vacinas aqui mesmo, em quantidade suficiente para atender toda a população brasileira. Também podemos ajudar os demais países da América Latina”, afirmou o senador após a visita à planta industrial.

Leia mais: “Marcelo Queiroga visita laboratórios do agro interessados em produzir vacina”

Queiroga, por sua vez, classificou a estrutura da Ourofino como altamente avançada. “Buscamos aqui conhecer melhor as instalações da empresa e verificar a possibilidade, em um curto prazo, de termos vacinas contra a covid-19 produzidas neste parque”, disse o ministro.

Como Oeste informou em reportagem especial publicada no dia 21 de abril, para que o projeto, efetivamente, se torne realidade é necessário que haja a transferência de tecnologia para produção do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e pelo Instituto Butantan. “É o mesmo princípio da fabricação da CoronaVac [vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac e, no Brasil, pelo Butantan], ou seja, a partir do vírus inativado. Essas três fábricas, após inspeção e a aprovação da Anvisa e também do Ministério da Agricultura, e depois da transferência de tecnologia, poderiam produzir o volume de vacinas de que o Brasil precisaria. Com toda a biossegurança, com condições de produção de 100% do IFA, que hoje nós importamos a custos muito altos e sem a segurança de ter a vacina aqui no Brasil”, explicou Fagundes a Oeste em abril.

A Anvisa já iniciou o processo de avaliação dos laboratórios, realizando visitas técnicas. Segundo Wellington Fagundes, o trabalho vem sendo feito “por etapas”. Ainda não há um prazo para que o órgão regulatório sanitário dê o aval para essas plantas industriais.

Leia também: “Senado autoriza indústria de vacinas animais a produzir imunizantes para humanos”

Além da Ourofino, há mais dois laboratórios interessados na produção de vacinas contra a covid-19: os da Merck Sharp & Dohme, em Montes Claros (SP), e da Ceva Saúde Animal, em Joatuba (MG). Há ainda uma quarta planta industrial, em Paulínia (SP), pertencente à Boehringer, mas está desativada neste momento. Nessas três fábricas em funcionamento, foram produzidos 262 milhões de doses de vacinas contra a febre aftosa em 2020.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comment

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site