Covas diz não ter medo de segunda onda de coronavírus em São Paulo

Prefeito disse que reabertura foi iniciada quando prevalência na capital era o dobro do que em países como Itália e Espanha, que vivem o problema.
-Publicidade-
Bruno Covas garante que não há por que temer segunda onda de coronavírus em São Paulo  Foto: Governo do Estado de São Paulo
Bruno Covas garante que não há por que temer segunda onda de coronavírus em São Paulo Foto: Governo do Estado de São Paulo | bruno, segunda onda, coronavírus, covid-19, cidade de são paulo, prefeitura de são paulo, inquérito sorológico, reabertura econômica

Prefeito disse que reabertura foi iniciada quando prevalência na capital era o dobro do que em países como Itália e Espanha, que vivem o problema

bruno, segunda onda, coronavírus, covid-19, cidade de são paulo, prefeitura de são paulo, inquérito sorológico, reabertura econômica
Bruno Covas garante que não há por que temer segunda onda de coronavírus em São Paulo Foto: Governo do Estado de São Paulo

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas,afirmou, em entrevista à CNN Brasil nesta quinta-feira, 30, que não teme uma segunda onda do coronavírus na capital paulista, ainda que a doença tenha “jogado luz sobre a desigualdade na cidade”.

-Publicidade-

“A incidência é três vezes maior na classe D do que na classe A”, lamentou.

O prefeito também disse ter solicitado ao secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, que prepare novas ações para conter a disseminação do vírus entre a população idosa, grupo de risco que, no último inquérito sorológico do município viu o índice de contaminação subir de 5% para 13,5%, a mais afetada de todas as faixas etárias.

Covas garante que a subnotificação apontada pelo levantamento — que concluiu que 1,32 milhão de paulistanos já tiveram a doença, quando os dados oficiais falam em sete vezes menos que isso — não se deu por falta de testar quem procurou atendimento na rede pública de saúde. “Infelizmente ainda não temos como fazer a testagem em massa dos 12 milhões de paulistanos”, acrescentou, colocando também que o inquérito serviu justamente para trazer uma visão mais realista sobre o vírus chinês na capital.

De acordo com o chefe do Executivo municipal, com os novos critério do Plano São Paulo será possível estimar uma data de quando a cidade irá para a fase verde.

Sobre a reabertura econômica poder trazer uma nova onda de covid-19, Bruno Covas disse não se preocupar.

“Iniciamos a retomada das atividades quando o inquérito sorológico da cidade apontava uma prevalência de 9,5%, usamos o anterior ao atual, que já fala em 11,1%”, explicou.”São números bem acima de países como França e Espanha que começaram a retomar atividade econômica com 5% da população imunizada. Aqui tínhamos o dobro disso”.

Para ele, o fato de cada setor também fiscalizar a reabertura para evitar o fechamento do comércio ajudou na manutenção de índices em queda de mortes e casos na cidade.

O número de leitos e hospitais a serem utilizados também foi outro dado usado por Covas para se mostrar tranquilo com relação ao coronavírus. Segundo ele, mesmo com a desativação do hospital de campanha do Pacaembu e de parte do hospital de campanha do Anhembi, São Paulo passou a contar com seis novos hospitais até o momento e ainda terá mais dois, a serem inaugurados em agosto.

“O difícil era no início, quando não tínhamos nem espaço, nem respiradores, nem equipe”, concluiu.

Leia também: Covas afirma que Saúde definirá data do retorno às aulas

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.