-Publicidade-

Companhias aéreas americanas cortam bebidas alcoólicas em voos para evitar disseminação do coronavírus

Empresas estão optando por servir bebidas e lanches selados para evitar contato entre tripulação e passageiros.
Companhias aéreas americanas como a Delta estão servindo apenas lanches e bebidas selados para evitar contatos entre tripulantes e passageiros | Foto: Benjamin van Waart/Flickr
Companhias aéreas americanas como a Delta estão servindo apenas lanches e bebidas selados para evitar contatos entre tripulantes e passageiros | Foto: Benjamin van Waart/Flickr | companhias aéreas, estados unidos, bebidas alcoólicas, voos

Empresas estão optando por servir bebidas e lanches selados para evitar contato entre tripulação e passageiros

companhias aéreas, estados unidos, bebidas alcoólicas, voos
Companhias aéreas americanas como a Delta estão servindo apenas lanches e bebidas selados para evitar contatos entre tripulantes e passageiros | Foto: Benjamin van Waart/Flickr

As companhias aéreas de todo o setor adotaram novas políticas em relação ao uso de máscaras, arranjos de assentos e muito mais para manter os passageiros e funcionários em segurança durante o período de pandemia de coronavírus. Mas outra mudança inicial do setor passou despercebida: na maioria dos voos, o álcool se foi.

Como a covid-19 pode se espalhar através do contato de superfície, as companhias aéreas enfatizam a redução de “pontos de contato” entre os passageiros e o pessoal da companhia aérea, tanto quanto possível. E o serviço de bebidas é uma das principais fontes desses contato.

Para esse fim, a Delta acabou com todas as bebidas a bordo, por enquanto, além de garrafas de água descartáveis. Artigos de vidro, gelo, copos de plástico e outros recipientes abertos também foram descartados, embora a aérea permita que os viajantes tragam seus próprios alimentos e bebidas não-alcoólicas a bordo.

A American Airlines também permite, mas suas diretrizes variam de acordo com o voo e a passagem. As bebidas alcoólicas ainda estão disponíveis mediante solicitação em todos os voos de primeira classe, porém apenas em “voos internacionais de longo curso” na cabine principal. Os passageiros podem solicitar água ou refrigerantes em qualquer período de voo em qualquer seção, com lanches leves servidos em viagens de mais de 900 milhas.

Enquanto isso, os voos da JetBlue estão “oferecendo uma bolsa pré-selada com água e dois lanches” para a maioria dos clientes, escreveu um porta-voz em um e-mail ao The Washington Post. “Para a nossa primeira classe, estamos fornecendo uma seleção limitada de cerveja e vinho em recipientes de serviço único e caixas de refeição pré-seladas.”

A Southwest Airlines, que não possui primeira classe, suspendeu temporariamente o serviço de bebidas alcoólicas em todos os voos e reduziu o serviço de bordo em voos de 251 milhas ou menos. Aos passageiros desses vôos serão oferecidas latas de água fechadas e pacotes selados de mix de lanches, além de copos de gelo mediante solicitação, de acordo com uma atualização de serviço em maio.

A única exceção entre as principais operadoras? A United. A companhia aérea com sede em Chicago não se livrou do serviço de bebidas alcoólicas, embora tenha mudado para “apenas servir bebidas seladas” e não mais oferecerá “serviço de gelo, café e chá e bebida com álcool”.

Também não são apenas as empresas americanas que estão mudando suas políticas sobre bebidas com álcool. A Virgin Atlantic e a Virgin Australia, conhecidas por seus serviços de comida e bebida a bordo, pararam temporariamente de servir álcool em vôos para limitar o contato entre tripulantes e passageiros. Em toda a Europa, várias companhias aéreas importantes, como a KLM e a British Airways, cortaram pelo menos parcialmente o serviço de bebidas alcoólicas enquanto mudavam outros procedimentos a bordo por questões de saneamento e segurança, segundo a CNN.

Enquanto os Estados estão reabrindo e os americanos estão ficando cada vez mais confinados, o aviso “Nível 4: Não Viaja” do Departamento de Estado permanece em vigor. Até que isso mude, essa nova realidade aérea pode ser um sacrifício necessário – para muitos, impopular.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Certamente essa é uma nova filosofia que chegou para ficar e, mais uma vez tendo a Delta Airlines como mentora. Foi ela que começou a cobrar por bagagens, depois pela escolha de assentos – mesmo sendo na mesma classe – acabando com a justa política do “quem comprou primeiro escolhe”. Ter que pagar um absurdo por um sanduiche de péssima qualidade em voos domésticos de longa duração é um escárnio. Vai chegar o dia em que passageiros terão que pagar para ir ao banheiro. Não estão aí com os passageiros. A única coisa que importa é o $$$

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês