CoronaVac: pesquisa sobre dose de reforço tem 17 vezes mais voluntários que vagas

No segundo dia de inscrições, a quantidade de interessados chegou a 20 mil
-Publicidade-
Foto: Divulgação/GESP
Foto: Divulgação/GESP

Cerca de 20 mil pessoas se voluntariaram para participar do estudo que avalia a necessidade de uma dose de reforço para quem tomou a CoronaVac — a vacina contra a covid-19 desenvolvida pela chinesa Sinovac. Conduzida pelo Ministério da Saúde em parceria com a Universidade de Oxford, a pesquisa será realizada em 1,2 mil participantes selecionados — volume 16,6 vezes menor que o número de candidatos inscritos.

Leia também: “Cidade de SP retoma imunização para ‘sommeliers de vacina’”

De acordo com a médica Sue Ann Clemens, coordenadora do trabalho, em poucas horas a procura chegou a 16 mil, e o número de 20 mil interessados foi atingido no segundo dia.

-Publicidade-

Todas as vacinas em uso no Brasil (Oxford/AstraZeneca, CoronaVac, Janssen e Pfizer) serão testadas como dose de reforço ao imunizante da Sinovac. As aplicações começaram na segunda-feira 16 em dois Estados: Bahia e São Paulo.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários

  1. É lógico. Todo mundo que tomou esse soro fisiológico chamado Coronavac quer se imunizar de verdade. Isso foi culpa da ANVISA. João Doria e Dimas Covas, 2 malucos tem que ir para o hospício.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro