Caso Prevent: Ministério Público de SP pede fim do kit covid

Documento foi entregue ontem aos donos da operadora e exige ainda a contratação de um ombudsman
-Publicidade-
Foto: André Ribeiro/Estadão Conteúdo
Foto: André Ribeiro/Estadão Conteúdo

O Ministério Público de São Paulo elaborou ontem, sexta-feira 15, um Compromisso de Ajustamento de Conduta em que pede à operadora de saúde Prevent Senior a interrupção da distribuição do kit covid a pacientes, a proibição de trocar o CID (Classificação Internacional de Doenças) dos doentes dos hospitais da rede e a contratação de um ombudsman, responsável por mediar reclamações e sugestões de beneficiários da operadora.

O documento foi entregue ontem aos donos da Prevent Senior, Fernando e Eduardo Parrillo, e aos advogados da empresa, que se comprometeram a analisar os termos e dar uma resposta até a próxima sexta-feira, 22.

-Publicidade-

Em nota, a Prevent Senior informou que “considerou positiva a reunião e avaliará a proposta apresentada” pela Promotoria.

Termo de Conduta

Segundo o termo elaborado pela Promotoria de Saúde, o kit covid inclui os seguintes medicamentos: cloroquina, hidroxicloroquina, flutamida, etarnecept, azitromicina, oseltamivir, ivermectina, nitazoxanida, colchicina, zinco, corticoides, vitaminas e anticoagulantes.

Além disso, o MP pede que não seja alterado o código de diagnóstico da doença, o CID, em pacientes atendidos na rede e que sejam incluídos no atestado de óbito todas as doenças e causas que levaram a pessoa à morte.

Quanto ao ombdusman, caberá à operadora indicar um profissional, com mandato de dois anos renovável por mais dois, e remunerado pela Prevent. A indicação deverá ter anuência do MP, da Associação Paulista de Medicina e Sindicato dos Médicos de São Paulo.

Autonomia médica

Em entrevista à Revista Oeste, o médico e presidente do Conselho Federal de Medicina, Mauro Ribeiro, defendeu a autonomia médica e disse que há entidades querendo usurpar a competência dos profissionais da saúde, que estão na linha de frente do combate à covid-19.

“Chegamos à conclusão de que querem nos calar. Querem impor uma narrativa e determinar o que o CFM tem de fazer, sem levar em conta o que os médicos pensam”, disse. “Se você quer discutir a eficácia da hidroxicloroquina e ivermectina no tratamento da covid, a discussão é legítima. Até o momento, não há comprovação de que funciona, nem de que não funciona. Agora, dizer que hidroxicloroquina e ivermectina matam, para quem é médico, mais parece uma piada. E quando isso vem da boca de um médico, beira ao escárnio.”

Leia a entrevista completa com o presidente do CFM, Mauro Ribeiro, publicada na Edição 82 da Revista Oeste: “Estão tentando nos calar”

A respeito dos medicamentos do kit covid listados no termo pela Promotoria de Saúde, o médico clínico geral e doutor em imunologia Roberto Zeballos diz que o uso de corticoides e anticoagulantes é “uma unaminidade no mundo inteiro” no combate à covid e “não fez sentido” proibir a prescrição desses remédios.

A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP), em sua conta no Twitter, se manifestou a favor da autonomia do médico:

 

 

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

13 comentários Ver comentários

  1. Tem q dar o nome do iluminado do MPE que está bancando isso ai para que no futuro possa ser responsabilizado. A que ponto chegou essa insanidade cretina de políticos, juízes e outros carcamanos se intrometer onde n tem a mínima condição e competência.

  2. Ministério publico é que entende de Medicina! Quando algum deles for à um serviço médico de urgência, favor envia-los para um escritório de advocacia.

  3. Qual é a especialidade médica do Ministério Público Estadual? Algum membro dessa onerosa repartição foi acometido por COVID e não foi medicado com esses medicamentos? Só Prevent não vai poder prescrever essa medicação? O MPE é um puxadinho da CPI DO CANGAÇO que quer destruir a PREVENT deixando em pânico milhares de funcionários e mais de 500 mil clientes idosos?
    O crime da Prevent é ser um plano acessível a pobre classe média de idosos? brasileiros?

  4. Que falta de vergonha ! Que palhaçada ! Se tivéssemos um ministério público sem infiltração de delinquentes estavam atuando sobre os bilhões que os governadores e prefeitos desviaram e PRINCIPALMENTE O MEIO BILHÃO QUE O SAFADO DO AGRIPINO DORIA GASTOU EM PUBLICIDADE PARA PODER MANIPULAR A VERDADE

  5. Eu não sabia que os concursados para Promotoria de Justiça do Estado de SP, são formados em medicina. Pelo que sei a formação exigida é em direito.

  6. Um monte de gente imcompetente julgando a medicina sem entender bulufas de nada, tudo ladrao a serviço de grandes laboratorios……

  7. Até quando vamos ter que aturar desajustados complexados exercer profissões aleias as suas?
    E tudo com nosso dinheiro de impostos!
    Um autêntico Ativismo Criminoso Judicial!

  8. O Brasil não é para principiantes. Vergonhoso um procurador pedir a um médico, dono de plano de saúde para parar de usar determinados remédios. E o pior : o STF concorda com esse procurador empregado do Doria. Caso ficar comprovado que algumas dessas substâncias funcionam nessa maldita doença, esses sem vergonhas do procurador, sindicato e associação de médicos vão se responsabilizar? Não, e o caso será esquecido. Todos se fingirao de mortos. Quantos defuntos sairão da Prevent porque os médicos da operadora só poderão dar paracetamol? O que a Prevent vai dizer aos familiares dos mortos? Que a culpa é do procurador Idiota?

  9. De agora em diante, quando adoecermos vamos até a promotoria ao invés de procurar um Médico. O promotor de justiça sabe de tudo! É um ser iluminado.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.