-Publicidade-

Coronavírus: Fiocruz recebe hoje primeiro lote do insumo para fabricar a vacina

A irá viabilizar a produção de 2,8 milhões de doses do imunizante
| Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo
| Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo | | Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo
A carga deve aterrissar no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro às 17h50 | Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo

Neste sábado, 6, chega ao Brasil o primeiro lote do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para a produção da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca. O imunizante será produzido no país pela Fundação Oswaldo Cruz. A carga deve aterrissar no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro às 17h50 de hoje e irá viabilizar a produção de 2,8 milhões de doses do imunizador.

Leia também: “Coronavírus: apenas 6% das vacinas da China encomendadas pelo Brasil foram entregues”

Outros dois lotes do IFA são aguardados para fevereiro que serão entregues nos dias 23 e 28. Somadas, as três cargas permitirão a fabricação de 15 milhões de doses do imunizante. Até julho, a Fiocruz planeja entregar ao Ministério da Saúde 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 comentários

  1. Artur da Távola Redonda! Notei nos últimos dias que alguns comentaristas “especialistas” em tudo estão meio confusos. Eles perceberam que estão atrasados no túnel do tempo. Em agosto ou setembro do ano passado eles nem sabiam o que era IFA, ANVISA, FIOCRUZ e nada sabiam da legislação em torno do assunto de liberação de medicamentos, quais os procedimentos e protocolos. Também não sabiam nada sobre relações internacionais e desprezavam a ideia de que países onde são produzidas vacinas dariam prioridade a vacinação de seu povo e depois os vizinhos e parceiros. Depois, se sobrassem, se a pressão política deixasse, exportariam vacinas prontas para o resto do mundo. Tem muita gente que comprou só a vacina e não tem como adquiria o insumo básico para produção local. Como nos últimos 40 anos pouco se investiu no Brasil na pesquisa e desenvolvimento de medicamentos e vacinas de alto conteúdo tecnológico, dependemos de importações. Os especialistas só querem encontrar um ou dois culpados sem saber que neste assunto de pandemia existem um exército de gente trabalhando diretamente e no apoio logístico. Para eles em conluio com alguns ministros do STF tudo é fácil e em cinco dias se resolve tudo e até relatórios de vacinação (sem a vacina) devem ser feitos pelas autoridades…

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês