Carrefour promete investimento milionário no combate ao racismo

Empresa anuncia fundo com forma para se promover a inclusão racial
-Publicidade-
Carrefour fala em ação contra o racismo | Foto: Divulgação
Carrefour fala em ação contra o racismo | Foto: Divulgação | carrefour - fundo contra o racismo

Empresa anuncia fundo como forma de promover a inclusão racial

carrefour - fundo contra o racismo
Carrefour fala em ação contra o racismo | Foto: Divulgação
-Publicidade-

A morte de João Alberto Silveira Freitas faz o Carrefour movimentar-se. Dias após o homem ser morto por dois seguranças em frente a uma unidade em Porto Alegre (RS), em caso em que entidades e órgãos de imprensa definiram como racismo, a companhia anunciou a criação de fundo para lidar com questões raciais. A iniciativa receberá aporte de R$ 25 milhões, promete a rede de hipermercados.

Leia mais: “Assassinato faz Carrefour entrar na mira do Procon-SP”

A empresa garante que o novo fundo fomentará projetos para a inclusão de negros em ambientes sociais e no mercado de trabalho brasileiro. A iniciativa terá detalhes de suas primeiras ações divulgados amanhã, quinta-feira 25. Além disso, a rede afirma que membros da diretoria estão promovendo reuniões como representantes de entidades voltadas à defesa de minorias. A intenção é fazer os gestores aprenderem a “atuar de forma concreta na luta contra todo e qualquer tipo de discriminação”.

Nota

Em nota assinada pelo diretor-presidente da empresa no Brasil, o francês Noël Prioux, o Carrefour lamentou a morte do cliente, mas sem mencionar o fato de ele ter sido assassinado por dois seguranças contratados por empresa terceirizada parceira da companhia.

“Não podemos reparar a perda da vida do senhor João Alberto”

“Sabemos que não podemos reparar a perda da vida do senhor João Alberto. Este movimento é o primeiro passo da empresa para que o combate ao preconceito e racismo estrutural, que é urgente no Brasil, ganhe ainda mais força e apoio da sociedade. Acreditamos que poderemos evoluir e contribuir para a construção de uma sociedade mais inclusiva e igualitária”, informa trecho do conteúdo divulgado pelo Carrefour à imprensa.

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comments

  1. A imprensa, organismo geralmente vinculado à esquerda, se esmera para ter poder vendendo matérias e cooptando assinantes, se utilizando, principalmente, da prática de destruir reputações, com fatos verdadeiros ou não, mas de viés favorável à corrupção e bandidagem; lugar comum da esquerda.
    Dessa forma, pessoas e empresas se veem ameaçadas pela esquerda numa constante demonstração de amoralidade, falta de ética, bom senso e honestidade.
    Entendo que, quanto aos políticos, são as urnas, mas quanto à imprensa as Leis poderiam entrar para colocar os pingos nos is. Não o fazem, também, por um Curso, o de Direito, tomado pelo marxismo ideológico, que produz adultos infantilizados e profissionais mal preparados!

  2. Franceses sendo franceses, entrou na onda do mimimi da Extrema imprensa e da esquerdalha , no caso do Corredor de Porto Alegre não teve nada de racismo teve é ignorância de seres “humanos”envolvidos em destempero emocional. Será que estamos vivendo numa era de maricas, onde tudo leva ao mimimi hipócrita?

    1. Podiam começar DISCRIMINANDO brancos. Ou seja os seguranças só podem bater mesmo levando um soco primeiro se o agressor for branco caso contrário abandona o posto e deixa o “discriminado” matar a mulher de porrada. Fim dos tempos mesmo.

  3. Mandem o senhor Nöel Prioux de volta para a França, para que possa ver o que realmente é “racismo estrutural”. Coloquem-no como gerente de um carrefour na periferia de Marselha, para que ele possa ver o que o país dele faz com negros, árabes e asiáticos, socados que são em guetos, onde, em contrapartida, brancos não entram. E quem quiser contestar comparando com as favelas brasileiras, vá primeiro lá ver como é, antes de falar besteiras politicamente corretas. Chega de mimimi e hipocrisia que só pioram o problema.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site