Coronavírus: registro da vacina de Oxford na Anvisa começa até 15 de janeiro

"Nós vamos produzir essa vacina de forma ininterrupta até quando os brasileiros precisarem ser vacinados", afirma presidente da Fiocruz
-Publicidade-
| Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo
| Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo

“Vamos produzir essa vacina de forma ininterrupta até quando os brasileiros precisarem ser vacinados”, afirma presidente da Fiocruz

Vacina de Oxford no Brasil | Foto: Cadu Rolim/Estadão Conteúdo

Os documentos para o registro da vacina de Oxford contra a covid-19 na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) devem ser entregues até 15 de janeiro. A afirmação foi feita pela presidente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Nísia Trindade, nesta quarta-feira, 30, durante a cerimônia de entrega de R$ 20 milhões feita pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro à entidade para apoiar o combate ao coronavírus.

-Publicidade-

“O nosso registro já está sendo submetido com a perspectiva de entrega final de documentos até a data de 15 de janeiro”, explicou.

Segundo a executiva, o governo federal pretende usara vacina em quase 50 milhões de brasileiros dos grupos prioritários. “O plano nacional de vacinação do Ministério da Saúde prevê usar o imunizante nas três primeiras fases, que atenderão 49,6 milhões de pessoas de grupos prioritários, como trabalhadores de saúde, idosos e indígenas”, informou.

Desde junho, a Fiocruz trabalha em parceria com a Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca para desenvolver uma vacina para conter a pandemia de coronavírus. A entidade brasileira poderá fabricar o imunizante no país. “A Fiocruz produzirá em Bio-Manguinhos” disse Nise à Globonews. “Vamos produzir essa vacina de forma ininterrupta até quando os brasileiros precisarem ser vacinados”.

Leia também: “Vacina da Oxford é aprovada pela ‘Anvisa do Reino Unido’”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários

    1. Boa, “prudência não faz mal a ninguém”. Também concordo.
      Tirando essa vacina da China sendo empurrada pelo “garoto propaganda” do PCC (Partido Comunista Chinês), as demais eu NÃO vejo restrição… Esta é a minha opinião.

  1. Até que enfim a ALERJ toma uma atitude digna, fazendo uma doação para uma causa justa. O STF, nadando em dinheiro e lagostas, poderia seguir o exemplo em vez de querer roubar a vacina dos outros.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro